Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Carteira de motorista é segundo plano na região

Claudinei Plaza/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Queda no número de novas emissões do documento é impulsionada pelo avanço dos aplicativos


Juliana Stern

03/09/2018 | 07:00


Moradores da região têm perdido cada vez mais o interesse em tirar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) assim que completam os 18 anos. Dados do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) de São Paulo apontam que a emissão da primeira via do documento teve queda de 30% no Grande ABC entre 2014 e 2017 – passaram de 45.683 para 32.213. Especialistas destacam os aplicativos de transportes como um dos motivos para tal cenário.

A situação regional segue tendência observada em nível nacional. Levantamento da empresa Ipsos, com números fornecidos pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) mostra que a quantidade de emissões de CNHs no País passou de 3 milhões para 2,1 milhões no período. A queda observada nos últimos quatro anos, apesar de constante, foi mais acentuada em 2016, o que coincide com o ano em que aplicativos como Uber começaram a funcionar na região. “Não preciso de um carro, quando ônibus e trem já são o bastante para o dia a dia. Se é algum lugar diferente ou mais longe, pego um Uber. Carro seria uma dor de cabeça a mais”, considera a operadora de telemarketing e estudante de História Ingrid Gonçalves Maffi da Silva, 21 anos.

Para o professor de Engenharia Civil da FEI (Fundação Educacional Inaciana) e especialista em Transportes Creso de Franco Peixoto, as novas formas de condução são um dos principais motivos pelo desinteresse em conduzir. “Formas de se locomover estão mudando e ficando mais fáceis. O metrô e trem continuam se expandindo e aplicativos de carona estão muito mais presentes”, afirma. O custo de emissão da primeira CNH e da manutenção de um carro particular também explicam essa queda. “Um carro de aplicativo chega a ser mais barato do que pegar ônibus”, acrescenta.

No Estado de São Paulo, gasta-se, em média, R$ 2.000 para a emissão da CNH categoria B, que permite conduzir carro, caminhonete, camioneta e utilitário. Sendo quase R$ 300 apenas com taxas do Detran e os exames médico e psicológico obrigatórios. “Até quero dirigir, mas agora tenho outras prioridades. Prefiro gastar meu dinheiro com um computador novo, que eu uso para o trabalho e cursinho”, diz a atendente Letícia Caroline de Sousa Leite, 21.

Para o economista da Universidade Metodista de São Paulo Sandro Maskio, abandonar o veículo próprio e depender só de transporte público e de aplicativos pode ser melhor, mas com ressalvas. “Depende do quanto a pessoa usa o carro. Tem de calcular os gastos e ver se compensa”, afirma. Para o economista, um cenário em que os aplicativos valem a pena é quando a pessoa não precisa se deslocar para muito longe no dia a dia, ou não usa o veículo com muita frequência. “Imagina comprar um produto de R$ 40 mil, deixar na garagem e só usar para passear. Não faz sentido.”

Jovens vêm a CNH como responsabilidade indesejada
Levantamento da empresa Ipsos com base nos dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) mostra que jovens entre 18 e 21 anos, idade mais comum para tirar a primeira CNH, estão perdendo a euforia de aprender a dirigir. Para o especialista em Transportes Creso de Franco Peixoto, este desinteresse é fenômeno irreversível e explicado pela falta de importância que esse público dá para o documento. “É um ponto cultural que vem crescendo. Os jovens não querem assumir essa responsabilidade.” Para a desempregada Maya dos Santos, 21, aprender a dirigir significaria mais afazeres. “Tudo eu teria que levar, trazer, comprar. Não quero essas obrigações.”

Exemplo de quem ainda sonha em aprender a dirigir como marco da vida adulta é o estagiário de Eletrônica Iago Tavares da Silva, 18, que foi aprovado no teste de direção na última quinta-feira, em Santo André. “Foi um alívio e uma realização”, diz o garoto, que usou o salário do seu primeiro emprego para pagar a carta. Para outros a vontade existe, só falta o tempo. “Não vejo a hora de tirar a carta. Não aguento mais transporte público”, diz a estudante de Direito Sumaya Cristina Cardoso, 21.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;