Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Mistério sem o menor sentido


Felipe Simões
Do Diário do Grande ABC

16/04/2016 | 07:00


O São Caetano está fazendo um mistério absurdo e sem o menor sentido sobre a presença do atacante Jô no clássico de hoje, contra o Santo André. Não se sabe se, de fato, o camisa 9, que sofre com um incômodo na coxa esquerda que o tirou do último jogo, treinou na quinta-feira e ontem. Isso porque as atividades foram fechadas à imprensa e ninguém no clube está autorizado a falar. A pergunta: vocês realmente acham que o Ramalhão não sabe quem o técnico Luís Carlos Martins colocará em campo às 16h?

Estamos em 2016 e a informação corre solta. Um comentário aqui e outro ali, e a notícia cai nos ouvidos do adversário. Proibir o acesso aos treinos? Existem prédios e sobrados na região do Estádio Anacleto Campanella que dão vista para o campo com um binóculo ou uma lente fotográfica potente. Há a possibilidade de colocar algum espião no portão de saída dos jogadores para ver quem estava na atividade – as cidades são vizinhas, o que não demandaria muito esforço. Além disso, os próprios jogadores, nas redes sociais, entregam o ouro que alguns tão arduamente tentam esconder. Só aí são três métodos extremamente simples que uma reflexão rasa me traz à mente. Quem trabalha com futebol, certamente, conhece uma infinidade deles.

Outra questão é que Luís Carlos Martins não é conhecido por ser um treinador ousado que mudaria todo o esquema da equipe no jogo mais decisivo da temporada, mesmo tendo tido algum tempo para testá-lo durante a semana. Neste período em que estou como setorista do São Caetano não vi ele mexer drasticamente no time uma vez sequer, nem mesmo com lesões e suspensões – situações as quais não se aplicam para esta partida. É possível, mas bastante improvável, que ele tente reinventar a roda diante do Santo André. Como precisa do resultado, talvez abra mão de um volante e lance um terceiro meia ofensivo ou atacante. Repito – possível, mas bastante improvável. Via de regra, é o 4-4-2 com uma linha de quatro bem postada defensivamente, dois volantes mais presos e dois meias com liberdade de movimentação, assim como os atacantes.

Outro ponto que me faz acreditar na manutenção do esquema tático é que Martins tem um substituto para a posição caso Jô não jogue ou não tenha condições de disputar os 90 minutos: Júlio César. Sem Naôh, expulso no último confronto, ele aparece como a opção mais óbvia, pois é da posição e pode atuar como referência, exatamente como o camisa 9 azulino.

Ou seja, o mistério não adianta de nada. Uma pena para os torcedores, que são os únicos que ficam sem saber se podem ficar um pouco mais otimistas para o clássico.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;