Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Salles e Picarelli ensaiam aliança eleitoral em Santo André


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

02/05/2016 | 07:00


Pré-candidato à Prefeitura de Santo André pelo PPS, Raimundo Salles ensaia aliança eleitoral com o postulante do DEM, Fabio Picarelli, em tentativa de união de forças e evitar encaixotamento no páreo de outubro. A proposta ainda pode envolver outro prefeiturável neste sentido. O possível acordo está sendo tratado, nos bastidores, há mais de um mês, embora a ideia seja fechar a parceria próximo ao período de convenções partidárias, em agosto.

O plano é formar bloco para viabilizar via de maior peso na disputa de outubro, abrindo chance de rivalizar com o PT, do prefeito Carlos Grana, que busca a reeleição.

Pesquisas de intenções de voto serviriam para embasar o acerto entre as partes. De acordo com levantamentos, há indicativo que, atualmente, o ex-vereador e pleiteante do PSDB, Paulinho Serra, ocupou o espaço de terceira opção ante os nomes de Grana e o ex-prefeito Aidan Ravin (PSB), hoje líder em sondagens. Diante deste cenário, Salles, que ficou na terceira posição nas últimas duas eleições municipais (2012 e 2008) – Picarelli nunca entrou em briga por cargo eletivo –, tem buscado agregar outros quadros hoje colocados na concorrência, o que minimizaria a pulverização do eleitorado nas urnas.

Salles admitiu as conversas com Picarelli e a cúpula municipal do DEM com objetivo de junção da chapa. Segundo o popular-socialista, há afinidade e discussão para concretizar essa parceria. “Posso dizer que eu gostaria de caminhar ao lado do Picarelli. Somos advogados, nos respeitamos. Eu me sentiria confortável (com eventual aliança), de uma forma ou de outra, sem debater, neste momento, quem seria o candidato a prefeito e o nome de vice”, sustentou o pré-candidato, ao frisar que não está pensando em qualquer tipo de “vaidade”. “Um critério poderia ser quem tiver melhores condições em pesquisas. Estamos tentando construir via juntos. É possível.”

O postulante do PPS aparece em quarto colocado em diversos estudos, feitos regularmente por partidos. O DEM buscava no início do ano consolidar acordo com o PTB, sigla tradicional no município, mas o diálogo terminou após a aliança firmada entre petebistas e Paulinho Serra. Outra opção arquitetada, que também passa pelas executivas estaduais, seria avançar conversa com o também prefeiturável Ailton Lima (SD). Em contrapartida, em caso de chegar a denominador comum pela parceria, não estaria totalmente descartada adesão política a Aidan.

Presidente local do DEM, Fernando Marangoni não negou tratativas. Por outro lado, ele adotou tom de cautela ao ponderar que há “conversas com todos os players” do processo. Para o dirigente, a proposta continua de projeto solo e é cedo falar em acordo neste momento com outros nomes. “Não há compromisso firmado com ninguém, só diálogos, nada de concreto. Acordo só sairia mediante agenda convergente, não puramente eleitoral.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Salles e Picarelli ensaiam aliança eleitoral em Santo André

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

02/05/2016 | 07:00


Pré-candidato à Prefeitura de Santo André pelo PPS, Raimundo Salles ensaia aliança eleitoral com o postulante do DEM, Fabio Picarelli, em tentativa de união de forças e evitar encaixotamento no páreo de outubro. A proposta ainda pode envolver outro prefeiturável neste sentido. O possível acordo está sendo tratado, nos bastidores, há mais de um mês, embora a ideia seja fechar a parceria próximo ao período de convenções partidárias, em agosto.

O plano é formar bloco para viabilizar via de maior peso na disputa de outubro, abrindo chance de rivalizar com o PT, do prefeito Carlos Grana, que busca a reeleição.

Pesquisas de intenções de voto serviriam para embasar o acerto entre as partes. De acordo com levantamentos, há indicativo que, atualmente, o ex-vereador e pleiteante do PSDB, Paulinho Serra, ocupou o espaço de terceira opção ante os nomes de Grana e o ex-prefeito Aidan Ravin (PSB), hoje líder em sondagens. Diante deste cenário, Salles, que ficou na terceira posição nas últimas duas eleições municipais (2012 e 2008) – Picarelli nunca entrou em briga por cargo eletivo –, tem buscado agregar outros quadros hoje colocados na concorrência, o que minimizaria a pulverização do eleitorado nas urnas.

Salles admitiu as conversas com Picarelli e a cúpula municipal do DEM com objetivo de junção da chapa. Segundo o popular-socialista, há afinidade e discussão para concretizar essa parceria. “Posso dizer que eu gostaria de caminhar ao lado do Picarelli. Somos advogados, nos respeitamos. Eu me sentiria confortável (com eventual aliança), de uma forma ou de outra, sem debater, neste momento, quem seria o candidato a prefeito e o nome de vice”, sustentou o pré-candidato, ao frisar que não está pensando em qualquer tipo de “vaidade”. “Um critério poderia ser quem tiver melhores condições em pesquisas. Estamos tentando construir via juntos. É possível.”

O postulante do PPS aparece em quarto colocado em diversos estudos, feitos regularmente por partidos. O DEM buscava no início do ano consolidar acordo com o PTB, sigla tradicional no município, mas o diálogo terminou após a aliança firmada entre petebistas e Paulinho Serra. Outra opção arquitetada, que também passa pelas executivas estaduais, seria avançar conversa com o também prefeiturável Ailton Lima (SD). Em contrapartida, em caso de chegar a denominador comum pela parceria, não estaria totalmente descartada adesão política a Aidan.

Presidente local do DEM, Fernando Marangoni não negou tratativas. Por outro lado, ele adotou tom de cautela ao ponderar que há “conversas com todos os players” do processo. Para o dirigente, a proposta continua de projeto solo e é cedo falar em acordo neste momento com outros nomes. “Não há compromisso firmado com ninguém, só diálogos, nada de concreto. Acordo só sairia mediante agenda convergente, não puramente eleitoral.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;