Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Prefeito reeleito de Macapá é libertado


Do Diário OnLine
Com Agências

14/11/2004 | 15:13


O prefeito reeleito de Macapá, João Henrique Pimentel (PT), foi libertado na noite de sábado da carceragem da Polícia Federal no Amapá. O prazo da prisão temporária, de cinco dias, venceu e não foi pedida a prorrogação porque o acusado colaborou com a investigação.

João Henrique é acusado de fraude em licitação, com desvio de verba referente a três obras que receberiam recursos federais e que totalizam R$ 9 milhões. Ele foi detido durante a Operação Pororoca da Polícia Federal.

O prefeito de Macapá é acusado também pela polícia de receber um veículo como propina, no valor de R$ 27 mil, do empresário Luís Eduardo Pinheiro Correia, principal investigado no caso. O petista foi indiciado por formação de quadrilha, corrupção passiva, desvio de verbas públicas e fraudes em licitações.

Ele não quis se pronunciar após a libertação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeito reeleito de Macapá é libertado

Do Diário OnLine
Com Agências

14/11/2004 | 15:13


O prefeito reeleito de Macapá, João Henrique Pimentel (PT), foi libertado na noite de sábado da carceragem da Polícia Federal no Amapá. O prazo da prisão temporária, de cinco dias, venceu e não foi pedida a prorrogação porque o acusado colaborou com a investigação.

João Henrique é acusado de fraude em licitação, com desvio de verba referente a três obras que receberiam recursos federais e que totalizam R$ 9 milhões. Ele foi detido durante a Operação Pororoca da Polícia Federal.

O prefeito de Macapá é acusado também pela polícia de receber um veículo como propina, no valor de R$ 27 mil, do empresário Luís Eduardo Pinheiro Correia, principal investigado no caso. O petista foi indiciado por formação de quadrilha, corrupção passiva, desvio de verbas públicas e fraudes em licitações.

Ele não quis se pronunciar após a libertação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;