Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Amanhã vai ser outro dia

Dois políticos poderosos, José Dirceu e José Genoíno; uma banqueira; especialistas em obtenção e distribuição de verbas; pessoas importantes


Carlos Brickmann

14/11/2012 | 00:00


Dois políticos poderosos, José Dirceu e José Genoíno; uma banqueira; especialistas em obtenção e distribuição de verbas; pessoas importantes, enfim, foram condenadas por crimes diversos e várias delas, se tudo correr normalmente, irão para a cadeia. Isso não é comum no Brasil. Mas também não é importante, em si: importante é descobrir o que isso representará na vida política brasileira.

Houve outros eventos marcantes no passado. O presidente Collor sofreu impeachment, por exemplo (e está hoje no Senado, fazendo parte da base parlamentar do Governo Federal). O próprio José Dirceu teve o mandato parlamentar cassado (e continuou influindo nos rumos do Governo Federal). Valdemar Costa Neto e Roberto Jefferson deixaram a Câmara, mas continuam presidindo seus partidos e discutindo cargos no Governo Federal (e em outros - como o Governo paulista). Muitos perderam batalhas mas continuam na guerra. 

E na guerra continuarão, a menos que haja mudanças importantes. O custo das campanhas é exorbitante (e financiamento público é balela: na Alemanha isso existe, a Polícia de lá funciona, e o primeiro-ministro Helmut Kohl caiu por captar dinheiro privado). A criação de partidos de aluguel é livre. E não se pode paralisar nossa corte constitucional, o Supremo, para que julgue casos de ladroeira. Como isso não pode acontecer, não acontecerá - e a tendência será deixar pra lá. 

Ou mudamos rápido ou fica tudo como estava. Mas, se for para ficar como estava, qual a consequência, qual a importância do julgamento do Mensalão?

Giramundo

O PT nasceu dizendo que era diferente dos outros partidos. Hoje luta para provar que é igual.

Ele é o bom

Há alguns meses, a Polícia Federal interceptou, no Interior paulista, uma mensagem do PCC, sigla do crime organizado no Estado, em que se fazia referência a uma ofensiva geral contra policiais. A mensagem foi encaminhada ao delegado-geral da Policia paulista, que a retransmitiu ao secretário da Segurança, Antônio Ferreira Pinto. 

O secretário respondeu agressivamente: surpreendia-se ao notar que um policial acreditava nesse tipo de boatos, espalhados por criminosos interessados em demonstrar um poder que não tinham. Para ele, o PCC tem hoje não mais de 30 integrantes, todos devidamente presos. Pois é: os boatos eram verdadeiros. E o poder que os bandidos não tinham está demonstrado. Um dia, ainda bem, vão perder a batalha. Mas por que se permitiu que batalha houvesse?

Prisão sem grades

Uma dúvida: por que a prisão tem muros altos, grossos, portas de ferro, grades nas janelas? Não, não é para que os criminosos condenados não saiam: deve ser por outro motivo. Porque os criminosos condenados saem com os tais indultos de Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal, Ano Novo, de sabe-se lá que outros dias. 

A PM paulista listou 116 criminosos, integrantes do PCC, atuando livremente só na Zona Leste da capital. Todos estiveram presos, mas foram libertados nas tais datas especiais e não voltaram à cadeia. Segundo a PM, há no grupo pessoas especializadas em tráfico, assaltos, assassínios e sequestros. E todos se dedicam hoje a aterrorizar a cidade e matar policiais.

Chame o bandido

A atual onda de assassínios em São Paulo pode ter sido deflagrada por uma série de motivos, que um dia serão descobertos. Mas um fato é inequívoco: desde 1995, com a posse de Mário Covas, o PSDB está no poder no Estado - e, portanto, manda na Segurança. Um dos secretários se notabilizou ao determinar que só um policial ficasse em cada viatura. Sozinho, como enfrentar os bandidos? Outro secretário mandou prender manobristas do restaurante que frequentava, por não gostar de seu trabalho; e cercou com sua escolta uma professora da USP, de mais de 70 anos, porque guiava mal. 

Outro, no meio de uma onda de crimes, licenciou-se para acompanhar um jogo de seu time no Exterior. Todos negaram a existência do crime organizado ou, quando o admitiram, foi para dizer que estava perdendo força. O crime organizado cresceu porque foi mal combatido.

2012, o ano que já terminou

Em Brasília já é réveillon. Com os feriados da Proclamação da República e do Dia da Consciência Negra, a cidade retoma o funcionamento habitual lá pelo dia 27. É preciso votar o Orçamento (e será votado, para que o recesso parlamentar possa começar pontualmente), as mudanças no Fundo de Participação dos Estados, o Marco Civil da Internet. Mas há também as festas de fim de ano. 

Quem sabe em 2013, depois da posse dos prefeitos, após o Carnaval e Semana Santa?

Boa notícia

David Sabach, israelense de 12 anos, com câncer, usa, entre seus remédios, maconha medicinal. A maconha combate a dor, em lugar da morfina - que já não tinha eficácia. David recuperou peso e voltou a andar. A maconha medicinal não é fumada: é misturada a chocolate, biscoitos e bolos. Rica em canabidiol, é antiinflamatória e segundo os médicos israelenses não causa efeitos psíquicos. 

A maconha é usada em Israel para fins medicinais, experimentalmente, desde 1990.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Amanhã vai ser outro dia

Dois políticos poderosos, José Dirceu e José Genoíno; uma banqueira; especialistas em obtenção e distribuição de verbas; pessoas importantes

Carlos Brickmann

14/11/2012 | 00:00


Dois políticos poderosos, José Dirceu e José Genoíno; uma banqueira; especialistas em obtenção e distribuição de verbas; pessoas importantes, enfim, foram condenadas por crimes diversos e várias delas, se tudo correr normalmente, irão para a cadeia. Isso não é comum no Brasil. Mas também não é importante, em si: importante é descobrir o que isso representará na vida política brasileira.

Houve outros eventos marcantes no passado. O presidente Collor sofreu impeachment, por exemplo (e está hoje no Senado, fazendo parte da base parlamentar do Governo Federal). O próprio José Dirceu teve o mandato parlamentar cassado (e continuou influindo nos rumos do Governo Federal). Valdemar Costa Neto e Roberto Jefferson deixaram a Câmara, mas continuam presidindo seus partidos e discutindo cargos no Governo Federal (e em outros - como o Governo paulista). Muitos perderam batalhas mas continuam na guerra. 

E na guerra continuarão, a menos que haja mudanças importantes. O custo das campanhas é exorbitante (e financiamento público é balela: na Alemanha isso existe, a Polícia de lá funciona, e o primeiro-ministro Helmut Kohl caiu por captar dinheiro privado). A criação de partidos de aluguel é livre. E não se pode paralisar nossa corte constitucional, o Supremo, para que julgue casos de ladroeira. Como isso não pode acontecer, não acontecerá - e a tendência será deixar pra lá. 

Ou mudamos rápido ou fica tudo como estava. Mas, se for para ficar como estava, qual a consequência, qual a importância do julgamento do Mensalão?

Giramundo

O PT nasceu dizendo que era diferente dos outros partidos. Hoje luta para provar que é igual.

Ele é o bom

Há alguns meses, a Polícia Federal interceptou, no Interior paulista, uma mensagem do PCC, sigla do crime organizado no Estado, em que se fazia referência a uma ofensiva geral contra policiais. A mensagem foi encaminhada ao delegado-geral da Policia paulista, que a retransmitiu ao secretário da Segurança, Antônio Ferreira Pinto. 

O secretário respondeu agressivamente: surpreendia-se ao notar que um policial acreditava nesse tipo de boatos, espalhados por criminosos interessados em demonstrar um poder que não tinham. Para ele, o PCC tem hoje não mais de 30 integrantes, todos devidamente presos. Pois é: os boatos eram verdadeiros. E o poder que os bandidos não tinham está demonstrado. Um dia, ainda bem, vão perder a batalha. Mas por que se permitiu que batalha houvesse?

Prisão sem grades

Uma dúvida: por que a prisão tem muros altos, grossos, portas de ferro, grades nas janelas? Não, não é para que os criminosos condenados não saiam: deve ser por outro motivo. Porque os criminosos condenados saem com os tais indultos de Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal, Ano Novo, de sabe-se lá que outros dias. 

A PM paulista listou 116 criminosos, integrantes do PCC, atuando livremente só na Zona Leste da capital. Todos estiveram presos, mas foram libertados nas tais datas especiais e não voltaram à cadeia. Segundo a PM, há no grupo pessoas especializadas em tráfico, assaltos, assassínios e sequestros. E todos se dedicam hoje a aterrorizar a cidade e matar policiais.

Chame o bandido

A atual onda de assassínios em São Paulo pode ter sido deflagrada por uma série de motivos, que um dia serão descobertos. Mas um fato é inequívoco: desde 1995, com a posse de Mário Covas, o PSDB está no poder no Estado - e, portanto, manda na Segurança. Um dos secretários se notabilizou ao determinar que só um policial ficasse em cada viatura. Sozinho, como enfrentar os bandidos? Outro secretário mandou prender manobristas do restaurante que frequentava, por não gostar de seu trabalho; e cercou com sua escolta uma professora da USP, de mais de 70 anos, porque guiava mal. 

Outro, no meio de uma onda de crimes, licenciou-se para acompanhar um jogo de seu time no Exterior. Todos negaram a existência do crime organizado ou, quando o admitiram, foi para dizer que estava perdendo força. O crime organizado cresceu porque foi mal combatido.

2012, o ano que já terminou

Em Brasília já é réveillon. Com os feriados da Proclamação da República e do Dia da Consciência Negra, a cidade retoma o funcionamento habitual lá pelo dia 27. É preciso votar o Orçamento (e será votado, para que o recesso parlamentar possa começar pontualmente), as mudanças no Fundo de Participação dos Estados, o Marco Civil da Internet. Mas há também as festas de fim de ano. 

Quem sabe em 2013, depois da posse dos prefeitos, após o Carnaval e Semana Santa?

Boa notícia

David Sabach, israelense de 12 anos, com câncer, usa, entre seus remédios, maconha medicinal. A maconha combate a dor, em lugar da morfina - que já não tinha eficácia. David recuperou peso e voltou a andar. A maconha medicinal não é fumada: é misturada a chocolate, biscoitos e bolos. Rica em canabidiol, é antiinflamatória e segundo os médicos israelenses não causa efeitos psíquicos. 

A maconha é usada em Israel para fins medicinais, experimentalmente, desde 1990.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;