Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

São Caetano perde 24 pontos no Brasileirão; médico e presidente são suspensos


Do Diário Online

07/12/2004 | 02:43


O São Caetano foi condenado a perder 24 pontos no Campeonato Brasileiro e a pagar multa de R$ 50 mil por causa da morte do zagueiro Serginho, em 27 de outubro, no jogo contra o São Paulo. Em julgamento de quase 9h, finalizado apenas na madrugada desta terça-feira, a 1ª Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) ainda decidiu pela suspensão por 720 dias do presidente do Azulão, Nairo Ferreira de Souza, e por 1440 dias do médico do clube, Paulo Forte.

A punição imposta pelo STJD derruba o São Caetano da 4ª para a 14ª posição na tabela do Brasileirão, passando de 77 para 53 pontos. Apesar de não correr risco de rebaixamento, o clube do Grande ABC dá adeus às chances de conseguir uma vaga na Copa Libertadores da América/2005. O veredicto do STJD, assim, favorece o São Paulo (já garantido no torneio sul-americano) e o Palmeiras (praticamente garantido na repescagem da Libertadores).

O São Caetano tem 72h para recorrer da pena – e vai fazê-lo, segundo o advogado do clube no caso, João Zanforlin. O último recurso do clube será julgado pelo tribunal pleno do STJD, que também será presidido por Luiz Zveiter. O julgamento deve ocorrer na próxima segunda-feira.

Os cinco auditores do STJD foram unânimes ao apontar o São Caetano como responsável pela morte do zagueiro Serginho. O presidente Nairo Ferreira e o médico Paulo Forte deixaram a sede do STJD, no Rio, sem fazer pronunciamento sobre o veredicto. O advogado João Zanforlin discordou da punição e adiantou que o clube vai lutar para revertê-la.

"O médico do clube (Paulo Forte) é muito competente. Se realmente alguém do Incor (Instituto do Coração) tivesse dito que o Serginho não poderia jogar, ele (Paulo Forte) não colocaria o Serginho em campo", argumentou João Zanforlin.

Em exames de rotina feitos no Incor (São Paulo) em fevereiro deste ano, o médico Edimar Bocchi advertiu que Serginho tinha uma cardiopatia (arritmia ventricular) e corria risco de morte. Paulo Forte, em sua defesa no julgamento no STJD, alegou que não recebeu qualquer recomendação do Incor sobre a necessidade de obrigar Serginho a parar de jogar futebol.

O médico pegou quatro anos de gancho por omissão de documentos que comprovariam a doença cardíaca de Serginho. Já o presidente Nairo, que alegou ao STJD não ter conhecimento do problema com o zagueiro, foi responsabilizado pela condição irregular do atleta falecido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Caetano perde 24 pontos no Brasileirão; médico e presidente são suspensos

Do Diário Online

07/12/2004 | 02:43


O São Caetano foi condenado a perder 24 pontos no Campeonato Brasileiro e a pagar multa de R$ 50 mil por causa da morte do zagueiro Serginho, em 27 de outubro, no jogo contra o São Paulo. Em julgamento de quase 9h, finalizado apenas na madrugada desta terça-feira, a 1ª Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) ainda decidiu pela suspensão por 720 dias do presidente do Azulão, Nairo Ferreira de Souza, e por 1440 dias do médico do clube, Paulo Forte.

A punição imposta pelo STJD derruba o São Caetano da 4ª para a 14ª posição na tabela do Brasileirão, passando de 77 para 53 pontos. Apesar de não correr risco de rebaixamento, o clube do Grande ABC dá adeus às chances de conseguir uma vaga na Copa Libertadores da América/2005. O veredicto do STJD, assim, favorece o São Paulo (já garantido no torneio sul-americano) e o Palmeiras (praticamente garantido na repescagem da Libertadores).

O São Caetano tem 72h para recorrer da pena – e vai fazê-lo, segundo o advogado do clube no caso, João Zanforlin. O último recurso do clube será julgado pelo tribunal pleno do STJD, que também será presidido por Luiz Zveiter. O julgamento deve ocorrer na próxima segunda-feira.

Os cinco auditores do STJD foram unânimes ao apontar o São Caetano como responsável pela morte do zagueiro Serginho. O presidente Nairo Ferreira e o médico Paulo Forte deixaram a sede do STJD, no Rio, sem fazer pronunciamento sobre o veredicto. O advogado João Zanforlin discordou da punição e adiantou que o clube vai lutar para revertê-la.

"O médico do clube (Paulo Forte) é muito competente. Se realmente alguém do Incor (Instituto do Coração) tivesse dito que o Serginho não poderia jogar, ele (Paulo Forte) não colocaria o Serginho em campo", argumentou João Zanforlin.

Em exames de rotina feitos no Incor (São Paulo) em fevereiro deste ano, o médico Edimar Bocchi advertiu que Serginho tinha uma cardiopatia (arritmia ventricular) e corria risco de morte. Paulo Forte, em sua defesa no julgamento no STJD, alegou que não recebeu qualquer recomendação do Incor sobre a necessidade de obrigar Serginho a parar de jogar futebol.

O médico pegou quatro anos de gancho por omissão de documentos que comprovariam a doença cardíaca de Serginho. Já o presidente Nairo, que alegou ao STJD não ter conhecimento do problema com o zagueiro, foi responsabilizado pela condição irregular do atleta falecido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;