Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Parlamentares analisam confronto entre ACM e Jader


Do Diário do Grande ABC

06/04/2000 | 08:48


A partir desta quinta-feira, os parlamentares começarao a fazer o balanço sobre quem perderá mais no confronto entre os presidentes do Senado, Antônio Carlos Magalhaes (PFL-BA), e do PMDB, senador Jader Barbalho (PA).

A pergunta mais imediata é se Jader conseguiu fortalecer-se no seu caminho para a presidência do Senado ou se foi atingido seriamente em seus planos. Os seus defensores acham que ele sai fortalecido. Por este raciocínio, em primeiro lugar o senador paraense teria deixado o PFL em uma situaçao delicada, com duas frentes de batalha a administrar: as eleiçoes da Câmara e as do Senado.

Embora o PFL nao queira que sejam eleitos nem o líder do PSDB na Câmara, Aécio Neves (MG), nem Jader, no Senado, o partido estaria sem condiçoes de vetar os dois candidatos, após o confronto de desta quarta. Um acordo entre PMDB e PSDB, segundo este raciocínio, conseguiria isolar o PFL. O desgaste sofrido por Jader com o confronto poderia ser superado até o fim do ano, acreditam ainda os aliados do senador peemedebista. Esta, inclusive, teria sido uma das razoes que teriam levado Jader a antecipar o confronto com Antonio Carlos Magalhaes. Se o ápice das acusaçoes ficasse para o fim do ano, a recuperaçao de Jader seria mais difícil. Mas este roteiro é totalmente contrário ao cenário previsto pelos aliados do senador Antônio Carlos Magalhaes.

O senador baiano tem declarado que nao deixará as denúncias serem arquivadas, apesar do empenho que deverá haver dos aliados governistas com este objetivo. O senador desdenhou a carta de Jader, que teria colocado seu sigilo bancário à disposiçao. Ao saber da iniciativa do adversário, Magalhaes disse que a quebra só ocorre com a autorizaçao aos gerentes dos bancos, como ele (Magalhaes) fez.

Mais acusaçoes - ACM já estaria contando com uma nova leva de acusaçoes contra o presidente do PMDB, Jader Barbalho (PA), a exemplo do que ocorreu com a CPI do Judiciário, em que a cada dia surgiam novos documentos contra os acusados. Magalhaes tem lembrado inclusive que o ex-deputado Carlos Lacerda muitas vezes fazia uma denúncia sem nenhuma prova material, e, após seu discurso, os documentos começavam a chegar até ele. Com essa tática, os aliados do senador acreditam que Jáder nao terá tempo para recuperar-se, já que os ataques serao permanentes.

Os documentos entregues por Jader Barbalho e por Antonio Carlos Magalhaes serao analisados hoje pela Mesa Diretora do Senado, que se reunirá sem a presença do seu presidente. No encontro, que será presidido pelo vice-presidente do Senado, Geraldo Melo (PSDB-RN), serao discutidos os encaminhamentos a serem dados ao caso. Magalhaes quer que o Conselho de Ética do Senado aprecie as denúncias. O PPS quer que a Procuradoria Geral da República também as receba. Além desta reuniao, está marcado para hoje, na comissao especial mista que discute o reajuste do salário mínimo, um depoimento do ministro da Previdência social, Waldeck Ornélas.

Foram declaraçoes de Ornélas contra o reajuste do mínimo para R$ 180,00 - defendido por Magalhaes - que serviram de pretexto para Barbalho iniciar na semana passada a ofensiva contra o presidente do Senado. Na Câmara, haverá nova tentativa de continuar a votaçao da reforma do Judiciário, mas sem grandes perspectivas de sucesso, já que nas quintas-feiras começa o esvaziamento do Congresso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Parlamentares analisam confronto entre ACM e Jader

Do Diário do Grande ABC

06/04/2000 | 08:48


A partir desta quinta-feira, os parlamentares começarao a fazer o balanço sobre quem perderá mais no confronto entre os presidentes do Senado, Antônio Carlos Magalhaes (PFL-BA), e do PMDB, senador Jader Barbalho (PA).

A pergunta mais imediata é se Jader conseguiu fortalecer-se no seu caminho para a presidência do Senado ou se foi atingido seriamente em seus planos. Os seus defensores acham que ele sai fortalecido. Por este raciocínio, em primeiro lugar o senador paraense teria deixado o PFL em uma situaçao delicada, com duas frentes de batalha a administrar: as eleiçoes da Câmara e as do Senado.

Embora o PFL nao queira que sejam eleitos nem o líder do PSDB na Câmara, Aécio Neves (MG), nem Jader, no Senado, o partido estaria sem condiçoes de vetar os dois candidatos, após o confronto de desta quarta. Um acordo entre PMDB e PSDB, segundo este raciocínio, conseguiria isolar o PFL. O desgaste sofrido por Jader com o confronto poderia ser superado até o fim do ano, acreditam ainda os aliados do senador peemedebista. Esta, inclusive, teria sido uma das razoes que teriam levado Jader a antecipar o confronto com Antonio Carlos Magalhaes. Se o ápice das acusaçoes ficasse para o fim do ano, a recuperaçao de Jader seria mais difícil. Mas este roteiro é totalmente contrário ao cenário previsto pelos aliados do senador Antônio Carlos Magalhaes.

O senador baiano tem declarado que nao deixará as denúncias serem arquivadas, apesar do empenho que deverá haver dos aliados governistas com este objetivo. O senador desdenhou a carta de Jader, que teria colocado seu sigilo bancário à disposiçao. Ao saber da iniciativa do adversário, Magalhaes disse que a quebra só ocorre com a autorizaçao aos gerentes dos bancos, como ele (Magalhaes) fez.

Mais acusaçoes - ACM já estaria contando com uma nova leva de acusaçoes contra o presidente do PMDB, Jader Barbalho (PA), a exemplo do que ocorreu com a CPI do Judiciário, em que a cada dia surgiam novos documentos contra os acusados. Magalhaes tem lembrado inclusive que o ex-deputado Carlos Lacerda muitas vezes fazia uma denúncia sem nenhuma prova material, e, após seu discurso, os documentos começavam a chegar até ele. Com essa tática, os aliados do senador acreditam que Jáder nao terá tempo para recuperar-se, já que os ataques serao permanentes.

Os documentos entregues por Jader Barbalho e por Antonio Carlos Magalhaes serao analisados hoje pela Mesa Diretora do Senado, que se reunirá sem a presença do seu presidente. No encontro, que será presidido pelo vice-presidente do Senado, Geraldo Melo (PSDB-RN), serao discutidos os encaminhamentos a serem dados ao caso. Magalhaes quer que o Conselho de Ética do Senado aprecie as denúncias. O PPS quer que a Procuradoria Geral da República também as receba. Além desta reuniao, está marcado para hoje, na comissao especial mista que discute o reajuste do salário mínimo, um depoimento do ministro da Previdência social, Waldeck Ornélas.

Foram declaraçoes de Ornélas contra o reajuste do mínimo para R$ 180,00 - defendido por Magalhaes - que serviram de pretexto para Barbalho iniciar na semana passada a ofensiva contra o presidente do Senado. Na Câmara, haverá nova tentativa de continuar a votaçao da reforma do Judiciário, mas sem grandes perspectivas de sucesso, já que nas quintas-feiras começa o esvaziamento do Congresso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;