Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Siglas mudam de nome para tentar captar votos

Waldemir Barreto/Agência Senado  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Especialista vê aspecto positivo em partidos menores, mas prejuízo para legendas como PMDB e PT


Humberto Domiciano
Do Diário do Grande ABC

22/10/2017 | 07:00


 Tendo em vista as eleições de 2018 e buscando conquistar o eleitorado que sinaliza por mudanças, diversas legendas iniciaram neste ano um processo de alteração de nome.

A primeira sigla a efetuar a troca foi o PTN (Partido Trabalhista Nacional), que virou o Podemos. Com o projeto de lançar o senador paranaense Alvaro Dias como candidato a presidente da República, o partido passou também por mudança programática.

“Tivemos uma alteração de ideologia e conteúdo. A ideia é se reposicionar e chegamos a esse projeto após um estudo que levou dois anos. Desde a mudança, o partido cresceu de quatro para 18 parlamentares. O Alvaro Dias é fruto dessa transformação porque vê no Podemos a possibilidade de desenvolvimento dos projetos políticos”, afirmou o consultor de marketing do partido, Fernando Vieira.

Na opinião do professor de Direito da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Michael Mohallem, a tática de alteração de nome dos partidos está ligada ao desejo de novidade por parte dos eleitores. “É uma estratégia de se apresentar algo novo, ainda que seja uma recauchutagem. Um ponto que precisa ser colocado é que pela rejeição que os partidos tradicionais têm sofrido, a letra P tende a ser tirada das denominações. Há uma carga negativa quando se fala de agremiações políticas”, ponderou.

O especialista cita como exemplo o Democratas (antigo PFL), que em 2007 acertou a troca de nome em meio a uma crise interna.

Outro exemplo de mudança recente foi a do PEN (Partido Ecológico Nacional), sigla criada em 2012, e que neste ano entrou com pedido, em análise pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), para virar Patriota.

O objetivo da legenda é ter o deputado carioca Jair Bolsonaro (PSC), segundo colocado em pesquisas recentes, como postulante à Presidência da República. “Estamos em um processo de crescimento e isso se deve ao Jair, que já é um Patriota”, comentou Gilberto Costa, presidente municipal do PEN de São Caetano. Bolsonaro, entretanto, não descartou abandonar o futuro Patriota e se lançar à Presidência pelo PR.

Em setembro, o TSE aprovou a mudança de denominação do PTdoB (Partido Trabalhista do Brasil) para Avante e ainda analisa pedido do PSDC (Partido Social Democrata Cristão) para virar Democracia Cristã.

NOMES TRADICIONAIS

Recentemente até o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) cogitou retornar para o antigo nome, MDB, utilizado entre 1966 e 1979. A hipótese foi levantada pelo senador Romero Jucá e até o momento não foi debatida.

Para Michael Mohallem, partidos como o próprio PMDB, PT e PSDB teriam prejuízos caso optassem por mudanças em suas denominações. “Os grandes partidos, teoricamente, perderiam com a troca de nome. Essas siglas possuem história e mesmo com o momento trágico que vivem, ainda são lembradas pelos eleitores”, pontuou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;