Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Marcas e personagens da Santo André de ontem e de sempre

Na história de Santo André, os 80 anos do Clube Atlético Aramaçan, a caminho do ano 81


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

29/03/2011 | 00:00


Na história de Santo André, os 80 anos do Clube Atlético Aramaçan, a caminho do ano 81. Entre os fundadores, Ferrucio Natale Balista, cuja foto recebemos da família para o volume dois do livro do clube, que organizamos em parceria com Valdenízio Petrolli.

O número dois terá imagens inéditas, como a deste convite charmoso de um banquete realizado em 1962. Quem guardou a preciosidade foi Eliziário Firmo de Lima, o Zizá, cronista eterno da cidade, cronista do Aramaçan.

Por sua vez, o arquiteto Euclydes Rocco Júnior, o Tidinho, guardou um documento mais recente, mas igualmente importante, de 1992, que ele encaminha com uma legenda simples porém significativa: "Há quanto tempo você não vê a estrela no forro do Cine Carlos Gomes?".

Obrigado a todos que nos ajudam a fazer Memória todos os dias.

legenda da foto: Credencial de Ferrucio Balista com a data histórica de fundação do Aramaçan: 6 de agosto de 1930

Ferrucio Natale Balista (Santo André 25-12-1905 - 24-4-1983)

Texto: Ronaldo Benvenga

Sr. Ferrucio trabalhou como marceneiro na Fábrica de Móveis Irmãos Balista. Fez curso de contabilidade em São Paulo. Entre 1925 e 1932, ocupou o cargo de escriturário da Tesouraria Municipal.

Posteriormente, ocupou o cargo de orçamentista na Indústria e Comércio Sortino Ltda. Em suas atividades como comerciante, foi proprietário de três bares, um depósito de materiais para construção e uma loja de presentes.

Pertenceu a uma família de 12 irmãos (cinco mulheres e sete homens). O irmão mais velho, José (Bepino) Balista, foi um dos sócios-fundadores do Primeiro de Maio Futebol Clube.

Uma curiosidade: Ferrucio fazia parte da equipe de ‘basquete' do Clube Atlético Aramaçan, cujos atletas jogavam bola ao cesto com patins.

Participou da Revolução Constitucionalista de 1932. Adorava uma boa pescaria e, em todas as tardes, não dispensava um joguinho de baralho com os irmãos, no Bar São João e depois na Sociedade Cultural e Recreativa Oito de Abril, ambos localizados na Vila Assunção.

Em 1980, por ocasião dos 50 anos de fundação, o Clube Atlético Aramaçan homenageou os sócios fundadores vivos, numa festa muito bonita, que deixou Ferrucio bastante emocionado. Ele foi sócio-fundador e benemérito do clube.

Filho de Artibano Balista e de dona Joanna Boniperti Balista. Casou-se com Maria Martinez Balista, a dona Quita, e tiveram dois filhos, Theresinha e Flávio, que se casaram com Ronaldo Guilherme Benvenga e Vera Lúcia Balista. Ferrucio Balista partiu aos 77 anos. O casal deixou sete netos e seis bisnetos. Tinha por eles um carinho todo especial.

DIÁRIO HÁ 30 ANOS

Domingo, 29 de março de 1981

Manchete - Metalúrgicos decidem hoje mas Grupo 14 acredita em acordo

Ribeirão Pires - Datada de 1939, fazenda Bandeirante é ameaçada pelas ruínas.

EM 29 DE MARÇO DE...

1966 - Justiça do Trabalho dá ganho de causa aos empregados da Kowarick, que haviam tido redução de 25% na jornada semanal do te trabalho com a equivalente redução salarial. O antigo lanifício vivia uma grave crise.

1966 - Inaugurada a nova estação ferroviária Prefeito Saladino, em Santa Terezinha, Santo André.

Trabalhadores

Nasce em 29 de março:

1923 - Marcemino Bento da Silva. Operário da Atlantis. Residia na Fazenda Matarazzo.

Fonte: 1º livro geral de registro de associados do Sindicato dos Químicos do ABC.

MUNICÍPIO PAULISTA

Pirajuí. Torna-se município em 1914, quando se separa de Bauru.

CAPITAIS BRASILEIRAS

Salvador, fundada em 1549; Curitiba, fundada em 1693.

SANTOS DO DIA

Eustásio, Jonas e Secundo. São Segundo de Asti foi um soldado pagão convertido ao cristianismo. É padroeiro das cidades de Asti e de Ventimilha, muito popular no Norte da Itália. Foi decapitado no ano 119.

Fontes: Folhinha do Sagrado Coração de Jesus, Vozes, 2011; site: www.paulinas.org.br .

FALECIMENTOS

SÃO BERNARDO

Alberto Zoboli, 93. Natural de São Paulo (SP). Nascido em 1º-6-1917, filho de José Zoboli e Julia Toni. Sábado. Cemitério do Baeta.

Josefa Woidella Runha, 93. Natural de Paranduva (SC). Dia 25. Cemitério Jardim da Colina.

Saturia Ortiz Juncon, 89. Natural de Itatiba (SP). Dia 25. Cemitério de Vila Euclides.

Elita Maria dos Santos, 66. Natural de Bonito (PE). Anteontem. Cemitério da Paulicéia.

José Antonio Coutinho, 65. Natural de Leopoldina (MG). Anteontem. Cemitério da Paulicéia.

Maria Mendes Martins, 55. Natural de Açucena (MG). Dia 25. Cemitério do Baeta.

José Tadeu Gerbelli, 54. Natural de São Bernardo. Nascido em 28-3-1956. Filho de Orlando Gerbelli e Ana Versolato Gerbelli. Anteontem. Cemitério de Vila Euclides.

SÃO CAETANO

(Cemitério da Cerâmica)

Antonia Ortiz Garcia, 87. Natural de Bragança Paulista. Dia 24.

Osmar Vianna, 76. Natural de Atibaia. Dia 24.

Paulo Kircov, 64. Natural de São Paulo (SP). Sábado.

José Augusto Defendi, 62. Natural de São Caetano. Anteontem.

Pedro Geo Lopes, 61. Natural de Alto Alegre (SP). Anteontem.

Maria Isabel da Conceição dos Santos, 59. Natural de São Paulo (SP). Sábado.

Eraldo Ottati, 59. Natural da Itália. Dia 24.

José Correia da Silva, 49. Natural de Altinho (PE). Dia 24.

Roseli Aparecida de Brito Camargo Basto e Silva, 46. Natural de Assis (SP). Anteontem.

DIADEMA

Ion Darabauschi, 87. Natural da Romênia. Dia 25, em São Bernardo. Cemitério Vale da Paz.

Antonio Marcos de Jesus Santos, 34. Natural de Ribeira do Pombal (BA). Dia 25, em São Bernardo. Cemitério Vale da Paz.

ALCIDES ALVARENGA
(Campos de Goitacazes, RJ, 20-8-1922 - Santo André, 8-3-2011)

MARIA MARCOLINA CANELLAS ALVARENGA
(São Borja, RS, 31-10-1920 - São Caetano, 21-4-2010)

Eles completaram 66 anos de casados: Alcides, mecânico de manutenção, que trabalhou na Ford do Ipiranga, na Vemag e na Mercedes-Benz; Maria Marcolina costureira de um alfaiate. Conheceram-se no Rio de Janeiro e construíram uma vida em comum em São Caetano. Amavam-se. "Podia haver briga, mas as pazes eram logo feitas. Tinham os mesmos gostos. Adoravam Carnaval e nos bailes eles apareciam com o mesmo tipo de roupa", conta a filha Helena Alvarenga Franza.

Quando Alcides Alvarenga se aposentou, em 1971, montou uma sorveteria e depois uma serralheria no bairro Cerâmica, em São Caetano, onde moravam desde 1945.

Dona Maria Marcolina partiu primeiro, aos 89 anos. Está sepultada no cemitério do Araçá, em São Paulo; Sr. Alcides parte agora, aos 88, e está no cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo. Deixam a filha Helena, o genro Gilberto Cláudio Franza, as netas Estela, atriz que cursa Faculdade de Artes Cênicas; e Kátia, advogada, casada com Eduardo da Silva Gatti.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;