Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Balança comercial da região atinge maior saldo positivo desde 2012

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Apesar do resultado, tanto volumes de exportações quanto de importações apresentaram quedas


Gabriel Russini
Especial para o Diário

04/02/2017 | 07:23


A balança comercial do Grande ABC atingiu, pelo segundo ano consecutivo, saldo positivo – isso ocorre quando o volume exportado supera o montante importado. Em 2016, as empresas instaladas na região venderam a outros países o total de US$ 4,569 bilhões, e compraram o equivalente a US$ 3,237 bilhões. Assim, as movimentações geraram superavit de US$ 1,331 bilhão, o maior saldo em cinco anos. O volume supera os montantes registrados de 2012 para cá e encosta no de 2011, com US$ 1,420 bilhão.

Em 2015, a balança ficou positiva em R$ 824,1 milhões. O levantamento foi realizado pelo Diário com base em dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio).

Apesar de o resultado ser positivo, não há muito o que comemorar, pois tanto as exportações como as importações caíram, 7,1% e 21%, respectivamente, em relação a 2015. “O número de exportações só foi maior do que o de importações porque o consumo interno diminuiu. Na atual conjuntura, nossa economia está desaquecida. Nossa indústria caiu e, consequentemente, o desemprego aumentou”, explica o diretor do departamento de comércio exterior do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Bernardo, José Rufino. “A situação está longe de ser boa.”

Para o economista Ricardo Balistiero, coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia, a redução nos valores é reflexo direto das turbulências política e econômica. “Em tempos de recessão, a ordem é economizar. Se as pessoas consomem menos, o patrão também terá que apertar os cintos, reduzir custos, cortar funcionários e, obviamente, comprar menos produtos no Exterior.”

Balistiero destaca, entretanto, que apesar da recessão, a indústria automobilística é responsável por grande parte do volume exportado. Na crise, as montadoras buscam redirecionar seus produtos ao mercado externo, na tentativa de compensar a desaceleração do consumo interno. “Por sediar muitas empresas do ramo, o volume de exportações da região costuma ser alto, mas a situação já foi melhor.”

O Grande ABC possui seis montadoras, sendo cinco em São Bernardo (Ford, Mercedes-Benz, Volkswagen, Toyota e Scania) e uma em São Caetano (General Motors).

O que evidencia o cenário de crise é a corrente de comércio, formada pela soma do valor das exportações e importações. No ano passado, houve queda de 13,37% ante 2015, ao passar de US$ 9,010 bilhões para US$ 7,806 bilhões.

Ao analisar as sete cidades da região, apenas Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires fecharam 2016 com superavit. Nas demais, as compras de outros países superaram as vendas ao Exterior.

IMPORTAÇÕES - A Alemanha continua sendo o País que mais vende para o Grande ABC. Entretanto, o valor pago pelas empresas da região aos alemães caiu pelo segundo ano consecutivo. Em 2015, houve queda de 38,9% nas compras do país, e o montante passou de US$ 1,052 bilhão para US$ 643 milhões. No ano passado, houve retração menor, de 13,19%.

Em segundo lugar no ranking das exportações estão os Estados Unidos, que em 2016 arrecadaram US$ 489,9 milhões com os pedidos da região, valor 19,65% menor do que o registrado em 2015, quando os norte-americanos receberam US$ 609,7 milhões.

Assim como em 2015, a China aparece na terceira colocação, com US$ 407,5 bilhões, quantia 21,13% menor da captada em 2015: US$ 516 bilhões.


México alça a posto de 2º maior cliente

Um dos principais parceiros comerciais do Brasil no Exterior, o México, ampliou sua participação no mercado de compradores internacionais do Grande ABC. Pelo segundo ano consecutivo, as exportações feitas por empresas da região a esse país cresceram.

De 2015 para 2016, houve crescimento de 4,19% no valor pago pelos mexicanos, de US$ 393,5 milhões para US$ 410 milhões. A continuidade desse crescimento, porém, pode estar em risco com a posse do republicano Donald Trump, eleito presidente dos Estados Unidos no fim de 2016.

Trump afirmou diversas vezes, em entrevistas coletivas, que pretende aumentar a taxa para os produtos mexicanos entrarem em solo norte-americano, e tal medida pode influenciar negativamente as venda do Brasil, grande parceiro comercial dos mexicanos.

“Ainda é uma incógnita, mas acho que, em caso de protecionismo na economia norte-americana, isso pode se tornar algo positivo, porque outros países estão dispostos a estreitar mais relações conosco, como a China, e até o próprio México. Então ficamos menos dependentes dos Estados Unidos”, comenta o economista Ricardo Balistiero.

O México não só comprou mais das sete cidades como passou os Estados Unidos no ranking de principais parceiros comerciais, e se tornou o segundo país que mais importa do Brasil.

Pelo segundo ano consecutivo, a propósito, o valor desembolsado pelas companhias ianques diminuiu. Em 2014, o montante pago pelos norte-americanos foi de US$ 508,1 milhões. Já em 2015, atingiu US$ 408,6 milhões e, no ano passado, caiu mais ainda, para US$ 277,6 milhões.

Outra nação que também diminuiu o valor gasto com exportações de produtos da região foi a Argentina, que em 2016, pagou US$ 1,824 bilhão para as empresas do Grande ABC e, em 2015, havia desembolsado US$ 2,122 bilhões.

Para Balistiero, a eleição de Mauricio Macri para presidente em 2015 fez com que os investidores argentinos passassem a consumir mais localmente. “Macri estimulou a economia interna, fazendo com que os hermanos comprassem mais dentro de casa, o que consequentemente fez com que eles importassem menos do Brasil.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Balança comercial da região atinge maior saldo positivo desde 2012

Apesar do resultado, tanto volumes de exportações quanto de importações apresentaram quedas

Gabriel Russini
Especial para o Diário

04/02/2017 | 07:23


A balança comercial do Grande ABC atingiu, pelo segundo ano consecutivo, saldo positivo – isso ocorre quando o volume exportado supera o montante importado. Em 2016, as empresas instaladas na região venderam a outros países o total de US$ 4,569 bilhões, e compraram o equivalente a US$ 3,237 bilhões. Assim, as movimentações geraram superavit de US$ 1,331 bilhão, o maior saldo em cinco anos. O volume supera os montantes registrados de 2012 para cá e encosta no de 2011, com US$ 1,420 bilhão.

Em 2015, a balança ficou positiva em R$ 824,1 milhões. O levantamento foi realizado pelo Diário com base em dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio).

Apesar de o resultado ser positivo, não há muito o que comemorar, pois tanto as exportações como as importações caíram, 7,1% e 21%, respectivamente, em relação a 2015. “O número de exportações só foi maior do que o de importações porque o consumo interno diminuiu. Na atual conjuntura, nossa economia está desaquecida. Nossa indústria caiu e, consequentemente, o desemprego aumentou”, explica o diretor do departamento de comércio exterior do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Bernardo, José Rufino. “A situação está longe de ser boa.”

Para o economista Ricardo Balistiero, coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia, a redução nos valores é reflexo direto das turbulências política e econômica. “Em tempos de recessão, a ordem é economizar. Se as pessoas consomem menos, o patrão também terá que apertar os cintos, reduzir custos, cortar funcionários e, obviamente, comprar menos produtos no Exterior.”

Balistiero destaca, entretanto, que apesar da recessão, a indústria automobilística é responsável por grande parte do volume exportado. Na crise, as montadoras buscam redirecionar seus produtos ao mercado externo, na tentativa de compensar a desaceleração do consumo interno. “Por sediar muitas empresas do ramo, o volume de exportações da região costuma ser alto, mas a situação já foi melhor.”

O Grande ABC possui seis montadoras, sendo cinco em São Bernardo (Ford, Mercedes-Benz, Volkswagen, Toyota e Scania) e uma em São Caetano (General Motors).

O que evidencia o cenário de crise é a corrente de comércio, formada pela soma do valor das exportações e importações. No ano passado, houve queda de 13,37% ante 2015, ao passar de US$ 9,010 bilhões para US$ 7,806 bilhões.

Ao analisar as sete cidades da região, apenas Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires fecharam 2016 com superavit. Nas demais, as compras de outros países superaram as vendas ao Exterior.

IMPORTAÇÕES - A Alemanha continua sendo o País que mais vende para o Grande ABC. Entretanto, o valor pago pelas empresas da região aos alemães caiu pelo segundo ano consecutivo. Em 2015, houve queda de 38,9% nas compras do país, e o montante passou de US$ 1,052 bilhão para US$ 643 milhões. No ano passado, houve retração menor, de 13,19%.

Em segundo lugar no ranking das exportações estão os Estados Unidos, que em 2016 arrecadaram US$ 489,9 milhões com os pedidos da região, valor 19,65% menor do que o registrado em 2015, quando os norte-americanos receberam US$ 609,7 milhões.

Assim como em 2015, a China aparece na terceira colocação, com US$ 407,5 bilhões, quantia 21,13% menor da captada em 2015: US$ 516 bilhões.


México alça a posto de 2º maior cliente

Um dos principais parceiros comerciais do Brasil no Exterior, o México, ampliou sua participação no mercado de compradores internacionais do Grande ABC. Pelo segundo ano consecutivo, as exportações feitas por empresas da região a esse país cresceram.

De 2015 para 2016, houve crescimento de 4,19% no valor pago pelos mexicanos, de US$ 393,5 milhões para US$ 410 milhões. A continuidade desse crescimento, porém, pode estar em risco com a posse do republicano Donald Trump, eleito presidente dos Estados Unidos no fim de 2016.

Trump afirmou diversas vezes, em entrevistas coletivas, que pretende aumentar a taxa para os produtos mexicanos entrarem em solo norte-americano, e tal medida pode influenciar negativamente as venda do Brasil, grande parceiro comercial dos mexicanos.

“Ainda é uma incógnita, mas acho que, em caso de protecionismo na economia norte-americana, isso pode se tornar algo positivo, porque outros países estão dispostos a estreitar mais relações conosco, como a China, e até o próprio México. Então ficamos menos dependentes dos Estados Unidos”, comenta o economista Ricardo Balistiero.

O México não só comprou mais das sete cidades como passou os Estados Unidos no ranking de principais parceiros comerciais, e se tornou o segundo país que mais importa do Brasil.

Pelo segundo ano consecutivo, a propósito, o valor desembolsado pelas companhias ianques diminuiu. Em 2014, o montante pago pelos norte-americanos foi de US$ 508,1 milhões. Já em 2015, atingiu US$ 408,6 milhões e, no ano passado, caiu mais ainda, para US$ 277,6 milhões.

Outra nação que também diminuiu o valor gasto com exportações de produtos da região foi a Argentina, que em 2016, pagou US$ 1,824 bilhão para as empresas do Grande ABC e, em 2015, havia desembolsado US$ 2,122 bilhões.

Para Balistiero, a eleição de Mauricio Macri para presidente em 2015 fez com que os investidores argentinos passassem a consumir mais localmente. “Macri estimulou a economia interna, fazendo com que os hermanos comprassem mais dentro de casa, o que consequentemente fez com que eles importassem menos do Brasil.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;