Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diadema terá que acionar a Justiça para deixar Consórcio

Marina Brandão/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Entendimento de prefeitos é que Lauro,
sem apoio na Câmara, vai judicializar decisão


Júnior Carvalho
do Diário do Grande ABC

05/04/2017 | 07:00


Sem votos suficientes na Câmara para emplacar a retirada de Diadema do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, o prefeito Lauro Michels (PV) tende a judicializar o processo. Internamente, o entendimento dos prefeitos da região, com exceção do verde, é que, como Lauro não possui apoio político para concretizar a saída do município do colegiado, deve ir à Justiça para tentar emplacar sua decisão unilateral.

Como já esperado há duas semanas, Lauro entregou ofício comunicando a saída de Diadema do órgão regional na assembleia mensal realizada ontem. A queda de braço jurídica deve ocorrer porque o Paço diademense tem convicção de que não necessita de autorização legislativa para retirar o município do Consórcio, ao contrário do que sustenta a entidade.

O governo Lauro se baseia em protocolo de intenções celebrado pelas sete prefeituras antes de o órgão mudar seu regime jurídico, entre 2009 e 2010, o que permitiu que a entidade começasse a receber verbas externas. Esse regimento não prevê que eventuais desfiliações necessitem de autorização legislativa, como determina o artigo 7º do estatuto definitivo do colegiado, elaborado posteriormente.

“Com a transformação do Consórcio de entidade privada para pública, compreendeu-se que, havendo aportes financeiros e regulamentação pública, há necessidade de a saída (dos municípios) ter que ser aprovada pelo Legislativo. É igual quando o prefeito precisa celebrar convênios com o governo estadual ou com outros órgãos (e pede autorização para os vereadores). Não pode ser uma decisão unilateral do prefeito”, analisou o secretário executivo da instituição, Fabio Palacio (PR).

A manifestação oficial do colegiado e dos próprios prefeitos que estavam na reunião de ontem é a de que o setor jurídico da entidade analisará alternativas para a permanência de Diadema no órgão, como a possibilidade de adotar método diferenciado para que o município quite suas dívidas (leia mais ao lado). O Diário apurou, entretanto, que a postura é meramente protocolar e que a tendência é que o Consórcio negue a saída do município sem autorização da Câmara. No Legislativo, Lauro só tem apoio de nove dos 21 vereadores e dificilmente conseguirá materializar o desligamento do órgão por vias políticas.

O verde deixou a reunião relâmpago entre os prefeitos – Atila Jacomussi (PSB), de Mauá, e José Auricchio Júnior (PSDB), de São Caetano, não estavam presentes – sem falar com a imprensa.

Durante a reunião, Lauro mudou o discurso e amenizou os ataques à entidade. Antes, o prefeito alegava que a saída do colegiado se dava a falta de recursos financeiros e que a cidade pouco tinha se beneficiado de projetos costurados pelo Consórcio com os governos federal e estadual. O verde chegou a afirmar que o órgão mantém cabides de empregos de funcionários comissionados. No encontro de ontem, contudo, Lauro reconheceu a importância do debate regional intermediado pela entidade e se limitou a justificar que a decisão se pauta exclusivamente em dificuldades econômicas da Prefeitura. (Colaborou Daniel Macário)


Paço diademense e de Ribeirão Pires parcelam dívidas em seis anos

Os prefeitos de Diadema, Lauro Michels (PV), e de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), se juntaram a Santo André, governada por Paulo Serra (PSDB), e decidiram parcelar as dívidas dos respectivos municípios com o Consórcio Intermunicipal em seis anos.

Na assembleia de prefeitos realizada ontem, Lauro e Kiko anunciaram adesão ao prazo máximo de parcelamento proposto pela entidade, de 72 vezes, que encerra em 2023. Sob a gestão de Orlando Morando (PSDB), a Prefeitura de São Bernardo já havia optado por quitar o débito, de R$ 2,8 milhões, em 36 mensalidades, ou em três anos.

Enquanto Diadema acumula a segunda maior dívida com o colegiado, com R$ 8,3 milhões em débitos – o montante é liderado pelo município andreense, com passivo de R$ 10 milhões –, Ribeirão possui R$ 1,2 milhão em repasses não pagos. São Caetano (R$ 1,4 milhão em dívida), Mauá (R$ 3,1 milhões) e Rio Grande da Serra (R$ 194,9 mil) ainda não aderiram ao parcelamento.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;