Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

São Bernardo deverá ser piloto em projeto da Cetesb


Daniel Tossato

29/01/2019 | 06:40


São Bernardo deverá ser uma das cidades-piloto em projetos voltados ao tratamento e à destinação de resíduos sólidos em iniciativa da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). A ideia foi revelada ontem ao prefeito da cidade, Orlando Morando (PSDB), que participou de encontro com a presidente da autarquia, Patrícia Iglecias.

“Essa é uma demanda ambiental antiga dos municípios e a Cetesb quer ampliar os modelos existentes, sendo que São Bernardo aparece como destaque”, pontuou Morando, logo após a reunião de ontem.

Em 2017, a entidade arquivou o processo de licenciamento da usina de incineração de resíduos que seria instalada na cidade, uma das demandas da gestão de Luiz Marinho (PT). A Cetesb afirmou, à época, que faltaram documentos do Consórcio SBC Valorização de Resíduos Sólidos Revita e Lara, que seria responsável pelo projeto. Outro ponto relatado pela companhia foi a ausência de alternativas para sua instalação – área do antigo lixão do Alvarenga havia sido escolhida.

Todo o processo de contratação do Consórcio SBC deu início à CPI do Lixo, que acabou mirando ex-secretários da gestão Marinho – Alfredo Buso (Obras), José Agnaldo Beghini de Carvalho (Administração) e Tarcisio Secoli (Serviços Urbanos), candidato a prefeito pelo PT em 2016.

PARCERIAS

Em 2017, a Cetesb já tinha inaugurado, no município, o Laboratório de Emissões para Veículos Diesel, no bairro Baeta Neves. No espaço há equipamentos para realizar pesquisas sobre emissões geradas por automóveis e que deverá auxiliar a cidade na implementação de políticas públicas de controle de poluição.

O laboratório teve aporte de R$ 12 milhões e a verba foi conquistada por meio de acordo judicial entre a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), com a Cetesb, MPF (Ministério Público Federal), Ibama e ANP (Agência Nacional do Petróleo). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Bernardo deverá ser piloto em projeto da Cetesb

Daniel Tossato

29/01/2019 | 06:40


São Bernardo deverá ser uma das cidades-piloto em projetos voltados ao tratamento e à destinação de resíduos sólidos em iniciativa da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). A ideia foi revelada ontem ao prefeito da cidade, Orlando Morando (PSDB), que participou de encontro com a presidente da autarquia, Patrícia Iglecias.

“Essa é uma demanda ambiental antiga dos municípios e a Cetesb quer ampliar os modelos existentes, sendo que São Bernardo aparece como destaque”, pontuou Morando, logo após a reunião de ontem.

Em 2017, a entidade arquivou o processo de licenciamento da usina de incineração de resíduos que seria instalada na cidade, uma das demandas da gestão de Luiz Marinho (PT). A Cetesb afirmou, à época, que faltaram documentos do Consórcio SBC Valorização de Resíduos Sólidos Revita e Lara, que seria responsável pelo projeto. Outro ponto relatado pela companhia foi a ausência de alternativas para sua instalação – área do antigo lixão do Alvarenga havia sido escolhida.

Todo o processo de contratação do Consórcio SBC deu início à CPI do Lixo, que acabou mirando ex-secretários da gestão Marinho – Alfredo Buso (Obras), José Agnaldo Beghini de Carvalho (Administração) e Tarcisio Secoli (Serviços Urbanos), candidato a prefeito pelo PT em 2016.

PARCERIAS

Em 2017, a Cetesb já tinha inaugurado, no município, o Laboratório de Emissões para Veículos Diesel, no bairro Baeta Neves. No espaço há equipamentos para realizar pesquisas sobre emissões geradas por automóveis e que deverá auxiliar a cidade na implementação de políticas públicas de controle de poluição.

O laboratório teve aporte de R$ 12 milhões e a verba foi conquistada por meio de acordo judicial entre a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), com a Cetesb, MPF (Ministério Público Federal), Ibama e ANP (Agência Nacional do Petróleo). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;