Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Dom Cláudio mata saudade dos fiéis


Leda Rosa
Do Diário do Grande ABC

10/05/2007 | 07:05


O prefeito da Congregação para o Clero, Dom Cláudio Hummes, mostrou porque é um dos sacerdotes mais queridos do Grande ABC e dos brasileiros em geral. Às 20h, na praça em frente ao Mosteiro de São Bento, nem o frio de 10ºC o intimidava.

Tranqüilo, o ex-arcebispo de São Paulo percorria o corredor exclusivo das autoridades em direção ao carro, mas sempre que era chamado pelos fiéis parava e cumprimentava, sem pressa. A todos dizia que o papa estava muito satisfeito. “No avião ficou claro que ele está muito feliz de vir para o Brasil.” A felicidade se estendia a ele mesmo. Em cada parada, confessava às pessoas que estava morrendo de saudade dos brasileiros. E distribuía bênçãos e mais apertos de mãos.

Integrante da comitiva que se deslocou de Roma junto com Bento XVI, D. Cláudio disse que o papa está com ótima disposição. “Ele demonstrou muita energia na viagem e vontade de conhecer melhor o País”, contou, antes de explicar para uma fiel, que insistia para que o papa reaparecesse na varanda do mosteiro, que não iria entrar de novo no prédio.

Entre os temas prioritários da viagem de Bento XVI, D. Cláudio Hummes frisou que a evangelização como a grande preocupação do papa. “Levar a palavra de Cristo para um número cada vez maior de fiéis é um dos pontos mais importantes deste período que o Santo Padre estará entre nós. Hoje a presença da Igreja se faz cada vez mais necessária, cada vez mais é preciso que o povo de Deus saiba para onde caminhar, como agir na adversidade, como vivenciar a cristandade em sua rotina de vida. Especialmente os mais pobres, desafio que continua a exigir a dedicação e a reflexão de todos os católicos.”

Coro - Antes de sair da praça, D. Claudio cumprimentou novos grupos de católicos, que estavam em frente ao balcão de onde o papa se pronunciou no mosteiro. A voz potente do soldador João Duarte Alves, 52 anos, gritava “Bento XVI, aparece na janela outra vez”, puxando coro de dezenas de pessoas, que insistiam em permanecer na praça à espera de uma nova aparição do papa. “Perdi o dia de trabalho, mas valeu a pena”, disse Alves para dom Cláudio, que prestava atenção com um sorriso.

Desesperado, um dos seguranças tentava convencê-lo a deixar a multidão e entrar no carro. Segundo a PM, às 20h, aproximadamente 2 mil pessoas ainda estava na praça. Cada vez que era acesa a luz da varanda de onde o papa se pronunciou, a multidão aplaudia e gritava. “Tenho tantas saudades de todos vocês”, disse Dom Cláudio. Despediu-se e antes de entrar no carro, acenou a todos. Saiu aplaudido. “Dom Cláudio é do povo. Tomara que no futuro ele seja o papa”, disse Maria dos Anjos, beata da paróquia da Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte da Capital, olhando o carro do cardeal se afastar. Nesse instante, ela enrolou o terço nas mãos geladas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dom Cláudio mata saudade dos fiéis

Leda Rosa
Do Diário do Grande ABC

10/05/2007 | 07:05


O prefeito da Congregação para o Clero, Dom Cláudio Hummes, mostrou porque é um dos sacerdotes mais queridos do Grande ABC e dos brasileiros em geral. Às 20h, na praça em frente ao Mosteiro de São Bento, nem o frio de 10ºC o intimidava.

Tranqüilo, o ex-arcebispo de São Paulo percorria o corredor exclusivo das autoridades em direção ao carro, mas sempre que era chamado pelos fiéis parava e cumprimentava, sem pressa. A todos dizia que o papa estava muito satisfeito. “No avião ficou claro que ele está muito feliz de vir para o Brasil.” A felicidade se estendia a ele mesmo. Em cada parada, confessava às pessoas que estava morrendo de saudade dos brasileiros. E distribuía bênçãos e mais apertos de mãos.

Integrante da comitiva que se deslocou de Roma junto com Bento XVI, D. Cláudio disse que o papa está com ótima disposição. “Ele demonstrou muita energia na viagem e vontade de conhecer melhor o País”, contou, antes de explicar para uma fiel, que insistia para que o papa reaparecesse na varanda do mosteiro, que não iria entrar de novo no prédio.

Entre os temas prioritários da viagem de Bento XVI, D. Cláudio Hummes frisou que a evangelização como a grande preocupação do papa. “Levar a palavra de Cristo para um número cada vez maior de fiéis é um dos pontos mais importantes deste período que o Santo Padre estará entre nós. Hoje a presença da Igreja se faz cada vez mais necessária, cada vez mais é preciso que o povo de Deus saiba para onde caminhar, como agir na adversidade, como vivenciar a cristandade em sua rotina de vida. Especialmente os mais pobres, desafio que continua a exigir a dedicação e a reflexão de todos os católicos.”

Coro - Antes de sair da praça, D. Claudio cumprimentou novos grupos de católicos, que estavam em frente ao balcão de onde o papa se pronunciou no mosteiro. A voz potente do soldador João Duarte Alves, 52 anos, gritava “Bento XVI, aparece na janela outra vez”, puxando coro de dezenas de pessoas, que insistiam em permanecer na praça à espera de uma nova aparição do papa. “Perdi o dia de trabalho, mas valeu a pena”, disse Alves para dom Cláudio, que prestava atenção com um sorriso.

Desesperado, um dos seguranças tentava convencê-lo a deixar a multidão e entrar no carro. Segundo a PM, às 20h, aproximadamente 2 mil pessoas ainda estava na praça. Cada vez que era acesa a luz da varanda de onde o papa se pronunciou, a multidão aplaudia e gritava. “Tenho tantas saudades de todos vocês”, disse Dom Cláudio. Despediu-se e antes de entrar no carro, acenou a todos. Saiu aplaudido. “Dom Cláudio é do povo. Tomara que no futuro ele seja o papa”, disse Maria dos Anjos, beata da paróquia da Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte da Capital, olhando o carro do cardeal se afastar. Nesse instante, ela enrolou o terço nas mãos geladas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;