Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Cataratas de Nova York


Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC

03/07/2008 | 07:05


Como se já não bastassem todos os espetáculos, parques, museus, lojas, casas noturnas e restaurantes que fazem de Nova York, nos Estados Unidos, uma das metrópoles mais badaladas e cosmopolitas do mundo, a cidade acaba de ganhar uma nova atração: cataratas artificiais gigantes.

Quatro quedas d'água idealizadas pelo artista plástico dinamarquês Olafur Eliasson, 41 anos, foram inauguradas no último dia 26 em pontos estratégicos do East River. As estruturas de metal bombeiam a água do rio e a fazem cair livremente, dando a impressão de cascatas naturais, que ficam ainda mais lindas à noite, sob a luz de holofotes.

As cascatas estão situadas na Governor's Island (Ilha do Governador), na ponte do Brooklyn e em dois cais.

Além de passeio de barco pelo rio, a cidade criou circuitos voltados a ciclistas e pedestres para que os monumentos possam ser admirados de perto. O governo espera arrecadar US$ 55 milhões até 13 de outubro às custas da novidade, que custou US$ 15,5 milhões - a maioria financiada por doações privadas.

Com uma vazão de 132 mil litros por minuto, as quatro instalações criam a ilusão de cataratas em pleno rio. A energia que aciona as bombas é 100% ‘verde', asseguram os organizadores.

"Trata-se do tempo e de uma experiência sobre o espaço", explicou Eliasson. "A água possui um grande potencial para ser ao mesmo tempo alguma coisa de muito concreto e de muito indefinível, o que pode representar coisas muito diferentes, segundo as pessoas."

As quedas d'água são ativadas das 7h até as 22h, sendo visíveis das duas margens do East River, em Manhattan e no Brooklyn. "São um espetáculo incrível", disse o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, durante a cerimônia de inauguração.

A ponte do Brooklyn, que festejou no mês passado 125 anos, é objeto de iluminações noturnas excepcionais. Nova York já acolheu em 2005 a instalação The Gates (Os Portões), do artista francês Christo, no Central Park. A obra já rendeu US$ 254 milhões à economia nova-iorquina, segundo a prefeitura.

ELIASSON
Nascido em Copenhague, em 1967, e criado na Dinamarca e na Islândia - de onde também possui a nacionalidade -, Olafur Eliasson vive atualmente entre Berlim e sua cidade natal.

Seu estúdio funciona como um laboratório de pesquisa artística para 30 arquitetos, engenheiros e artistas. Todos dedicados à concepção de instalações, esculturas e outros projetos em grande escala.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cataratas de Nova York

Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC

03/07/2008 | 07:05


Como se já não bastassem todos os espetáculos, parques, museus, lojas, casas noturnas e restaurantes que fazem de Nova York, nos Estados Unidos, uma das metrópoles mais badaladas e cosmopolitas do mundo, a cidade acaba de ganhar uma nova atração: cataratas artificiais gigantes.

Quatro quedas d'água idealizadas pelo artista plástico dinamarquês Olafur Eliasson, 41 anos, foram inauguradas no último dia 26 em pontos estratégicos do East River. As estruturas de metal bombeiam a água do rio e a fazem cair livremente, dando a impressão de cascatas naturais, que ficam ainda mais lindas à noite, sob a luz de holofotes.

As cascatas estão situadas na Governor's Island (Ilha do Governador), na ponte do Brooklyn e em dois cais.

Além de passeio de barco pelo rio, a cidade criou circuitos voltados a ciclistas e pedestres para que os monumentos possam ser admirados de perto. O governo espera arrecadar US$ 55 milhões até 13 de outubro às custas da novidade, que custou US$ 15,5 milhões - a maioria financiada por doações privadas.

Com uma vazão de 132 mil litros por minuto, as quatro instalações criam a ilusão de cataratas em pleno rio. A energia que aciona as bombas é 100% ‘verde', asseguram os organizadores.

"Trata-se do tempo e de uma experiência sobre o espaço", explicou Eliasson. "A água possui um grande potencial para ser ao mesmo tempo alguma coisa de muito concreto e de muito indefinível, o que pode representar coisas muito diferentes, segundo as pessoas."

As quedas d'água são ativadas das 7h até as 22h, sendo visíveis das duas margens do East River, em Manhattan e no Brooklyn. "São um espetáculo incrível", disse o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, durante a cerimônia de inauguração.

A ponte do Brooklyn, que festejou no mês passado 125 anos, é objeto de iluminações noturnas excepcionais. Nova York já acolheu em 2005 a instalação The Gates (Os Portões), do artista francês Christo, no Central Park. A obra já rendeu US$ 254 milhões à economia nova-iorquina, segundo a prefeitura.

ELIASSON
Nascido em Copenhague, em 1967, e criado na Dinamarca e na Islândia - de onde também possui a nacionalidade -, Olafur Eliasson vive atualmente entre Berlim e sua cidade natal.

Seu estúdio funciona como um laboratório de pesquisa artística para 30 arquitetos, engenheiros e artistas. Todos dedicados à concepção de instalações, esculturas e outros projetos em grande escala.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;