Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara de Mauá fica ao menos 16 dias sem convênio médico

Claudinei Plaza/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Contrato vigente com a Santa Casa vence no dia 15 e vencedor de licitação só será conhecido no dia 2 de julho


Caio dos Reis
Especial para o Diário

07/06/2015 | 07:00


Os aproximadamente 500 funcionários da Câmara de Mauá ficarão, ao menos, 16 dias sem convênio médico para eles e seus dependentes. O contrato atual se encerra no dia 15 e a divulgação do vencedor da licitação para a contratação da nova empresa será aberta apenas no dia 2 de julho. Segundo o presidente da Casa, o vereador Marcelo Oliveira (PT), não existe plano emergencial no momento para compensar o problema.

“O edital foi apresentado e agora é esperar as empresas. Assim que elas se apresentarem vamos encaminhar o mais rápido possível. Agora não depende de mim”, disse Marcelo Oliveira, evitando estipular prazo para o desfecho.

De acordo com Marcelo, a Casa possui aproximadamente 500 funcionários e o custo unitário está estimado em R$ 323. No edital, o encerramento está previsto para às 14h30 do dia 2 de julho. A contratação da empresa especializada em serviços de assistência médica será feita para atender aos servidores ativos, inativos e pensionistas, além dos respectivos dependentes legais. A licitação é no valor de R$ 1,085 milhão.

O atual convênio, que tem término previsto para o dia 15 e que atende aos funcionários do Legislativo, é com a Santa Casa Misericórdia de Mauá e o valor é de R$ 832,8 mil anualmente. Ou seja, a quantia despendida pela Câmara já será 30% maior do que o acordo vigente.

A situação gera clima de apreensão nos arredores do Legislativo mauaense e os próprios funcionários desconhecem como a situação será resolvida.

Dentro da administração da Câmara, não é comentada a possibilidade de contrato emergencial para atender ao tempo em que os servidores ficarão descobertos. Há receio que, com a admissão por dispensa de licitação e prazo limitado, a gestão de Marcelo seja rejeitada pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) e, assim, o vereador fique inelegível no futuro.

Alguns funcionários ouvidos pela equipe do Diário – e que não quiseram se identificar – temem também que o processo licitatório atrase por causa da burocracia do poder público. Apesar de a abertura dos envelopes estar marcada para o dia 2, ainda há outras etapas da concorrência pública, como prazo de recurso, contrarrecurso e período de homologação.

Há servidores cotando assistência médica particular, pois tem dependentes que necessitam de serviços de saúde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara de Mauá fica ao menos 16 dias sem convênio médico

Contrato vigente com a Santa Casa vence no dia 15 e vencedor de licitação só será conhecido no dia 2 de julho

Caio dos Reis
Especial para o Diário

07/06/2015 | 07:00


Os aproximadamente 500 funcionários da Câmara de Mauá ficarão, ao menos, 16 dias sem convênio médico para eles e seus dependentes. O contrato atual se encerra no dia 15 e a divulgação do vencedor da licitação para a contratação da nova empresa será aberta apenas no dia 2 de julho. Segundo o presidente da Casa, o vereador Marcelo Oliveira (PT), não existe plano emergencial no momento para compensar o problema.

“O edital foi apresentado e agora é esperar as empresas. Assim que elas se apresentarem vamos encaminhar o mais rápido possível. Agora não depende de mim”, disse Marcelo Oliveira, evitando estipular prazo para o desfecho.

De acordo com Marcelo, a Casa possui aproximadamente 500 funcionários e o custo unitário está estimado em R$ 323. No edital, o encerramento está previsto para às 14h30 do dia 2 de julho. A contratação da empresa especializada em serviços de assistência médica será feita para atender aos servidores ativos, inativos e pensionistas, além dos respectivos dependentes legais. A licitação é no valor de R$ 1,085 milhão.

O atual convênio, que tem término previsto para o dia 15 e que atende aos funcionários do Legislativo, é com a Santa Casa Misericórdia de Mauá e o valor é de R$ 832,8 mil anualmente. Ou seja, a quantia despendida pela Câmara já será 30% maior do que o acordo vigente.

A situação gera clima de apreensão nos arredores do Legislativo mauaense e os próprios funcionários desconhecem como a situação será resolvida.

Dentro da administração da Câmara, não é comentada a possibilidade de contrato emergencial para atender ao tempo em que os servidores ficarão descobertos. Há receio que, com a admissão por dispensa de licitação e prazo limitado, a gestão de Marcelo seja rejeitada pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) e, assim, o vereador fique inelegível no futuro.

Alguns funcionários ouvidos pela equipe do Diário – e que não quiseram se identificar – temem também que o processo licitatório atrase por causa da burocracia do poder público. Apesar de a abertura dos envelopes estar marcada para o dia 2, ainda há outras etapas da concorrência pública, como prazo de recurso, contrarrecurso e período de homologação.

Há servidores cotando assistência médica particular, pois tem dependentes que necessitam de serviços de saúde.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;