Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Belas mulheres e cinema: a fábrica de mitos sexuais nunca pára


Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

06/08/2006 | 09:12


O que têm em comum cinema e parede de borracharia? Os dois dão uma bela moldura para corpos femininos esculturais, que uma vez reproduzidos em filmes ou em cartazes, na tela ou sobre a banheira que certifica o pneu furado, fazem os freqüentadores masculinos esquecerem a real natureza de sua visita: assistir a um filme ou consertar o pneu. A sensualidade feminina é tão presente no cinema e em sua formação como arte que uma das mais corriqueiras atividades extra-tela é a eleição anual das mulheres mais bonitas e mais sexies do écran, veiculadas por revistas como People e Esquire e por mídias como o canal de TV E! Entertainment. Uma eleição geralmente divulgada ao fim do ano e que sacia também a divulgação febril de listas, que a internet somente favoreceu.

O cinema nunca frustrou a propagação do mito sexual feminino. Um mito que fez Rita Hayworth submeter-se a eletrólise, para modificar o desenho de seu couro cabeludo, e a outras medidas drásticas para afiliar-se ao ideal de beleza dos anos 40 (uma figura de beleza que seria barbarizada por Orson Welles, então seu marido, para filmar A Dama de Shangai). Um mito que inflacionou o valor da imagem de Marilyn Monroe, que teve fotos suas, clicadas em 1949 por Tom Kelley para a Playboy, estimadas em até US$ 850 mil por ocasião de um leilão. Um mito que arrasta multidões de produtores de testosterona para o cinema pela simples presença de uma musa (não há outro meio que explique a realização de filmes como Mulher-Gato, com Halle Berry, e Electra, com Jennifer Garner). Um mito que expande-se pelo audiovisual, seja seu suporte o cinema ou a televisão – vide a recente cena de nudez completa de Ana Paula Arósio na novela Páginas da Vida, cena que constitui-se em tentativa de desmitificação como parte de uma estratégia de conquistar audiência – Ana Paula nua recicla Ana Paula lolita.

Nesse sentido, a crítica norte-americana Elizabeth Ann Kaplan é bibliografia básica. Em A Mulher e o Cinema – Os Dois Lados da Câmera (editora Rocco), aponta o desejo como um dogma patriarcal que usa a sensualidade como meio para tornar a mulher marginal, alienada. Ou seja, uma visão que exalta o corpo para calar a boca. Para referendar que Hollywood multiplica essa hierarquia da imagem e do desejo, Elizabeth menciona Roland Barthes e sua leitura de que o cinema se dissocia da realidade ao reivindicar que o mito e os signos que cria e veicula (o corpo estetizado, as insinuações sexuais) são substitutos do corpo real, não exatamente representações do mundo real. Parece coisa das antigas esse papo de mito patriarcal e signo que canibaliza o objeto real? Pode até parecer, mas funciona até hoje, e Hollywood e os promotores de eleições das “dez mais” sabem disso.

Para ilustrar o mito sexual no cinema – e, de brinde, embelezar duas páginas da edição – o Diário escolheu aleatoriamente uma das recentes listas de “mais, mais”. Selecionou a da revista eletrônica Movie Review, que pretere algumas obviedades e lista atrizes inesperadas, como Jennifer Garner no primeiro posto. Encante-se!



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Belas mulheres e cinema: a fábrica de mitos sexuais nunca pára

Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

06/08/2006 | 09:12


O que têm em comum cinema e parede de borracharia? Os dois dão uma bela moldura para corpos femininos esculturais, que uma vez reproduzidos em filmes ou em cartazes, na tela ou sobre a banheira que certifica o pneu furado, fazem os freqüentadores masculinos esquecerem a real natureza de sua visita: assistir a um filme ou consertar o pneu. A sensualidade feminina é tão presente no cinema e em sua formação como arte que uma das mais corriqueiras atividades extra-tela é a eleição anual das mulheres mais bonitas e mais sexies do écran, veiculadas por revistas como People e Esquire e por mídias como o canal de TV E! Entertainment. Uma eleição geralmente divulgada ao fim do ano e que sacia também a divulgação febril de listas, que a internet somente favoreceu.

O cinema nunca frustrou a propagação do mito sexual feminino. Um mito que fez Rita Hayworth submeter-se a eletrólise, para modificar o desenho de seu couro cabeludo, e a outras medidas drásticas para afiliar-se ao ideal de beleza dos anos 40 (uma figura de beleza que seria barbarizada por Orson Welles, então seu marido, para filmar A Dama de Shangai). Um mito que inflacionou o valor da imagem de Marilyn Monroe, que teve fotos suas, clicadas em 1949 por Tom Kelley para a Playboy, estimadas em até US$ 850 mil por ocasião de um leilão. Um mito que arrasta multidões de produtores de testosterona para o cinema pela simples presença de uma musa (não há outro meio que explique a realização de filmes como Mulher-Gato, com Halle Berry, e Electra, com Jennifer Garner). Um mito que expande-se pelo audiovisual, seja seu suporte o cinema ou a televisão – vide a recente cena de nudez completa de Ana Paula Arósio na novela Páginas da Vida, cena que constitui-se em tentativa de desmitificação como parte de uma estratégia de conquistar audiência – Ana Paula nua recicla Ana Paula lolita.

Nesse sentido, a crítica norte-americana Elizabeth Ann Kaplan é bibliografia básica. Em A Mulher e o Cinema – Os Dois Lados da Câmera (editora Rocco), aponta o desejo como um dogma patriarcal que usa a sensualidade como meio para tornar a mulher marginal, alienada. Ou seja, uma visão que exalta o corpo para calar a boca. Para referendar que Hollywood multiplica essa hierarquia da imagem e do desejo, Elizabeth menciona Roland Barthes e sua leitura de que o cinema se dissocia da realidade ao reivindicar que o mito e os signos que cria e veicula (o corpo estetizado, as insinuações sexuais) são substitutos do corpo real, não exatamente representações do mundo real. Parece coisa das antigas esse papo de mito patriarcal e signo que canibaliza o objeto real? Pode até parecer, mas funciona até hoje, e Hollywood e os promotores de eleições das “dez mais” sabem disso.

Para ilustrar o mito sexual no cinema – e, de brinde, embelezar duas páginas da edição – o Diário escolheu aleatoriamente uma das recentes listas de “mais, mais”. Selecionou a da revista eletrônica Movie Review, que pretere algumas obviedades e lista atrizes inesperadas, como Jennifer Garner no primeiro posto. Encante-se!

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;