Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Trânsito mata 21 pessoas em maio no Grande ABC

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Conforme Infosiga, número é maior que o registrado em abril, quando houve 16 óbitos


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

20/06/2017 | 07:00


Em maio deste ano, 21 pessoas morreram em decorrência de acidentes de trânsito nas vias do Grande ABC. Os dados do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo), divulgados ontem, mostram aumento de 31,25% em relação ao mês de abril, quando foram registrados 16 óbitos. Já em comparação com maio do ano passado houve pequena redução de duas mortes (-8,70%).

Praticamente metade das mortes foi de motoqueiros, os quais representam dez vítimas fatais (mais informações ao lado). Conforme o especialista em Segurança no Trânsito e engenheiro de tráfego e transportes Horácio Figueira, o comportamento dos próprios motoqueiros expõe os mesmos a um risco grande.

“Eles precisam repensar as atitudes. Temos dois grupos de motociclista, uns que já aprenderam a ser malandros e outro formado por pessoas que estão largando o automóvel e o transporte público e ainda não têm noção de como pilotar. A moto se coloca em uma situação em que não respeita as regras de trânsito, semáforos etc. E muitas vezes acaba dividindo esse espaço entre os veículos com os pedestres, o que é muito perigoso”, afirmou.

Figueira afirmou que a intensificação da blitz da Lei Seca e também da fiscalização de agentes de trânsito pode ajudar a reduzir o número de mortes. O especialista também citou a importância de ações do poder público, que deveria atuar na orientação a motoristas, a motoqueiros e também a pedestres.

Maio foi marcado por intensa campanha na região para a prevenção de acidentes, no chamado Maio Amarelo. Além de ações em cruzamentos das cidades, com distribuição de panfletos, também houve atividades em escolas.

“O problema é que as ações costumam se concentrar em cruzamentos grandes na região central. Pode ser que o Maio Amarelo tenha dado algum resultado, mas pequeno. Essas ações não poderiam ser somente uma vez por ano. Teriam de continuar durante o ano inteiro. Além disso, deveriam sair da região central e ir para todos os bairros”, acrescentou Figueira. (colaborou Vanessa de Oliveira)
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trânsito mata 21 pessoas em maio no Grande ABC

Conforme Infosiga, número é maior que o registrado em abril, quando houve 16 óbitos

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

20/06/2017 | 07:00


Em maio deste ano, 21 pessoas morreram em decorrência de acidentes de trânsito nas vias do Grande ABC. Os dados do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo), divulgados ontem, mostram aumento de 31,25% em relação ao mês de abril, quando foram registrados 16 óbitos. Já em comparação com maio do ano passado houve pequena redução de duas mortes (-8,70%).

Praticamente metade das mortes foi de motoqueiros, os quais representam dez vítimas fatais (mais informações ao lado). Conforme o especialista em Segurança no Trânsito e engenheiro de tráfego e transportes Horácio Figueira, o comportamento dos próprios motoqueiros expõe os mesmos a um risco grande.

“Eles precisam repensar as atitudes. Temos dois grupos de motociclista, uns que já aprenderam a ser malandros e outro formado por pessoas que estão largando o automóvel e o transporte público e ainda não têm noção de como pilotar. A moto se coloca em uma situação em que não respeita as regras de trânsito, semáforos etc. E muitas vezes acaba dividindo esse espaço entre os veículos com os pedestres, o que é muito perigoso”, afirmou.

Figueira afirmou que a intensificação da blitz da Lei Seca e também da fiscalização de agentes de trânsito pode ajudar a reduzir o número de mortes. O especialista também citou a importância de ações do poder público, que deveria atuar na orientação a motoristas, a motoqueiros e também a pedestres.

Maio foi marcado por intensa campanha na região para a prevenção de acidentes, no chamado Maio Amarelo. Além de ações em cruzamentos das cidades, com distribuição de panfletos, também houve atividades em escolas.

“O problema é que as ações costumam se concentrar em cruzamentos grandes na região central. Pode ser que o Maio Amarelo tenha dado algum resultado, mas pequeno. Essas ações não poderiam ser somente uma vez por ano. Teriam de continuar durante o ano inteiro. Além disso, deveriam sair da região central e ir para todos os bairros”, acrescentou Figueira. (colaborou Vanessa de Oliveira)
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;