Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresárias divergem sobre preconceito


Do Diário do Grande ABC

28/11/2004 | 14:08


Júlia Martins Marcos Monari, 47 anos, iniciou a Radio Centro de Diagnósticos Odontológicos há dois anos e meio, em São Bernardo. Começou com dois funcionários e hoje conta com 17 pessoas. Júlia, que deixou uma sociedade para ter a sua própria empresa, já abriu uma segunda unidade em São Paulo e atende a cerca de 50 pacientes por dia.

Nos primeiros tempos, Júlia fazia de tudo na empresa. "Entregava exames, encaminhava laudos, recebia as pessoas e o que mais fosse necessário", conta. A empresária acha que não há mais preconceito contra a mulher no mercado de trabalho. "Temos o nosso espaço, basta ocupá-lo", diz.

Júlia conta que o marido, também comerciante, não interfere na administração de sua empresa. "A única coisa que ele fez foi me aconselhar a investir na formação profissional", diz.

A empresária Cristiane Altman, 33 anos, resolveu abrir a própria agência de publicidade há três anos. Com dez anos de experiência no setor, Cristiane optou por desenvolver mais seu lado empreendedor. Ao contrário de Júlia, Cristiane ainda sente o preconceito no mercado.

"A gente precisa provar que é capaz antes de tudo. É claro que as coisa estão mudando, mas essa postura ainda existe", diz. A Keepon Interactive Publicidade e Propaganda possui 12 funcionários e cerca de 120 clientes. "A mulher tem mais sensibilidade e busca sempre a perfeição. Meus clientes já perceberam como o toque feminino faz diferença", conta.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresárias divergem sobre preconceito

Do Diário do Grande ABC

28/11/2004 | 14:08


Júlia Martins Marcos Monari, 47 anos, iniciou a Radio Centro de Diagnósticos Odontológicos há dois anos e meio, em São Bernardo. Começou com dois funcionários e hoje conta com 17 pessoas. Júlia, que deixou uma sociedade para ter a sua própria empresa, já abriu uma segunda unidade em São Paulo e atende a cerca de 50 pacientes por dia.

Nos primeiros tempos, Júlia fazia de tudo na empresa. "Entregava exames, encaminhava laudos, recebia as pessoas e o que mais fosse necessário", conta. A empresária acha que não há mais preconceito contra a mulher no mercado de trabalho. "Temos o nosso espaço, basta ocupá-lo", diz.

Júlia conta que o marido, também comerciante, não interfere na administração de sua empresa. "A única coisa que ele fez foi me aconselhar a investir na formação profissional", diz.

A empresária Cristiane Altman, 33 anos, resolveu abrir a própria agência de publicidade há três anos. Com dez anos de experiência no setor, Cristiane optou por desenvolver mais seu lado empreendedor. Ao contrário de Júlia, Cristiane ainda sente o preconceito no mercado.

"A gente precisa provar que é capaz antes de tudo. É claro que as coisa estão mudando, mas essa postura ainda existe", diz. A Keepon Interactive Publicidade e Propaganda possui 12 funcionários e cerca de 120 clientes. "A mulher tem mais sensibilidade e busca sempre a perfeição. Meus clientes já perceberam como o toque feminino faz diferença", conta.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;