Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Estrutura atrai profissionais do Mais Médicos ao Grande ABC

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Contratados para substituir cubanos, profissionais também levam em conta proximidade da Capital


Aline Melo

24/02/2019 | 07:00


De um lado a experiência de quem já tem 40 anos de profissão. Do outro, a juventude de médicos recém-formados que buscam formas de se relacionar com os pacientes. Comum a todos, a avaliação positiva da estrutura e dos indicadores de saúde das cidades do Grande ABC. Profissionais do Mais Médicos que vieram à região em substituição aos cubanos – desligados em novembro do ano passado – são unânimes em apontar, entre os critérios de escolha dos municípios onde vão atuar, e até mesmo morar, também a proximidade com a Capital. 

Não por acaso, Mauá, que passa por momento tenso tanto econômico – a vice-prefeita e então prefeita interina decretou, em 6 de julho, estado de calamidade financeira – quanto político –, tendo em vista que o prefeito Atila Jacomussi (PSB) já foi preso (e liberado) duas vezes desde maio do ano passado e responde a processo de impeachment na Câmara Municipal –, tem o maior número vagas do Mais Médicos em aberto. São nove dentre as 13 do Grande ABC.

Em São Bernardo, na UBS (Unidade Básica de Saúde) Ferrazópolis, a experiência do ginecologista Pedro Gregori, 72 anos, contrasta com o ainda curto período de profissão do generalista Jean Carlo Oliveira, 29, que aguarda pela aprovação para residência – pretende se especializar em oftalmologia. Gregori estava aposentado quando o governo cubano anunciou o fim da parceria com o Brasil. “Estávamos morando no Interior, mas minha esposa queria voltar para a região. Me incentivou a fazer a inscrição e deu certo”, comemorou.

Gregori já havia atuado como ginecologista em UBSs do Grande ABC e, agora, encara o desafio de ser médico de família. “Tenho me dado bem na forma de atendimento, baseado na minha experiência de vida. Trato o paciente como alguém da minha família e tenho me sentido bastante adaptado”, afirmou o profissional, que está na unidade desde dezembro. “Me sinto começando de novo. O programa (Mais Médicos) é fantástico, merecia ser expandido. A rede de São Bernardo é bem estruturada, somos privilegiados”, completou.

A estrutura da cidade também foi o que atraiu Oliveira, que se formou em Lima, no Peru, e conta com autorização para clinicar no Brasil desde 2016 – já atuou em Brasília e em Rio Branco, no Acre. O jovem tentou ingressar no Mais Médicos anteriormente, mas só conseguiu em novembro, com a saída dos cubanos e a oferta de 8.000 vagas em todo o País – 77 no Grande ABC. A indicação de amigo, que já havia trabalhado em São Bernardo, foi fundamental para a escolha da cidade. “Pretendo ficar esses três anos do contrato e, após a especialização, seria uma alegria voltar à rede”, afirmou.

Há cerca de um mês na USF (Unidade de Saúde da Família) Cipreste, em Santo André, Frederico Custódio, 27, se interessou pela atenção básica durante a graduação em medicina na Unicamp (Universidade Federal de Campinas). “Fui me atraindo por esse contato mais próximo com o paciente e, nos últimos dois anos, já havia decidido tentar ingressar no Mais Médicos para ter essa experiência”, relatou. A escolha por Santo André se baseou nos bons indicadores de saúde e na proximidade com São Paulo. “Tem sido fantástico. Aqui posso fazer promoção e prevenção, conversar com as pessoas sobre a saúde global, não só a física. Fazer uma conversa e não apenas uma consulta”, concluiu.

População das cidades aprova a troca de profissionais

Cubanos, brasileiros, peruanos. A nacionalidade pouco importa. O que as pessoas querem é poder ser atendidas na unidade de saúde mais próxima da sua casa. Essa é a avaliação da coordenadora da atenção básica de Santo André, Claudia Nemur Moreira. “Claro que com a saída dos cubanos houve o rompimento de vínculos, eram profissionais muito bem aceitos, mas o que o morador quer é ser atendido, ser acolhido, por quem quer que seja.”

A dona de casa Leidiane Souza, 20 anos, cadastrada na USF (Unidade de Saúde da Família) Cipreste, em Santo André, concorda com a gestora. A jovem já foi atendida por médica cubana (a generalista Emarilis Carbonell) e, na última consulta, trocou a receita do anticoncepcional com o profissional recém-chegado por meio do programa Mais Médicos, Frederico Custódio, 27. “No começo havia dificuldade com o idioma, mas o atendimento era muito bom. E agora não foi diferente. O médico foi atencioso e eu gostei bastante”, afirmou.

A dona de casa Aritana Almeida, 32, aguarda pela consulta com o médico na USF Cipreste, agendada para março. “Os pacientes sentiram a saída da doutora Emarilis, mas estamos na expectativa de que o novo médico seja tão bom quanto ela”, pontuou.

Paciente da UBS (Unidade Básica de Saúde) Ferrazópolis, em São Bernardo, a doméstica Sueli Lopes, 40, foi atendida pela primeira vez pelo generalista Jean Carlo Oliveira, 29. A munícipe afirmou que não ficou apreensiva com a saída dos cubanos do País, pois avaliou que seriam substituídos por profissionais tão bons quanto eles. Na unidade em questão, não havia cubanos, mas a abertura de vagas em todo o País resultou na saída de dois profissionais. “Gostei bastante do médico, achei muito atencioso”, avaliou.

Coordenadora da unidade de saúde de São Bernardo, Raquel Silva, 44, acompanhou a chegada e saída dos cubanos da cidade e destacou a importância daqueles profissionais. “A população aceitou muito bem, eles tinham um diferencial de acolhimento. Para as pessoas, ficou mais um sentimento de tristeza do que de revolta”, apontou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estrutura atrai profissionais do Mais Médicos ao Grande ABC

Contratados para substituir cubanos, profissionais também levam em conta proximidade da Capital

Aline Melo

24/02/2019 | 07:00


De um lado a experiência de quem já tem 40 anos de profissão. Do outro, a juventude de médicos recém-formados que buscam formas de se relacionar com os pacientes. Comum a todos, a avaliação positiva da estrutura e dos indicadores de saúde das cidades do Grande ABC. Profissionais do Mais Médicos que vieram à região em substituição aos cubanos – desligados em novembro do ano passado – são unânimes em apontar, entre os critérios de escolha dos municípios onde vão atuar, e até mesmo morar, também a proximidade com a Capital. 

Não por acaso, Mauá, que passa por momento tenso tanto econômico – a vice-prefeita e então prefeita interina decretou, em 6 de julho, estado de calamidade financeira – quanto político –, tendo em vista que o prefeito Atila Jacomussi (PSB) já foi preso (e liberado) duas vezes desde maio do ano passado e responde a processo de impeachment na Câmara Municipal –, tem o maior número vagas do Mais Médicos em aberto. São nove dentre as 13 do Grande ABC.

Em São Bernardo, na UBS (Unidade Básica de Saúde) Ferrazópolis, a experiência do ginecologista Pedro Gregori, 72 anos, contrasta com o ainda curto período de profissão do generalista Jean Carlo Oliveira, 29, que aguarda pela aprovação para residência – pretende se especializar em oftalmologia. Gregori estava aposentado quando o governo cubano anunciou o fim da parceria com o Brasil. “Estávamos morando no Interior, mas minha esposa queria voltar para a região. Me incentivou a fazer a inscrição e deu certo”, comemorou.

Gregori já havia atuado como ginecologista em UBSs do Grande ABC e, agora, encara o desafio de ser médico de família. “Tenho me dado bem na forma de atendimento, baseado na minha experiência de vida. Trato o paciente como alguém da minha família e tenho me sentido bastante adaptado”, afirmou o profissional, que está na unidade desde dezembro. “Me sinto começando de novo. O programa (Mais Médicos) é fantástico, merecia ser expandido. A rede de São Bernardo é bem estruturada, somos privilegiados”, completou.

A estrutura da cidade também foi o que atraiu Oliveira, que se formou em Lima, no Peru, e conta com autorização para clinicar no Brasil desde 2016 – já atuou em Brasília e em Rio Branco, no Acre. O jovem tentou ingressar no Mais Médicos anteriormente, mas só conseguiu em novembro, com a saída dos cubanos e a oferta de 8.000 vagas em todo o País – 77 no Grande ABC. A indicação de amigo, que já havia trabalhado em São Bernardo, foi fundamental para a escolha da cidade. “Pretendo ficar esses três anos do contrato e, após a especialização, seria uma alegria voltar à rede”, afirmou.

Há cerca de um mês na USF (Unidade de Saúde da Família) Cipreste, em Santo André, Frederico Custódio, 27, se interessou pela atenção básica durante a graduação em medicina na Unicamp (Universidade Federal de Campinas). “Fui me atraindo por esse contato mais próximo com o paciente e, nos últimos dois anos, já havia decidido tentar ingressar no Mais Médicos para ter essa experiência”, relatou. A escolha por Santo André se baseou nos bons indicadores de saúde e na proximidade com São Paulo. “Tem sido fantástico. Aqui posso fazer promoção e prevenção, conversar com as pessoas sobre a saúde global, não só a física. Fazer uma conversa e não apenas uma consulta”, concluiu.

População das cidades aprova a troca de profissionais

Cubanos, brasileiros, peruanos. A nacionalidade pouco importa. O que as pessoas querem é poder ser atendidas na unidade de saúde mais próxima da sua casa. Essa é a avaliação da coordenadora da atenção básica de Santo André, Claudia Nemur Moreira. “Claro que com a saída dos cubanos houve o rompimento de vínculos, eram profissionais muito bem aceitos, mas o que o morador quer é ser atendido, ser acolhido, por quem quer que seja.”

A dona de casa Leidiane Souza, 20 anos, cadastrada na USF (Unidade de Saúde da Família) Cipreste, em Santo André, concorda com a gestora. A jovem já foi atendida por médica cubana (a generalista Emarilis Carbonell) e, na última consulta, trocou a receita do anticoncepcional com o profissional recém-chegado por meio do programa Mais Médicos, Frederico Custódio, 27. “No começo havia dificuldade com o idioma, mas o atendimento era muito bom. E agora não foi diferente. O médico foi atencioso e eu gostei bastante”, afirmou.

A dona de casa Aritana Almeida, 32, aguarda pela consulta com o médico na USF Cipreste, agendada para março. “Os pacientes sentiram a saída da doutora Emarilis, mas estamos na expectativa de que o novo médico seja tão bom quanto ela”, pontuou.

Paciente da UBS (Unidade Básica de Saúde) Ferrazópolis, em São Bernardo, a doméstica Sueli Lopes, 40, foi atendida pela primeira vez pelo generalista Jean Carlo Oliveira, 29. A munícipe afirmou que não ficou apreensiva com a saída dos cubanos do País, pois avaliou que seriam substituídos por profissionais tão bons quanto eles. Na unidade em questão, não havia cubanos, mas a abertura de vagas em todo o País resultou na saída de dois profissionais. “Gostei bastante do médico, achei muito atencioso”, avaliou.

Coordenadora da unidade de saúde de São Bernardo, Raquel Silva, 44, acompanhou a chegada e saída dos cubanos da cidade e destacou a importância daqueles profissionais. “A população aceitou muito bem, eles tinham um diferencial de acolhimento. Para as pessoas, ficou mais um sentimento de tristeza do que de revolta”, apontou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;