Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ganhador da Mega-Sena causa curiosidade em Mauá

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aposta que ganhou R$ 80,5 milhões foi feita em lotérica do Zaíra, mas é retirada em São Bernardo


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

08/11/2013 | 07:00


Procura-se um milionário. A curiosidade para saber quem é o felizardo tomou conta das ruas de Mauá. Principalmente no Jardim Zaíra, onde na quarta-feira foi sorteado o bilhete da Mega-Sena acumulada, com prêmio de R$ 80,5 milhões, o terceiro maior da história. Para quem duvidava, o raio cai, sim, duas vezes no mesmo lugar. Em dezembro de 2011, o vencedor da Mega da Virada fez a aposta em uma lotérica no Centro da cidade.

Os boatos são os mais diversos. “Ouvi dizer que foi um cara que trabalha na autopeças aqui da (Avenida) Castelo Branco. Dizem que ele nunca falta no serviço e, justo hoje (ontem), ele não foi”, relata o lavador Edson Vieira, 36 anos. “Se eu ganhasse, compraria o lava-rápido e todos os carros que estivessem dentro”, sonha. O dono do comércio, porém, nega ser patrão do milionário. “Não foi aqui, infelizmente. Se fosse, pediria dinheiro emprestado. Se ele não desse, seria demitido”, brinca Abel Martins Filho, 69.

 

“Me falaram que é um morador da Vila Bocaina, mas também escutei que foi o pessoal da UBS (Unidade Básica de Saúde) que fez bolão. O fato é que a pessoa já deve estar muito longe. Eu, por exemplo, estaria no Havaí pegando onda”, imagina o encarregado de pintura Daniel Foramílio, 30. O que se sabe é que o vencedor trabalha em indústria e retirou a bolada em São Bernardo.

 

Mas o que fazer com tanto dinheiro? A realidade é tão distante que fica difícil até sonhar. “Acho que iria para o hospital. Ficaria muito nervosa. A primeira coisa que faria com o dinheiro seria comprar uma casa”, conta a DJ Jesiane Carvalho, 35. Para se ter uma ideia da grandeza, esse valor, na poupança, rende cerca de R$ 400 mil por mês.

 

Para quem não ganhou, fica a frustração. A controladora de acesso Adriana Alves, 37, fez 54 jogos com as colegas de trabalho. “Nunca é demais. Para o próximo acabei de fazer mais 11.”

As funcionárias da lotérica não sabem quem foi a responsável pela venda do bilhete. “Os clientes sempre prometem trazer um presente caso ganhem. Mas até agora, ninguém apareceu”, lamenta Andréia Martins, 32 (Colaborou Drielly Gaspar)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ganhador da Mega-Sena causa curiosidade em Mauá

Aposta que ganhou R$ 80,5 milhões foi feita em lotérica do Zaíra, mas é retirada em São Bernardo

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

08/11/2013 | 07:00


Procura-se um milionário. A curiosidade para saber quem é o felizardo tomou conta das ruas de Mauá. Principalmente no Jardim Zaíra, onde na quarta-feira foi sorteado o bilhete da Mega-Sena acumulada, com prêmio de R$ 80,5 milhões, o terceiro maior da história. Para quem duvidava, o raio cai, sim, duas vezes no mesmo lugar. Em dezembro de 2011, o vencedor da Mega da Virada fez a aposta em uma lotérica no Centro da cidade.

Os boatos são os mais diversos. “Ouvi dizer que foi um cara que trabalha na autopeças aqui da (Avenida) Castelo Branco. Dizem que ele nunca falta no serviço e, justo hoje (ontem), ele não foi”, relata o lavador Edson Vieira, 36 anos. “Se eu ganhasse, compraria o lava-rápido e todos os carros que estivessem dentro”, sonha. O dono do comércio, porém, nega ser patrão do milionário. “Não foi aqui, infelizmente. Se fosse, pediria dinheiro emprestado. Se ele não desse, seria demitido”, brinca Abel Martins Filho, 69.

 

“Me falaram que é um morador da Vila Bocaina, mas também escutei que foi o pessoal da UBS (Unidade Básica de Saúde) que fez bolão. O fato é que a pessoa já deve estar muito longe. Eu, por exemplo, estaria no Havaí pegando onda”, imagina o encarregado de pintura Daniel Foramílio, 30. O que se sabe é que o vencedor trabalha em indústria e retirou a bolada em São Bernardo.

 

Mas o que fazer com tanto dinheiro? A realidade é tão distante que fica difícil até sonhar. “Acho que iria para o hospital. Ficaria muito nervosa. A primeira coisa que faria com o dinheiro seria comprar uma casa”, conta a DJ Jesiane Carvalho, 35. Para se ter uma ideia da grandeza, esse valor, na poupança, rende cerca de R$ 400 mil por mês.

 

Para quem não ganhou, fica a frustração. A controladora de acesso Adriana Alves, 37, fez 54 jogos com as colegas de trabalho. “Nunca é demais. Para o próximo acabei de fazer mais 11.”

As funcionárias da lotérica não sabem quem foi a responsável pela venda do bilhete. “Os clientes sempre prometem trazer um presente caso ganhem. Mas até agora, ninguém apareceu”, lamenta Andréia Martins, 32 (Colaborou Drielly Gaspar)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;