Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Duas Coréias farao reuniao de Cúpula histórica em junho


Do Diário do Grande ABC

10/04/2000 | 10:21


Os dirigentes das duas Coréias anunciaram, nesta segunda-feira, que se reunirao em junho, em Pionguiangue, num histórico encontro de cúpula. O anúncio foi feito em um inusitado comunicado conjunto dos dois governos, irmaos inimigos desde a guerra fria.

O presidente sul-coreano Kim Dae-Jung viajará de 12 a 14 de junho a Pionguiangue, onde se reunirá com o líder norte-coreano Kim Jong Il.

Uma declaraçao conjunta foi firmada no dia 8 de abril em Pequim, após três semanas de negociaçoes secretas entre o ministro de Cultura e de Informaçao sul-coreano Park Jie-Won e um representante norte-coreano, Song Ho-Kyong.

Esta reuniao inédita constitui um avanço espetacular nas relaçoes entre as duas Coréias, marcadas por meio século de hostilidade, nascida durante a guerra fria. Teoricamente, Seul e Pionguiangue continuam em guerra desde o fim da guerra da Coréia em 1953, por nao existir um tratado de paz.

O encontro permitirá ao líder norte-coreano firmar-se publicamente pela primeira vez como chefe de Estado de fato da Coréia do Norte, desde que sucedeu a seu pai Kim Il Sung, morto em julho de 1994. O anúncio desta reuniao de cúpula terá, segundo os analistas, repercussoes internas na Coréia do Sul, onde foi feito três dias antes das eleiçoes legislativas cruciais para o presidente Kim, e na Coréia do Norte, onde qualquer política de abertura é sempre sujeita a condiçoes.

Os sul-coreanos votam quinta-feira em eleiçoes legislativas onde o partido (Milenário) do presidente Kim Dae Jung se encontra em dificuldades. O anúncio do encontro deve dar-lhe votos suplementares, segundo os analistas, e reforçar sua base para prosseguir a política de reformas que iniciou ao chegar ao poder em 1998.

Durante o encontro, os dois dirigentes coreanos falarao da cooperaçao econômica e do doloroso expediente da reuniao das famílias separadas desde 1945.

O ministro destacou que a Coréia do Norte, cuja economia está em profunda crise e que luta contra a fome, nao havia pedido ajuda econômica como condiçao para realizar esta reuniao. Entretanto, os analistas estimam que importantes concessoes econômicas e financeiras foram feitas a Pionguiangue.

Em 1994, as duas Coréias chegaram a um acordo para realizar uma reuniao desse tipo, mas a morte do líder norte-coreano Kim Il Sung cancelou o projeto. Desde a morte de seu pai, o novo líder norte-coreano se manteve à margem dos encontros com personalidades estrangeiras, deixando a tarefa ao presidente do Parlamento, Kim Yong-Nem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Duas Coréias farao reuniao de Cúpula histórica em junho

Do Diário do Grande ABC

10/04/2000 | 10:21


Os dirigentes das duas Coréias anunciaram, nesta segunda-feira, que se reunirao em junho, em Pionguiangue, num histórico encontro de cúpula. O anúncio foi feito em um inusitado comunicado conjunto dos dois governos, irmaos inimigos desde a guerra fria.

O presidente sul-coreano Kim Dae-Jung viajará de 12 a 14 de junho a Pionguiangue, onde se reunirá com o líder norte-coreano Kim Jong Il.

Uma declaraçao conjunta foi firmada no dia 8 de abril em Pequim, após três semanas de negociaçoes secretas entre o ministro de Cultura e de Informaçao sul-coreano Park Jie-Won e um representante norte-coreano, Song Ho-Kyong.

Esta reuniao inédita constitui um avanço espetacular nas relaçoes entre as duas Coréias, marcadas por meio século de hostilidade, nascida durante a guerra fria. Teoricamente, Seul e Pionguiangue continuam em guerra desde o fim da guerra da Coréia em 1953, por nao existir um tratado de paz.

O encontro permitirá ao líder norte-coreano firmar-se publicamente pela primeira vez como chefe de Estado de fato da Coréia do Norte, desde que sucedeu a seu pai Kim Il Sung, morto em julho de 1994. O anúncio desta reuniao de cúpula terá, segundo os analistas, repercussoes internas na Coréia do Sul, onde foi feito três dias antes das eleiçoes legislativas cruciais para o presidente Kim, e na Coréia do Norte, onde qualquer política de abertura é sempre sujeita a condiçoes.

Os sul-coreanos votam quinta-feira em eleiçoes legislativas onde o partido (Milenário) do presidente Kim Dae Jung se encontra em dificuldades. O anúncio do encontro deve dar-lhe votos suplementares, segundo os analistas, e reforçar sua base para prosseguir a política de reformas que iniciou ao chegar ao poder em 1998.

Durante o encontro, os dois dirigentes coreanos falarao da cooperaçao econômica e do doloroso expediente da reuniao das famílias separadas desde 1945.

O ministro destacou que a Coréia do Norte, cuja economia está em profunda crise e que luta contra a fome, nao havia pedido ajuda econômica como condiçao para realizar esta reuniao. Entretanto, os analistas estimam que importantes concessoes econômicas e financeiras foram feitas a Pionguiangue.

Em 1994, as duas Coréias chegaram a um acordo para realizar uma reuniao desse tipo, mas a morte do líder norte-coreano Kim Il Sung cancelou o projeto. Desde a morte de seu pai, o novo líder norte-coreano se manteve à margem dos encontros com personalidades estrangeiras, deixando a tarefa ao presidente do Parlamento, Kim Yong-Nem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;