Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Baianos festejam 20 anos da axé music



07/02/2005 | 16:49


Os artistas baianos aproveitaram o início dos desfiles dos blocos na tarde de domingo, na Passarela do Campo Grande, Centro de Salvador, para reafirmar a suposta força da axé music, como se convencionou chamar a nova música feita na Bahia, surgida no Carnaval. O movimento, que muitos colocam como marco inicial a música Fricote de Luiz Caldas, está fazendo 20 anos. A data foi motivo para Margareth Menezes, Ivete Sangalo e o cantor Bell Marques, da banda Chiclete com Banana, prestarem homenagem a Caldas e afirmarem a vitalidade da axé music.

O bloco Corujas trouxe uma Ivete Sangalo mais elétrica do que nunca. Ela recebeu em cima do trio o triplo diamante pela vendagem de 400 mil cópias do seu DVD, o mais comercializado do ano passado. A bailarina Carla Perez também compareceu ao Carnaval de sua terra Natal, saindo no bloco Algodão Doce.

Milhares de pessoas saíram às ruas nas principais cidades de Pernambuco. Bonecos e fantasias de todos os tipos e cor podiam ser vistos nas ladeiras de Olinda. Em Recife, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o alvo preferido da irreverência e crítica do Carnaval que percorreram os bairros mais tradicionais, como o Boa Vista.

Mas muitos destes foliões deixaram o Carnaval de Recife e de Olinda em busca de uma festa alegre, animada e mais tranqüila e se dirigiram a Bezerros, a 107 quilômetros da capital. Com todo o corpo coberto e usando máscaras no rosto, os papangus – principal característica do Carnaval da cidade do agreste – atraíram cerca de 100 mil pessoas domingo, na festa que comemorou o centenário dos mascarados.

Nem os organizadores esperavam tanta gente no município, cuja população não chega a 60 mil habitantes. Mesmo minoria entre os foliões visitantes, os aproximadamente 3 mil papangus que desfilaram pelas ruas com fantasias individuais ou em grupo, misturando-se à multidão, mantiveram o brilho e a criatividade.

De acordo com o secretário de Turismo de Bezerros, Rogério Beltrão, os papangus têm origem em 1905, quando surgiram as primeiras máscaras, feitas com papel grosso, de embrulho. Depois, passaram a ser feitas com papel machê. Hoje muitos a usam de plástico, devido ao calor. A maioria era pobre e costumava pedir dinheiro e comida nas casas, recebendo normalmente um prato de angu, à base de milho. Daí o nome das fantasias ser papangu.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Baianos festejam 20 anos da axé music


07/02/2005 | 16:49


Os artistas baianos aproveitaram o início dos desfiles dos blocos na tarde de domingo, na Passarela do Campo Grande, Centro de Salvador, para reafirmar a suposta força da axé music, como se convencionou chamar a nova música feita na Bahia, surgida no Carnaval. O movimento, que muitos colocam como marco inicial a música Fricote de Luiz Caldas, está fazendo 20 anos. A data foi motivo para Margareth Menezes, Ivete Sangalo e o cantor Bell Marques, da banda Chiclete com Banana, prestarem homenagem a Caldas e afirmarem a vitalidade da axé music.

O bloco Corujas trouxe uma Ivete Sangalo mais elétrica do que nunca. Ela recebeu em cima do trio o triplo diamante pela vendagem de 400 mil cópias do seu DVD, o mais comercializado do ano passado. A bailarina Carla Perez também compareceu ao Carnaval de sua terra Natal, saindo no bloco Algodão Doce.

Milhares de pessoas saíram às ruas nas principais cidades de Pernambuco. Bonecos e fantasias de todos os tipos e cor podiam ser vistos nas ladeiras de Olinda. Em Recife, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o alvo preferido da irreverência e crítica do Carnaval que percorreram os bairros mais tradicionais, como o Boa Vista.

Mas muitos destes foliões deixaram o Carnaval de Recife e de Olinda em busca de uma festa alegre, animada e mais tranqüila e se dirigiram a Bezerros, a 107 quilômetros da capital. Com todo o corpo coberto e usando máscaras no rosto, os papangus – principal característica do Carnaval da cidade do agreste – atraíram cerca de 100 mil pessoas domingo, na festa que comemorou o centenário dos mascarados.

Nem os organizadores esperavam tanta gente no município, cuja população não chega a 60 mil habitantes. Mesmo minoria entre os foliões visitantes, os aproximadamente 3 mil papangus que desfilaram pelas ruas com fantasias individuais ou em grupo, misturando-se à multidão, mantiveram o brilho e a criatividade.

De acordo com o secretário de Turismo de Bezerros, Rogério Beltrão, os papangus têm origem em 1905, quando surgiram as primeiras máscaras, feitas com papel grosso, de embrulho. Depois, passaram a ser feitas com papel machê. Hoje muitos a usam de plástico, devido ao calor. A maioria era pobre e costumava pedir dinheiro e comida nas casas, recebendo normalmente um prato de angu, à base de milho. Daí o nome das fantasias ser papangu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;