Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Flávia Alessandra reflete sobre fase atual e entrega: A única crise que eu tive foi profissional



24/01/2020 | 18:11


Com cabelos curtos e um visual sofisticado, Flávia Alessandra está de volta às novelas para dar vida à Helena Santamarina, uma mulher chique em Salve-se Quem Puder, que estréia dia 27, substituindo Bom Sucesso. Em entrevista, a esposa de Otaviano Costa falou sobre crise, vaidade e seu novo trabalho. Confira o bate-papo a seguir:

Helena abandonou a filha, ela é uma vilã?

Flávia Alessandra - Você quer entender se ela é do mal, como a Cristina (vilã interpretada pela atriz em Alma Gêmea), mas é muito difícil você não saber a índole da personagem, ainda mais por conta de ter abandonado a filha, porque eu penso nas possibilidades e nada justifica uma mãe deixar a filha, não consigo encontrar uma desculpa, então ou essa mulher é de má índole, é do mal, ou tem alguma coisa que ela fez pra justificar isso, que é desconhecido para mim.

Se considera mais vaidosa agora?

Flávia Alessandra - Minha busca é sempre pelo bem estar, a vida inteira. Sou uma pessoa que como de tudo, gosto de comer, tento o equilíbrio, principalmente com carne vermelha, que como duas vezes por semana e faço atividade física, treino iôga, senão trilha, dança, vou variando.

E o que mudou mais em você com a maturidade?

Flávia Alessandra - Acho que mudou a questão do colágeno, massa magra, aí a gente tem que intensificar musculação, é o que vai diferenciar, não pra ficar sarada, mas pra não sentir dor.

Chegou a entrar em crise alguma vez?

Flávia Alessandra - A única crise que tive foi profissional, quando entrei na faculdade pra fazer Direito, minha carreira não decolava. Depois, no fim de tudo, graças a Deus, fui chamada pro contrato, mas a crise que eu tive foi essa de pensar que não conseguiria viver do que mais amo, que é atuar, e ter que virar advogada para me sustentar. Foi uma grande crise.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Flávia Alessandra reflete sobre fase atual e entrega: A única crise que eu tive foi profissional


24/01/2020 | 18:11


Com cabelos curtos e um visual sofisticado, Flávia Alessandra está de volta às novelas para dar vida à Helena Santamarina, uma mulher chique em Salve-se Quem Puder, que estréia dia 27, substituindo Bom Sucesso. Em entrevista, a esposa de Otaviano Costa falou sobre crise, vaidade e seu novo trabalho. Confira o bate-papo a seguir:

Helena abandonou a filha, ela é uma vilã?

Flávia Alessandra - Você quer entender se ela é do mal, como a Cristina (vilã interpretada pela atriz em Alma Gêmea), mas é muito difícil você não saber a índole da personagem, ainda mais por conta de ter abandonado a filha, porque eu penso nas possibilidades e nada justifica uma mãe deixar a filha, não consigo encontrar uma desculpa, então ou essa mulher é de má índole, é do mal, ou tem alguma coisa que ela fez pra justificar isso, que é desconhecido para mim.

Se considera mais vaidosa agora?

Flávia Alessandra - Minha busca é sempre pelo bem estar, a vida inteira. Sou uma pessoa que como de tudo, gosto de comer, tento o equilíbrio, principalmente com carne vermelha, que como duas vezes por semana e faço atividade física, treino iôga, senão trilha, dança, vou variando.

E o que mudou mais em você com a maturidade?

Flávia Alessandra - Acho que mudou a questão do colágeno, massa magra, aí a gente tem que intensificar musculação, é o que vai diferenciar, não pra ficar sarada, mas pra não sentir dor.

Chegou a entrar em crise alguma vez?

Flávia Alessandra - A única crise que tive foi profissional, quando entrei na faculdade pra fazer Direito, minha carreira não decolava. Depois, no fim de tudo, graças a Deus, fui chamada pro contrato, mas a crise que eu tive foi essa de pensar que não conseguiria viver do que mais amo, que é atuar, e ter que virar advogada para me sustentar. Foi uma grande crise.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;