Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Corinthians quer pelo menos empate contra o Atlético


Nelson Cilo
Especial para o Diário

18/05/2000 | 00:11


  Depois de conquistar o título brasileiro em cima do Atlético-MG, o Corinthians reencontra o rival, às 21h40 desta quinta, em Belo Horizonte, no jogo de ida pelas quartas-de-final da Copa Libertadores. A volta está prevista para terça-feira, em Sao Paulo, se a CBF nao adiar para quarta.

O medo nao desapareceu. Até agora, o técnico Oswaldo de Oliveira e os jogadores do Corinthians nao conseguiram apagar as cenas do primeiro duelo entre ambos, lá em Minas, na decisao nacional de 1999. Nao se esqueceram do sufoco no Mineirao.

Ao retornar ao mesmo estádio, é como se o trauma do gol-relâmpago, no comecinho, aos 15 segundos, ainda incomodasse o Corinthians. O cruzamento pelas costas do lateral Kléber encontrou o matador Guilherme mais livre do que nunca. "Cometemos um descuido que nunca mais vai se repetir. Aquilo talvez aconteça de novo só daqui a 100 anos", supoe o craque.

O capitao do Corinthians comanda o coro daqueles que respeitam o Atlético e prevêem muitas dificuldades. Mas ele admite que alcançar a vitória no terreiro do inimigo nao é uma tarefa impossível. Desde, segundo ele, que o time saiba administrar convenientemente o equilíbrio e a naturalidade para resistir à pressao do adversário. "Se eu fosse dar um conselho, diria que precisamos explorar a inteligência e impor nosso ritmo. Nada de correria. Este é o caminho", acredita.

Edílson concorda. Segundo ele, nao se pode repetir a bobeira que obrigou o Corinthians a de desdobrar para conquistar o título na finalíssima do Morumbi. "Tomar um gol em apenas 15 segundos desestrutura qualquer time. Nao há esquema que resista a um erro daqueles", admite.

A exemplo de Marcelinho Carioca, o técnico Oswaldo de Oliveira nao admite a hipótese de o Corinthians ficar na defesa para esperar o Atlético. O treinador lembra que o esquema dele nao mostra o mínimo perfil defensivo. "Eles (o Atlético) estao acostumados a atacar. O Corinthians também. Mas nao podemos ignorar a importância de uma forte marcaçao no meio-campo. O ideal é unir bem os ingredientes. Só assim, nao correríamos os riscos de quem se expoe demais".

Oliveira entende que a tabela do torneio sul-americano coloca frente a frente dois times que poderiam disputar o título da Libertadores. "É uma pena que um irá cair fora. O Atlético nos preocupa, sim. Além de manter a base do Campeonato Brasileiro, eles reforçaram o grupo e melhoraram o entrosamento".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Corinthians quer pelo menos empate contra o Atlético

Nelson Cilo
Especial para o Diário

18/05/2000 | 00:11


  Depois de conquistar o título brasileiro em cima do Atlético-MG, o Corinthians reencontra o rival, às 21h40 desta quinta, em Belo Horizonte, no jogo de ida pelas quartas-de-final da Copa Libertadores. A volta está prevista para terça-feira, em Sao Paulo, se a CBF nao adiar para quarta.

O medo nao desapareceu. Até agora, o técnico Oswaldo de Oliveira e os jogadores do Corinthians nao conseguiram apagar as cenas do primeiro duelo entre ambos, lá em Minas, na decisao nacional de 1999. Nao se esqueceram do sufoco no Mineirao.

Ao retornar ao mesmo estádio, é como se o trauma do gol-relâmpago, no comecinho, aos 15 segundos, ainda incomodasse o Corinthians. O cruzamento pelas costas do lateral Kléber encontrou o matador Guilherme mais livre do que nunca. "Cometemos um descuido que nunca mais vai se repetir. Aquilo talvez aconteça de novo só daqui a 100 anos", supoe o craque.

O capitao do Corinthians comanda o coro daqueles que respeitam o Atlético e prevêem muitas dificuldades. Mas ele admite que alcançar a vitória no terreiro do inimigo nao é uma tarefa impossível. Desde, segundo ele, que o time saiba administrar convenientemente o equilíbrio e a naturalidade para resistir à pressao do adversário. "Se eu fosse dar um conselho, diria que precisamos explorar a inteligência e impor nosso ritmo. Nada de correria. Este é o caminho", acredita.

Edílson concorda. Segundo ele, nao se pode repetir a bobeira que obrigou o Corinthians a de desdobrar para conquistar o título na finalíssima do Morumbi. "Tomar um gol em apenas 15 segundos desestrutura qualquer time. Nao há esquema que resista a um erro daqueles", admite.

A exemplo de Marcelinho Carioca, o técnico Oswaldo de Oliveira nao admite a hipótese de o Corinthians ficar na defesa para esperar o Atlético. O treinador lembra que o esquema dele nao mostra o mínimo perfil defensivo. "Eles (o Atlético) estao acostumados a atacar. O Corinthians também. Mas nao podemos ignorar a importância de uma forte marcaçao no meio-campo. O ideal é unir bem os ingredientes. Só assim, nao correríamos os riscos de quem se expoe demais".

Oliveira entende que a tabela do torneio sul-americano coloca frente a frente dois times que poderiam disputar o título da Libertadores. "É uma pena que um irá cair fora. O Atlético nos preocupa, sim. Além de manter a base do Campeonato Brasileiro, eles reforçaram o grupo e melhoraram o entrosamento".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;