Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Turbulência internacional desacelera indústria de SP

O setor registrou uma redução de 0,4% nos ganhos no mês passado, na comparação com setembro


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

13/11/2008 | 07:00


A atividade industrial no Estado de São Paulo já sentiu em outubro os impactos da crise financeira internacional - ou seja, os problemas originados no setor hipotecário nos EUA que afetaram o sistema bancário daquele país, com efeitos irradiados para todo o mundo -, segundo dados de um indicador da FGV (Fundação Getulio Vargas) e especialistas.

O Sinalizador da Produção Industrial, da FGV em parceria com a AES Eletropaulo, registrou uma redução de 0,4% no mês passado na comparação com setembro, e nos 12 meses terminados em outubro último, a indústria paulista desacelerou, ao marcar 8% de alta, frente a 8,8% no período até setembro.

Na avaliação de Paulo Picchetti, economista da fundação, trata-se de uma queda brusca de um mês para o outro, que mostra que as turbulências no Exterior já atingiram o lado real da economia (o setor produtivo).

Esse indicador, que é um modelo de previsão estatística, que toma como base o nível de utilização de energia elétrica pelas empresas, antecipa em quase um mês a PIM (Pesquisa Industrial Mensal), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

REFLEXOS
Representantes do setor industrial do Grande ABC se dividem em relação às perspectivas. Para o diretor do departamento de Economia da regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Bernardo, Roberto Gianinni, a retração em outubro se deveu sobretudo a ajustes de estoques.

"Foi uma adequação, não vejo isso como uma tendência. A produção tende a crescer menos e o aperto do crédito deve impactar no final do ano mas não vejo um problema mais sério no curto prazo", afirmou o dirigente.

Já o diretor titular da regional do Ciesp de Santo André, Shotoku Yamamoto, considera que a tendência é cair mais, devido à elevação dos juros e a falta de crédito. "Muita gente está com receio de comprar bens duráveis (como automóveis) e quem quer comprar não consegue", disse. Ele acrescenta que mesmo a vantagem propiciada pela valorização do dólar não tem revertido em aumento das exportações, já que a demanda externa se retraiu.

Yamamoto cita ainda que muitas pequenas fabricantes da região têm sido afetadas pela retração do volume de encomendas no País e no Exterior.

Retração nas encomendas leva empresas a fazerem ajustes

Empresas do setor de autopeças da região estão fazendo ajustes e, em alguns casos, já reduzem o quadro de funcionários, devido à diminuição do volume de encomendas propiciada pela retração nas vendas de veículos.

A Dura Automotive, de Rio Grande da Serra, por exemplo, observa uma redução de 20% a 25% nas encomendas neste mês e, por conta disso, passou a utilizar instrumentos como banco de horas e férias normais.

"Muita gente tinha férias acumuludas, já que estávamos num ritmo forte", disse o presidente, Mário Henrique Buttino.

O executivo acredita que em dezembro a retração será ainda mais intensa, podendo chegar a 50%, em função das férias coletivas programadas pelas montadoras. Apesar disso, ele se mostra confiante em uma melhora no ano que vem. A Dura projeta crescer 10% neste ano e estima uma queda de 5% em 2009, o que ainda seria uma expansão de 5% sobre 2007.

ENXUGAMENTO - Outras fabricantes, de pequeno porte, já iniciam processo de demissões. É o caso da MRS, de Mauá, que reduziu o quadro de funcionários em 10% desde outubro - passou de 220 para 200 empregados.

O diretor da empresa, Fausto Cestari Filho, relata que houve uma redução das encomendas para os próximos três meses e os pedidos feitos estão sujeitos à confirmação.

Outra pequena, a Resiplastic, também de Mauá, tinha quadro de 170 empregados em setembro. Já demitiu 12 e neste mês cortará mais 17. O empresário José Jaime Salgueiro afirma que muitos clientes empresariais não conseguem obter crédito. "Só estou vendendo com pagamento à vista ou antecipado. Falta dinheiro e os bancos liberam muito pouco", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Turbulência internacional desacelera indústria de SP

O setor registrou uma redução de 0,4% nos ganhos no mês passado, na comparação com setembro

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

13/11/2008 | 07:00


A atividade industrial no Estado de São Paulo já sentiu em outubro os impactos da crise financeira internacional - ou seja, os problemas originados no setor hipotecário nos EUA que afetaram o sistema bancário daquele país, com efeitos irradiados para todo o mundo -, segundo dados de um indicador da FGV (Fundação Getulio Vargas) e especialistas.

O Sinalizador da Produção Industrial, da FGV em parceria com a AES Eletropaulo, registrou uma redução de 0,4% no mês passado na comparação com setembro, e nos 12 meses terminados em outubro último, a indústria paulista desacelerou, ao marcar 8% de alta, frente a 8,8% no período até setembro.

Na avaliação de Paulo Picchetti, economista da fundação, trata-se de uma queda brusca de um mês para o outro, que mostra que as turbulências no Exterior já atingiram o lado real da economia (o setor produtivo).

Esse indicador, que é um modelo de previsão estatística, que toma como base o nível de utilização de energia elétrica pelas empresas, antecipa em quase um mês a PIM (Pesquisa Industrial Mensal), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

REFLEXOS
Representantes do setor industrial do Grande ABC se dividem em relação às perspectivas. Para o diretor do departamento de Economia da regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Bernardo, Roberto Gianinni, a retração em outubro se deveu sobretudo a ajustes de estoques.

"Foi uma adequação, não vejo isso como uma tendência. A produção tende a crescer menos e o aperto do crédito deve impactar no final do ano mas não vejo um problema mais sério no curto prazo", afirmou o dirigente.

Já o diretor titular da regional do Ciesp de Santo André, Shotoku Yamamoto, considera que a tendência é cair mais, devido à elevação dos juros e a falta de crédito. "Muita gente está com receio de comprar bens duráveis (como automóveis) e quem quer comprar não consegue", disse. Ele acrescenta que mesmo a vantagem propiciada pela valorização do dólar não tem revertido em aumento das exportações, já que a demanda externa se retraiu.

Yamamoto cita ainda que muitas pequenas fabricantes da região têm sido afetadas pela retração do volume de encomendas no País e no Exterior.

Retração nas encomendas leva empresas a fazerem ajustes

Empresas do setor de autopeças da região estão fazendo ajustes e, em alguns casos, já reduzem o quadro de funcionários, devido à diminuição do volume de encomendas propiciada pela retração nas vendas de veículos.

A Dura Automotive, de Rio Grande da Serra, por exemplo, observa uma redução de 20% a 25% nas encomendas neste mês e, por conta disso, passou a utilizar instrumentos como banco de horas e férias normais.

"Muita gente tinha férias acumuludas, já que estávamos num ritmo forte", disse o presidente, Mário Henrique Buttino.

O executivo acredita que em dezembro a retração será ainda mais intensa, podendo chegar a 50%, em função das férias coletivas programadas pelas montadoras. Apesar disso, ele se mostra confiante em uma melhora no ano que vem. A Dura projeta crescer 10% neste ano e estima uma queda de 5% em 2009, o que ainda seria uma expansão de 5% sobre 2007.

ENXUGAMENTO - Outras fabricantes, de pequeno porte, já iniciam processo de demissões. É o caso da MRS, de Mauá, que reduziu o quadro de funcionários em 10% desde outubro - passou de 220 para 200 empregados.

O diretor da empresa, Fausto Cestari Filho, relata que houve uma redução das encomendas para os próximos três meses e os pedidos feitos estão sujeitos à confirmação.

Outra pequena, a Resiplastic, também de Mauá, tinha quadro de 170 empregados em setembro. Já demitiu 12 e neste mês cortará mais 17. O empresário José Jaime Salgueiro afirma que muitos clientes empresariais não conseguem obter crédito. "Só estou vendendo com pagamento à vista ou antecipado. Falta dinheiro e os bancos liberam muito pouco", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;