Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Lobão: quando eu era adolescente


Do Diário do Grande ABC

06/08/2006 | 13:31


“Eu adorava tocar por muito tempo violão ou bateria. Ficava o dia inteiro tocando e, aos 17 anos, já era profissional. Tocava no Vímana (grupo de rock progressivo dos anos 70), com o Lulu Santos e o Ritchie. Nessa mesma época, fui para São Paulo tocar com a Marília Pêra. O Nelson Motta (escritor, letrista e crítico musical) foi meu tutor, porque eu era menor de idade.

Foi difícil para os meus pais, porque eles me davam força para fazer música como um hobby, mas não como trabalho.

Era um cara popular no colégio, sempre tinha esse trunfo que era tocar, e montava bandas com os amigos. Ia bem no colégio, mas depois comecei a me desinteressar e repeti alguns anos. Pegava muita onda, mas não de prancha. Pegava jacaré e era amigo do Pepê (surfista lendário do Rio de Janeiro morto em 1991).”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lobão: quando eu era adolescente

Do Diário do Grande ABC

06/08/2006 | 13:31


“Eu adorava tocar por muito tempo violão ou bateria. Ficava o dia inteiro tocando e, aos 17 anos, já era profissional. Tocava no Vímana (grupo de rock progressivo dos anos 70), com o Lulu Santos e o Ritchie. Nessa mesma época, fui para São Paulo tocar com a Marília Pêra. O Nelson Motta (escritor, letrista e crítico musical) foi meu tutor, porque eu era menor de idade.

Foi difícil para os meus pais, porque eles me davam força para fazer música como um hobby, mas não como trabalho.

Era um cara popular no colégio, sempre tinha esse trunfo que era tocar, e montava bandas com os amigos. Ia bem no colégio, mas depois comecei a me desinteressar e repeti alguns anos. Pegava muita onda, mas não de prancha. Pegava jacaré e era amigo do Pepê (surfista lendário do Rio de Janeiro morto em 1991).”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;