Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Acusação contra manifestante é arquivada no Rio



30/07/2013 | 00:07


A promotora de Justiça Janaína Vaz Candela Pagan, da 21ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, arquivou nesta segunda-feira, 29, o inquérito em que Bruno Ferreira Teles é acusado de atirar um coquetel molotov em direção a policiais militares que atuavam na manifestação ocorrida em 22 de julho em frente ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na zona sul. O arquivamento foi acolhido pela juíza Ana Luiza Coimbra Mayon Nogueira.

O Ministério Público entendeu que a palavra isolada do policial militar, responsável pela prisão do indiciado, "não configura indício suficiente de autoria a justificar a deflagração da instância penal, em não havendo outras provas". Segundo a perícia realizada pela Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público, as imagens da manifestação mostram que o indiciado não estava posicionado no local de onde os artefatos foram arremessados.

Teles foi alvo de uma polêmica. Por ocasião de sua prisão, as polícias Civil e Militar afirmaram, em nota, que ele estava com pelo menos 11 coquetéis molotov. Depois, como a TV Globo denunciou na semana passada, um dos policiais militares responsáveis por sua prisão afirmou, em inquérito policial, que nenhum explosivo havia sido encontrado com o rapaz. Ele foi preso, segundo esse PM, após ter recebido um coquetel molotov e lançado na direção de policiais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Acusação contra manifestante é arquivada no Rio


30/07/2013 | 00:07


A promotora de Justiça Janaína Vaz Candela Pagan, da 21ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, arquivou nesta segunda-feira, 29, o inquérito em que Bruno Ferreira Teles é acusado de atirar um coquetel molotov em direção a policiais militares que atuavam na manifestação ocorrida em 22 de julho em frente ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na zona sul. O arquivamento foi acolhido pela juíza Ana Luiza Coimbra Mayon Nogueira.

O Ministério Público entendeu que a palavra isolada do policial militar, responsável pela prisão do indiciado, "não configura indício suficiente de autoria a justificar a deflagração da instância penal, em não havendo outras provas". Segundo a perícia realizada pela Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público, as imagens da manifestação mostram que o indiciado não estava posicionado no local de onde os artefatos foram arremessados.

Teles foi alvo de uma polêmica. Por ocasião de sua prisão, as polícias Civil e Militar afirmaram, em nota, que ele estava com pelo menos 11 coquetéis molotov. Depois, como a TV Globo denunciou na semana passada, um dos policiais militares responsáveis por sua prisão afirmou, em inquérito policial, que nenhum explosivo havia sido encontrado com o rapaz. Ele foi preso, segundo esse PM, após ter recebido um coquetel molotov e lançado na direção de policiais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;