Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

A surpresa do Nobel



07/10/2020 | 07:00


Tentar adivinhar quem vai levar o Prêmio Nobel de Literatura é um passatempo anual favorito entre jornalistas e leitores, na mesma proporção que quase todos os anos as previsões são incorretas. Em 2020, o ano em que qualquer esquema racional das coisas foi colocado em suspensão pelas circunstâncias, não será totalmente explosivo se o prêmio - a ser divulgado nesta quinta-feira, dia 8, às 8h da manhã no horário de Brasília - for para um latino-americano, ou, mais provavelmente, para um autor africano.

A única coisa certa é que os últimos três anos foram um escândalo para a Academia Sueca, a instituição que premia o Nobel de Literatura há cerca de 120 anos (foram 116 premiados, apenas 15 mulheres). Em 2017, o marido de uma afiliada foi acusado e depois condenado a dois anos de prisão por abuso sexual, a participação de sua mulher em esquemas de vazamentos de nomes para casas de apostas foi revelada e diversos membros deixaram seus postos na entidade, que foi reformulada.

Ano passado, o então presidente Anders Olsson deu (muitas) entrevistas dizendo que a Academia sabia do seu histórico díspar em gênero e raça, bem como em estar largamente concentrada em autores europeus - para então no mês seguinte dar o prêmio a dois autores europeus, um deles, Peter Handke, um autor austríaco igualmente admirado pelos seus escritos cerebrais e odiado por seu apoio ao genocídio na Bósnia na Guerra da Sérvia.

Então, como todas as luzes apontam para que a escolha de 2020 seja uma escritora ou um escritor, digamos, mais preocupado com questões sociais ou mesmo que tenha origem fora da Europa, não é difícil que a Academia acabe escolhendo outro europeu. A russa Lyudmila Ulitskaya, o espanhol Javier Marias e a francesa Annie Ernaux aparecem entre os primeiros lugares nas casas de apostas.

Se a Academia resolver olhar para fora do seu quintal, a escritora francófona Maryse Condé (nascida em Guadalupe, no Caribe, autora de Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem, lançado no Brasil pelo selo Rosa dos Ventos) é forte concorrente. A também caribenha Jamaica Kincaid, das ilhas Antígua e Barbuda, há alguns dias aparecia na liderança das apostas, mas seu nome parece ter perdido força.

O escritor queniano Ngugi wa Thiongo é figura carimbada nas apostas dos últimos anos, e em 2020 novamente. Dois escritores e uma escritora chineses (Yan Lianke, Yu Hua e Can Xue) também aparecem em diversas listas. É pouco provável que um norte-americano volte a vencer apenas quatro anos depois do prêmio de Bob Dylan, mas a escritora e ensaísta Joan Didion e as canadenses Margaret Atwood e Anne Carson não seriam escolhas surpreendentes.

Desde a vitória de Bob Dylan, em 2016, um jornalista americano - Alex Shephard, da The New Republic - ganha destaque nas redes sociais com sua lista de "favoritos". Naquele ano, ele cravou que Bob Dylan não venceria nunca, claro. Alguns destaques da sua lista deste ano: "Haruki Murakami (uma sala de estar bem decorada com muitos móveis de faia e um impressionante sistema de som)"; "Thomas Pynchon (o vovô chapado da América)"; "Salman Rushdie (colaborador do U2)", "Peter Nadas (a segunda exportação mais importante da Hungria, além do neofascismo)"; e, finalmente, "Karl Ove Knausgaard (o Homem da Malboro na Noruega, e também o maior importador de Malboros do país)".

E se o leitor esperar um Nobel de Literatura brasileiro, pode anotar que, sem dúvida nenhuma, será Nélida Piñon.

Os ganhadores

2019 - Peter Handke (Áustria)

2018 - Olga Tokarczuk (Polônia)

2017 - Kazuo Ishiguro (Reino Unido)

2016 - Bob Dylan (EUA)

2015 - Svetlana Aleksiévitch (Rússia)

2014 - Patrick Modiano (França)

2013 - Alice Munro (Canadá)

2012 - Mo Yan (China)

2011 - Tomas Tranströmer (Suécia)

2010 - Mario Vargas Llosa (Peru)

2009 - Herta Müller (Romênia)

2008 - Jean-Marie Gustave Le Clézio (França)

2007 - Doris Lessing (Grã Bretanha)

2006 - Orhan Pamuk (Turquia)

2005 - Harold Pinter (Inglaterra)

2004 - Elfried Jelinek (Áustria)

2003 - J. M. Coetzee (África do Sul)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A surpresa do Nobel


07/10/2020 | 07:00


Tentar adivinhar quem vai levar o Prêmio Nobel de Literatura é um passatempo anual favorito entre jornalistas e leitores, na mesma proporção que quase todos os anos as previsões são incorretas. Em 2020, o ano em que qualquer esquema racional das coisas foi colocado em suspensão pelas circunstâncias, não será totalmente explosivo se o prêmio - a ser divulgado nesta quinta-feira, dia 8, às 8h da manhã no horário de Brasília - for para um latino-americano, ou, mais provavelmente, para um autor africano.

A única coisa certa é que os últimos três anos foram um escândalo para a Academia Sueca, a instituição que premia o Nobel de Literatura há cerca de 120 anos (foram 116 premiados, apenas 15 mulheres). Em 2017, o marido de uma afiliada foi acusado e depois condenado a dois anos de prisão por abuso sexual, a participação de sua mulher em esquemas de vazamentos de nomes para casas de apostas foi revelada e diversos membros deixaram seus postos na entidade, que foi reformulada.

Ano passado, o então presidente Anders Olsson deu (muitas) entrevistas dizendo que a Academia sabia do seu histórico díspar em gênero e raça, bem como em estar largamente concentrada em autores europeus - para então no mês seguinte dar o prêmio a dois autores europeus, um deles, Peter Handke, um autor austríaco igualmente admirado pelos seus escritos cerebrais e odiado por seu apoio ao genocídio na Bósnia na Guerra da Sérvia.

Então, como todas as luzes apontam para que a escolha de 2020 seja uma escritora ou um escritor, digamos, mais preocupado com questões sociais ou mesmo que tenha origem fora da Europa, não é difícil que a Academia acabe escolhendo outro europeu. A russa Lyudmila Ulitskaya, o espanhol Javier Marias e a francesa Annie Ernaux aparecem entre os primeiros lugares nas casas de apostas.

Se a Academia resolver olhar para fora do seu quintal, a escritora francófona Maryse Condé (nascida em Guadalupe, no Caribe, autora de Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem, lançado no Brasil pelo selo Rosa dos Ventos) é forte concorrente. A também caribenha Jamaica Kincaid, das ilhas Antígua e Barbuda, há alguns dias aparecia na liderança das apostas, mas seu nome parece ter perdido força.

O escritor queniano Ngugi wa Thiongo é figura carimbada nas apostas dos últimos anos, e em 2020 novamente. Dois escritores e uma escritora chineses (Yan Lianke, Yu Hua e Can Xue) também aparecem em diversas listas. É pouco provável que um norte-americano volte a vencer apenas quatro anos depois do prêmio de Bob Dylan, mas a escritora e ensaísta Joan Didion e as canadenses Margaret Atwood e Anne Carson não seriam escolhas surpreendentes.

Desde a vitória de Bob Dylan, em 2016, um jornalista americano - Alex Shephard, da The New Republic - ganha destaque nas redes sociais com sua lista de "favoritos". Naquele ano, ele cravou que Bob Dylan não venceria nunca, claro. Alguns destaques da sua lista deste ano: "Haruki Murakami (uma sala de estar bem decorada com muitos móveis de faia e um impressionante sistema de som)"; "Thomas Pynchon (o vovô chapado da América)"; "Salman Rushdie (colaborador do U2)", "Peter Nadas (a segunda exportação mais importante da Hungria, além do neofascismo)"; e, finalmente, "Karl Ove Knausgaard (o Homem da Malboro na Noruega, e também o maior importador de Malboros do país)".

E se o leitor esperar um Nobel de Literatura brasileiro, pode anotar que, sem dúvida nenhuma, será Nélida Piñon.

Os ganhadores

2019 - Peter Handke (Áustria)

2018 - Olga Tokarczuk (Polônia)

2017 - Kazuo Ishiguro (Reino Unido)

2016 - Bob Dylan (EUA)

2015 - Svetlana Aleksiévitch (Rússia)

2014 - Patrick Modiano (França)

2013 - Alice Munro (Canadá)

2012 - Mo Yan (China)

2011 - Tomas Tranströmer (Suécia)

2010 - Mario Vargas Llosa (Peru)

2009 - Herta Müller (Romênia)

2008 - Jean-Marie Gustave Le Clézio (França)

2007 - Doris Lessing (Grã Bretanha)

2006 - Orhan Pamuk (Turquia)

2005 - Harold Pinter (Inglaterra)

2004 - Elfried Jelinek (Áustria)

2003 - J. M. Coetzee (África do Sul)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;