Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Vigias de banco falharam, diz polícia


Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

06/05/2006 | 08:24


O delegado do Garra, Paul Verduraz, disse sexta-feira que houve falha dos seguranças da agência do Bradesco que foi assaltada quinta-feira na hora do almoço. Segundo ele, os agentes do banco da avenida Kennedy, na região central de São Bernardo, não confiaram no sistema eletrônico que trava a porta e acreditaram que os assaltantes estavam mesmo com armas verdadeiras. Eles foram rendidos facilmente, e os ladrões portavam revólveres de brinquedo. “Não houve sintonia na ação dos vigilantes. Creio que não confiaram na porta, por isso foram subjugados”, disse o delegado. Verduraz não descartou a hipótese de falha no equipamento eletrônico, já que parte do grupo entrou logo em seguida com armas verdadeiras.

Os ladrões renderam os seguranças, tomaram as armas e fizeram 25 pessoas – clientes e funcionários – reféns. Foi preciso uma hora de negociação até que libertassem as pessoas e se rendessem à polícia.

Procurada pela reportagem do Diário, a Protege, que faz a segurança da agência, não se pronunciou até o fechamento desta edição. O Bradesco informou que não comentaria o caso. Um funcionário do banco, Maurício da Fonseca, teve traumatismo craniano em razão de uma coronhada, continuava internado até sexta-feira à noite.

Até o início da tarde de sexta-feira, os proprietários do Pálio e das duas motos usados na tentativa de assalto não haviam registrado queixa de roubo. “Mandaremos uma equipe aos endereços que levantamos ainda hoje (sexta-feira). Eles terão de se explicar. O trabalho tem de ser complexo. Não podemos deixar passar nada”, disse Verduraz.

Segundo o delegado, as armas apreendidas com o grupo – sete no total, incluindo uma calibre 12 – tinham numeração raspada. Um dos revólveres, calibre 38, tinha o brasão da Polícia Militar. “Mandamos para perícia (identificar a numeração). Assim que sair o resultado, tentaremos chegar aos proprietários dessas armas.”

Colete – O Bradesco e a Protege também não comentaram a queixa do Seevissp (Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância e Segurança de São Paulo) sobre o fato de os vigias da agência não usarem coletes à prova de bala. A situação, de acordo com o sindicato, é comum também em outras instituições bancárias.

Segundo o sindicato, não há legislação estadual ou federal que obrigue as empresas de segurança a fornecerem tal equipamento. A lei federal 7.102/83 determina apenas que os seguranças de carro-forte usem coletes. Dois dos seis assaltantes que tentaram roubar a agência do Bradesco usavam coletes.

O sindicato dos vigilantes reivindica ao Ministério do Trabalho que insira na NR-6 (norma regulamentadora da legislação trabalhista) o uso de coletes por parte dos vigias dentro das agências. “Assim como em outras profissões é obrigatório o uso de botas, luvas e protetor auricular, o colete também é fundamental para os profissionais da segurança”, disse Carlos Roberto Silveira, assessor de direção do Seevissp.

Segundo Silveira, a questão será discutida na próxima segunda-feira em reunião tripartite (com representantes de funcionários do setor, empresas e governo) no Ministério do Trabalho, em Brasília. “É uma luta antiga. Creio que essa mudança na NR-6 será feita. Se isso acontecer, a minuta com a alteração será enviada para assinatura do ministro (Luiz Marinho). Após a publicação no Diário Oficial da União, passa a valer.”

A polícia divulgou sexta-feira as fotos do grupo que invadiu o banco. O objetivo é fazer com que possíveis vítimas dos assaltantes compareçam à Delegacia Seccional de São Bernardo para prestar queixa. Cinco dos presos tinham passagem por roubo. Um deles tinha saído da cadeia havia dez dias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;