Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Gibraltar celebra três séculos de identidade britânica


Da AFP

04/08/2004 | 10:29


Os habitantes de Gibraltar celebram nesta quarta-feira três séculos de identidade britânica, com a presença do ministro da Defesa, Geof Hoon, e do comandante-em-chefe da Marinha Real da Grã-Bretanha (Royal Navy), Sir Jonathon Band, mas em meio a um profundo mal-estar na Espanha.

Após uma noite de festas nas ruas entre os 30 mil habitantes da colônia, milhares de pessoas se reuniram ao meio-dia (hora local) desta quarta-feira em torno da Rocha, onde antigos canhões ingleses e uma célebre colônia de macacos vigiam a entrada do estreito de Gibraltar.

"Não estamos celebrando nenhum ato de 1704, nem nenhuma batalha nem a derrota de um ou de outro, apenas celebramos nossa história e o que significa para nós", afirmou nesta quarta-feira o ministro principal de Gibraltar, Peter Caruana.

Caruana afirmou que nos últimos dias "se a Espanha está ofendida porque dizemos que esta é nossa Rocha, que fique" e que a visita do ministro britânico da Defesa "não é assunto dos espanhóis".

O Parlamento de Gibraltar vai realizar nesta quarta-feira à tarde uma sessão extraordinária dedicada à adoção, aprovada por unanimidade, de uma moção que rejeita "qualquer negociação contrária à vontade do povo de Gibraltar sobre a transferência à Espanha de qualquer parte da soberania de Gibraltar", afirmando a vontade de manter "exclusivamente a soberania britânica no conjunto do território" da colônia.

Em novembro de 2002, um referendo de iniciativa local acabou com as esperanças de discussões entre Londres e Madri sobre uma soberania compartilhada, ao confirmar a vontade de quase 99% dos moradores da ilha de continuar súditos da coroa britânica.

O ministro de Assuntos Exteriores espanhol, Miguel Angel Moratinos, escreveu num artigo de opinião que é "muito estranho que se comemore na União Européia e em pleno século XXI a ocupação militar de uma parte do território de um Estado membro por outro Estado membro" e pediu uma "solução realista para o último vestígio colonial da Europa".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gibraltar celebra três séculos de identidade britânica

Da AFP

04/08/2004 | 10:29


Os habitantes de Gibraltar celebram nesta quarta-feira três séculos de identidade britânica, com a presença do ministro da Defesa, Geof Hoon, e do comandante-em-chefe da Marinha Real da Grã-Bretanha (Royal Navy), Sir Jonathon Band, mas em meio a um profundo mal-estar na Espanha.

Após uma noite de festas nas ruas entre os 30 mil habitantes da colônia, milhares de pessoas se reuniram ao meio-dia (hora local) desta quarta-feira em torno da Rocha, onde antigos canhões ingleses e uma célebre colônia de macacos vigiam a entrada do estreito de Gibraltar.

"Não estamos celebrando nenhum ato de 1704, nem nenhuma batalha nem a derrota de um ou de outro, apenas celebramos nossa história e o que significa para nós", afirmou nesta quarta-feira o ministro principal de Gibraltar, Peter Caruana.

Caruana afirmou que nos últimos dias "se a Espanha está ofendida porque dizemos que esta é nossa Rocha, que fique" e que a visita do ministro britânico da Defesa "não é assunto dos espanhóis".

O Parlamento de Gibraltar vai realizar nesta quarta-feira à tarde uma sessão extraordinária dedicada à adoção, aprovada por unanimidade, de uma moção que rejeita "qualquer negociação contrária à vontade do povo de Gibraltar sobre a transferência à Espanha de qualquer parte da soberania de Gibraltar", afirmando a vontade de manter "exclusivamente a soberania britânica no conjunto do território" da colônia.

Em novembro de 2002, um referendo de iniciativa local acabou com as esperanças de discussões entre Londres e Madri sobre uma soberania compartilhada, ao confirmar a vontade de quase 99% dos moradores da ilha de continuar súditos da coroa britânica.

O ministro de Assuntos Exteriores espanhol, Miguel Angel Moratinos, escreveu num artigo de opinião que é "muito estranho que se comemore na União Européia e em pleno século XXI a ocupação militar de uma parte do território de um Estado membro por outro Estado membro" e pediu uma "solução realista para o último vestígio colonial da Europa".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;