Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Israel prende pacifista palestino


Do Diário OnLine
Com Agências

28/04/2004 | 09:19


Policiais israelenses prenderam nesta quarta-feira um pacifista palestino. Sari Nuseibe, reitor da Universidade de Al Quds, foi acusado de ter contratado quatro pedreiros palestinos que não têm licença para trabalhar em Israel.

Nuseibe ficou preso até o pagamento da fiança. Sua detenção causou protestos entre políticos pacifistas israelenses e até mesmo do ex-chefe dos Serviços Secretos de Israel, Ami Ayalon.

Militar da reserva, Ayalon lembrou que o palestino é o principal interlocutor pacifista dos árabes e deveria ser preservado pelas autoridades israelenses. “É preciso pensar duas vezes antes de deter uma personalidade assim”, afirmou em entrevista à rádio pública.

A polícia se defende, dizendo que ninguém pode burlar a lei em Israel. Como prova, cita que 14 israelenses acusados pelo mesmo crime do reitor foram detidos, assim como 675 pedreiros palestinos que não têm permissão para trabalhar no país.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Israel prende pacifista palestino

Do Diário OnLine
Com Agências

28/04/2004 | 09:19


Policiais israelenses prenderam nesta quarta-feira um pacifista palestino. Sari Nuseibe, reitor da Universidade de Al Quds, foi acusado de ter contratado quatro pedreiros palestinos que não têm licença para trabalhar em Israel.

Nuseibe ficou preso até o pagamento da fiança. Sua detenção causou protestos entre políticos pacifistas israelenses e até mesmo do ex-chefe dos Serviços Secretos de Israel, Ami Ayalon.

Militar da reserva, Ayalon lembrou que o palestino é o principal interlocutor pacifista dos árabes e deveria ser preservado pelas autoridades israelenses. “É preciso pensar duas vezes antes de deter uma personalidade assim”, afirmou em entrevista à rádio pública.

A polícia se defende, dizendo que ninguém pode burlar a lei em Israel. Como prova, cita que 14 israelenses acusados pelo mesmo crime do reitor foram detidos, assim como 675 pedreiros palestinos que não têm permissão para trabalhar no país.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;