Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Grande ABC registra inflação de 0,99%


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

08/07/2008 | 07:01


A taxa de inflação no Grande ABC, em junho, apresentou ligeira queda na comparação com o mês de maio, ao passar de 1,09% para 0,99%. O levantamento, realizado pelo Inpes (Instituto de Pesquisa da USCS-Universidade Imes), mostra ainda que o índice somou 3,63% no primeiro semestre deste ano e acumulou 6,68% em 12 meses.

Segundo o assistente de coordenação do IPC-USCS, Lúcio Flávio Dantas, a pequena queda aponta indica um cenário de estabilidade para os índices na região, acompanhando a tendência nacional. O aumento do custo de vida foi sustentado, na avaliação do instituto, pelos reajustes em grupos como vestuário, habitação e, principalmente, de produtos alimentícios.

"O setor de semi-elaborados - que inclui carnes, cereais e leite - tem pressionado a taxa. Essa classe é a que mais provoca impacto no orçamento das famílias com renda mensal entre dois e 14 salários mínimos."

Dantas explica que a pressão altista vem ocorrendo, com maior ênfase, desde o mês de maio e que reajustes como o dos cereais - entre eles, o aumento médio de 14,65% do feijão e de 10,55% do arroz - contribuíram para manter o índice elevado.

O estudo aponta, em contrapartida, que os alimentos in natura ‘frearam' um pouco o avanço da inflação no setor, diante da queda nos preços de frutas, legumes e verduras - em média, 1,32%, 1,58% e 3,59%, respectivamente.

PROJEÇÃO - "Mesmo que os juros tenham subido e que a concessão de crédito esteja mais restrita, a perspectiva até o final deste ano é de que o consumidor do Grande ABC tenha que enfrentar a alta dos preços em decorrência da lei da oferta e da procura", analisa Dantas.

O assistente de coordenação do IPC-USCS lembra que os itens de vestuário devem apresentar queda nos próximos meses, já que o varejo se prepara para a chegada da estação primavera-verão. "As roupas de inverno vão sofrer queda, mas isso irá estimular o consumidor a desembolsar um pouco mais para aproveitar as promoções."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grande ABC registra inflação de 0,99%

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

08/07/2008 | 07:01


A taxa de inflação no Grande ABC, em junho, apresentou ligeira queda na comparação com o mês de maio, ao passar de 1,09% para 0,99%. O levantamento, realizado pelo Inpes (Instituto de Pesquisa da USCS-Universidade Imes), mostra ainda que o índice somou 3,63% no primeiro semestre deste ano e acumulou 6,68% em 12 meses.

Segundo o assistente de coordenação do IPC-USCS, Lúcio Flávio Dantas, a pequena queda aponta indica um cenário de estabilidade para os índices na região, acompanhando a tendência nacional. O aumento do custo de vida foi sustentado, na avaliação do instituto, pelos reajustes em grupos como vestuário, habitação e, principalmente, de produtos alimentícios.

"O setor de semi-elaborados - que inclui carnes, cereais e leite - tem pressionado a taxa. Essa classe é a que mais provoca impacto no orçamento das famílias com renda mensal entre dois e 14 salários mínimos."

Dantas explica que a pressão altista vem ocorrendo, com maior ênfase, desde o mês de maio e que reajustes como o dos cereais - entre eles, o aumento médio de 14,65% do feijão e de 10,55% do arroz - contribuíram para manter o índice elevado.

O estudo aponta, em contrapartida, que os alimentos in natura ‘frearam' um pouco o avanço da inflação no setor, diante da queda nos preços de frutas, legumes e verduras - em média, 1,32%, 1,58% e 3,59%, respectivamente.

PROJEÇÃO - "Mesmo que os juros tenham subido e que a concessão de crédito esteja mais restrita, a perspectiva até o final deste ano é de que o consumidor do Grande ABC tenha que enfrentar a alta dos preços em decorrência da lei da oferta e da procura", analisa Dantas.

O assistente de coordenação do IPC-USCS lembra que os itens de vestuário devem apresentar queda nos próximos meses, já que o varejo se prepara para a chegada da estação primavera-verão. "As roupas de inverno vão sofrer queda, mas isso irá estimular o consumidor a desembolsar um pouco mais para aproveitar as promoções."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;