Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Comandante seguirá
plano de Roberval

Coronel Camilli, à frente da Polícia Militar no Grande ABC,
diz que manterá diálogo com sociedade durante seu comando


Cadu Proieti
Do Diário do Grande ABC

28/04/2012 | 07:00


O coronel Helson Léver Camilli, que assumiu o comando da Polícia Militar do Grande ABC nesta semana, promete dar sequência ao trabalho que vinha sendo realizado pelo coronel Roberval Ferreira França, que deixou a região para assumir o comando-geral da corporação no Estado.

"Foi feito planejamento para gestão de dois anos. Porém, o coronel Roberval ficou dez meses no comando da região. Vamos dar continuidade ao que estava sendo muito benfeito e, como sempre é possível, vamos melhorar estes planos", relatou Camilli.

O coronel afirma que possui o mesmo estilo de comando de Roberval. "Somos contemporâneos de academia. Nos formamos em uma mesma época. Ao longo da carreira tivemos experiências semelhantes e passamos por mesmas unidades em tecnologia da informação. Há sincronia de pensamentos e atitudes."

O novo comandante da região irá completar 50 anos em novembro, sendo 30 deles dedicados à Polícia Militar. Camilli estava à frente do 12º Batalhão Metropolitano da Polícia Militar, situado na Zona Sul da Capital. A região de cobertura possui características de intensa movimentação socioeconômica.

Camilli afirmou que irá intensificar a Operação Cavalo de Aço, onde a Polícia Militar faz barreiras em pontos estratégicos para fiscalizar motocicletas. "Sabemos que a maioria dos delitos tem acontecido com motos, principalmente roubos e furtos, como na saída de bancos."

FISCALIZAÇÃO
Para Camilli, como Roberval deixou o Grande ABC para assumir o comando-geral da Polícia Militar, a cobrança será maior. Nesta semana, o antigo chefe da corporação na região disse que o posto seria ocupado por profissional à altura. "Isso me traz grande preocupação e responsabilidade, mas estou sempre preparado para isso porque tenho 30 anos de serviço. Ele já nos passou diversas informações e vamos conversar muito. Ele tem muito a ensinar para gente e orientar. Vamos trabalhar juntos", enfatizou.

DROGAS
No mês passado, o coronel Roberval Ferreira França, então comandante da região, reuniu integrantes da Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público e prefeituras das sete cidades para discutir diretrizes de combate ao tráfico e uso de drogas na região. Na ocasião, estudos da corporação identificaram que o problema social estava relacionado ao roubo e furto de veículos.

O coronel Camilli afirmou que pretende manter as conversas para diminuir os crimes relacionados a entorpecentes. "As reuniões de analise criminal acontecem mensalmente no batalhão. Depois, trimestralmente, nos reunimos com a Polícia Civil. No terceiro momento, trazemos outros órgãos públicos e representantes da comunidade. É a melhor forma de discutir. Todos somos responsáveis pela segurança e cada setor tem a sua função", finalizou.


Pinheirinho será exemplo para reintegrações

O coronel Helson Léver Camilli, novo comandante da Polícia Militar no Grande ABC, afirmou que pretende utilizar a reintegração de posse realizada no núcleo Pinheirinho, em São José dos Campos, como exemplo para ações semelhantes na região.

O trabalho no interior do Estado ficou marcado nacionalmente pelo excesso de força aplicado pelos policiais. Porém, Camilli afirma que existem pontos positivos a serem extraídos da atividade.

"Todas as ações servem de exemplo. O planejamento feito para a retirada das famílias foi um fato positivo. O resultado, também. É preciso aprender com as experiências", relatou o coronel.

No mês de maio estão previstas duas reintegrações de posse em Santo André. Uma delas é a das 1.300 famílias do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) que ocupam terreno particular no Jardim do Estádio. A outra é de 318 famílias que vivem em área de risco no Jardim Santo André.

As datas dessas ações ainda não foram definidas. "Este trabalho é delicado porque mexe com famílias. Então, precisamos ter todas as cautelas e estudos", ponderou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Comandante seguirá
plano de Roberval

Coronel Camilli, à frente da Polícia Militar no Grande ABC,
diz que manterá diálogo com sociedade durante seu comando

Cadu Proieti
Do Diário do Grande ABC

28/04/2012 | 07:00


O coronel Helson Léver Camilli, que assumiu o comando da Polícia Militar do Grande ABC nesta semana, promete dar sequência ao trabalho que vinha sendo realizado pelo coronel Roberval Ferreira França, que deixou a região para assumir o comando-geral da corporação no Estado.

"Foi feito planejamento para gestão de dois anos. Porém, o coronel Roberval ficou dez meses no comando da região. Vamos dar continuidade ao que estava sendo muito benfeito e, como sempre é possível, vamos melhorar estes planos", relatou Camilli.

O coronel afirma que possui o mesmo estilo de comando de Roberval. "Somos contemporâneos de academia. Nos formamos em uma mesma época. Ao longo da carreira tivemos experiências semelhantes e passamos por mesmas unidades em tecnologia da informação. Há sincronia de pensamentos e atitudes."

O novo comandante da região irá completar 50 anos em novembro, sendo 30 deles dedicados à Polícia Militar. Camilli estava à frente do 12º Batalhão Metropolitano da Polícia Militar, situado na Zona Sul da Capital. A região de cobertura possui características de intensa movimentação socioeconômica.

Camilli afirmou que irá intensificar a Operação Cavalo de Aço, onde a Polícia Militar faz barreiras em pontos estratégicos para fiscalizar motocicletas. "Sabemos que a maioria dos delitos tem acontecido com motos, principalmente roubos e furtos, como na saída de bancos."

FISCALIZAÇÃO
Para Camilli, como Roberval deixou o Grande ABC para assumir o comando-geral da Polícia Militar, a cobrança será maior. Nesta semana, o antigo chefe da corporação na região disse que o posto seria ocupado por profissional à altura. "Isso me traz grande preocupação e responsabilidade, mas estou sempre preparado para isso porque tenho 30 anos de serviço. Ele já nos passou diversas informações e vamos conversar muito. Ele tem muito a ensinar para gente e orientar. Vamos trabalhar juntos", enfatizou.

DROGAS
No mês passado, o coronel Roberval Ferreira França, então comandante da região, reuniu integrantes da Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público e prefeituras das sete cidades para discutir diretrizes de combate ao tráfico e uso de drogas na região. Na ocasião, estudos da corporação identificaram que o problema social estava relacionado ao roubo e furto de veículos.

O coronel Camilli afirmou que pretende manter as conversas para diminuir os crimes relacionados a entorpecentes. "As reuniões de analise criminal acontecem mensalmente no batalhão. Depois, trimestralmente, nos reunimos com a Polícia Civil. No terceiro momento, trazemos outros órgãos públicos e representantes da comunidade. É a melhor forma de discutir. Todos somos responsáveis pela segurança e cada setor tem a sua função", finalizou.


Pinheirinho será exemplo para reintegrações

O coronel Helson Léver Camilli, novo comandante da Polícia Militar no Grande ABC, afirmou que pretende utilizar a reintegração de posse realizada no núcleo Pinheirinho, em São José dos Campos, como exemplo para ações semelhantes na região.

O trabalho no interior do Estado ficou marcado nacionalmente pelo excesso de força aplicado pelos policiais. Porém, Camilli afirma que existem pontos positivos a serem extraídos da atividade.

"Todas as ações servem de exemplo. O planejamento feito para a retirada das famílias foi um fato positivo. O resultado, também. É preciso aprender com as experiências", relatou o coronel.

No mês de maio estão previstas duas reintegrações de posse em Santo André. Uma delas é a das 1.300 famílias do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) que ocupam terreno particular no Jardim do Estádio. A outra é de 318 famílias que vivem em área de risco no Jardim Santo André.

As datas dessas ações ainda não foram definidas. "Este trabalho é delicado porque mexe com famílias. Então, precisamos ter todas as cautelas e estudos", ponderou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;