Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Estado busca mananciais para abastecimento


Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

14/11/2008 | 07:00


O Governo Estadual deu ordem de serviço, quinta-feira, para que seja feito um estudo que definirá novos mananciais para as cidades da chamada macrometrópole de São Paulo.

De acordo com a Secretária Estadual de Saneamento e Energia, Dilma Seli Pena, não há perspectiva de novos mananciais servindo a região, portanto, não haverá mudanças no panorama do abastecimento nos municípios do Grande ABC.

"A região não sofre com a falta de água", justificou a Secretária.

 Dilma disse ainda que a Billings deverá continuar abastecendo somente os municípios atualmente servidos pela represa.

A Secretária afirmou que, na região, o governo agirá majoritáriamente em frentes de despoluição da represa e sobre as ocupações urbanas no entorno do reservatório.

"Além da redução de perdas e uso racional da água, a despoluição e o tratamento de esgoto são outra parte da nossa linha de trabalho", disse.

A expectativa é de que o estudo de novos mananciais seja concluído até outubro de 2009. O levantamento compreende as regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista e Campinas, onde um levantamento prévio aponta maiores possibilidades de novas alternativas hídricas para combater a escassez d´água.

O investimento no chamado de Plano Diretor de Aproveitamento dos Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista foi de R$ 2,98 milhões. O contrato foi firmado entre o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), órgão governamental, e a Cobrape (Companhia Brasileira de Projetos e Empreendimentos).

O mapeamento de novos mananciais, que começa a ser feito ainda este mês, tem um horizonte de demanda pela água de 30 anos.

As alternativas hídricas a serem apontadas no estudo ainda terão sua viabilidade analisadas e passarão por discussões públicas antes de serem de fato implementadas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estado busca mananciais para abastecimento

Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

14/11/2008 | 07:00


O Governo Estadual deu ordem de serviço, quinta-feira, para que seja feito um estudo que definirá novos mananciais para as cidades da chamada macrometrópole de São Paulo.

De acordo com a Secretária Estadual de Saneamento e Energia, Dilma Seli Pena, não há perspectiva de novos mananciais servindo a região, portanto, não haverá mudanças no panorama do abastecimento nos municípios do Grande ABC.

"A região não sofre com a falta de água", justificou a Secretária.

 Dilma disse ainda que a Billings deverá continuar abastecendo somente os municípios atualmente servidos pela represa.

A Secretária afirmou que, na região, o governo agirá majoritáriamente em frentes de despoluição da represa e sobre as ocupações urbanas no entorno do reservatório.

"Além da redução de perdas e uso racional da água, a despoluição e o tratamento de esgoto são outra parte da nossa linha de trabalho", disse.

A expectativa é de que o estudo de novos mananciais seja concluído até outubro de 2009. O levantamento compreende as regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista e Campinas, onde um levantamento prévio aponta maiores possibilidades de novas alternativas hídricas para combater a escassez d´água.

O investimento no chamado de Plano Diretor de Aproveitamento dos Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista foi de R$ 2,98 milhões. O contrato foi firmado entre o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), órgão governamental, e a Cobrape (Companhia Brasileira de Projetos e Empreendimentos).

O mapeamento de novos mananciais, que começa a ser feito ainda este mês, tem um horizonte de demanda pela água de 30 anos.

As alternativas hídricas a serem apontadas no estudo ainda terão sua viabilidade analisadas e passarão por discussões públicas antes de serem de fato implementadas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;