Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PT quer Meira na comissão de ética


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

04/06/2015 | 07:00


A bancada do PT quer levar o vereador de Diadema Reinaldo Meira (ex-PR) ao conselho de ética da Câmara. O ex-republicano bateu boca com funcionários do Hospital Municipal, no bairro Piraporinha, no sábado, e foi acusado por servidores de abuso de autoridade ao supostamente furar a fila de atendimento. Ele diz que foi hostilizado por servidores ao comparecer ao PS (Pronto-Socorro) do equipamento público e nega qualquer ato ilegal.

Segundo o vereador Manoel Eduardo Marinho, o Maninho (PT), comissão de Saúde do Legislativo foi acionada para apurar o caso, ouvir as testemunhas e os envolvidos. Se constatado crime por parte do parlamentar, haveria análise de conduta do vereador, que pode ser enquadrado em quebra de decoro.

“Talvez até haja processo de danos morais pelo episódio protagonizado pelo vereador. Exigência nossa é que o caso seja amplamente apurado. Vereador tem de ter equilíbrio emocional. Ele é vereador sem partido, de qualquer partido e de qualquer governo”, disparou.

As ilações se referem ao fato de Reinaldo Meira ter sido conselheiro do HM por indicação do PT, na gestão do ex-prefeito Mário Reali, e por também ter sido filiado ao petismo. Expulso do PR em março, Meira acusou o PT de querer rotular os vereadores da base de apoio do prefeito Lauro Michels (PV) e de não terem aceitado a vitória do verde na eleição de 2012.
O episódio foi o mais comentado da sessão de ontem, antecipada por conta do feriado. O Diário mostrou que a Câmara foi oficiada sobre o caso. Funcionários dizem que Meira gritou e desrespeitou enfermeiros, além de tentar burlar fila de atendimento para favorecer um munícipe de seu bairro. Já o vereador afirma que foi hostilizado logo que chegou ao local por ter aprovado projeto de lei que permite a Lauro terceirizar a gestão de Saúde, por meio de contratações de OSs (Organizações de Saúde).

“Alterei um pouco a voz no hospital, mas após a reação absurda do funcionário, que me agrediu verbalmente. Apenas me defendi. Estou cansado de tanta demagogia e hipocrisia por parte do PT, que sempre se mostrou moralista e arruinou a Petrobras com tanta corrupção”, atacou Reinaldo Meira. “Fui hostilizado no hospital, mas por pessoas filiadas ao PT, como acontece aqui na Câmara. Eles me chamaram de vendido, mas isso não é verdade. E não mudo de lado, prefiro estar sem partido do que estar no PT, que mente e que trata as pessoas como burras”, complementou.

Josa Queiroz (PT) rebateu. “Fala tanto do PT, quer apontar o dedo. Aviso que não aceitaremos mais ser achincalhados, ainda mais por gente que mudou de lado várias vezes e que é acostumada a dar a palavra e depois mudar, quando é conveniente, como foi na eleição da Câmara, quando deu a palavra que votaria no Célio Boi (PSB) e depois se vendeu (votando em José Dourado, do PSDB).”

(Colaborou Leandro Baldini)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PT quer Meira na comissão de ética

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

04/06/2015 | 07:00


A bancada do PT quer levar o vereador de Diadema Reinaldo Meira (ex-PR) ao conselho de ética da Câmara. O ex-republicano bateu boca com funcionários do Hospital Municipal, no bairro Piraporinha, no sábado, e foi acusado por servidores de abuso de autoridade ao supostamente furar a fila de atendimento. Ele diz que foi hostilizado por servidores ao comparecer ao PS (Pronto-Socorro) do equipamento público e nega qualquer ato ilegal.

Segundo o vereador Manoel Eduardo Marinho, o Maninho (PT), comissão de Saúde do Legislativo foi acionada para apurar o caso, ouvir as testemunhas e os envolvidos. Se constatado crime por parte do parlamentar, haveria análise de conduta do vereador, que pode ser enquadrado em quebra de decoro.

“Talvez até haja processo de danos morais pelo episódio protagonizado pelo vereador. Exigência nossa é que o caso seja amplamente apurado. Vereador tem de ter equilíbrio emocional. Ele é vereador sem partido, de qualquer partido e de qualquer governo”, disparou.

As ilações se referem ao fato de Reinaldo Meira ter sido conselheiro do HM por indicação do PT, na gestão do ex-prefeito Mário Reali, e por também ter sido filiado ao petismo. Expulso do PR em março, Meira acusou o PT de querer rotular os vereadores da base de apoio do prefeito Lauro Michels (PV) e de não terem aceitado a vitória do verde na eleição de 2012.
O episódio foi o mais comentado da sessão de ontem, antecipada por conta do feriado. O Diário mostrou que a Câmara foi oficiada sobre o caso. Funcionários dizem que Meira gritou e desrespeitou enfermeiros, além de tentar burlar fila de atendimento para favorecer um munícipe de seu bairro. Já o vereador afirma que foi hostilizado logo que chegou ao local por ter aprovado projeto de lei que permite a Lauro terceirizar a gestão de Saúde, por meio de contratações de OSs (Organizações de Saúde).

“Alterei um pouco a voz no hospital, mas após a reação absurda do funcionário, que me agrediu verbalmente. Apenas me defendi. Estou cansado de tanta demagogia e hipocrisia por parte do PT, que sempre se mostrou moralista e arruinou a Petrobras com tanta corrupção”, atacou Reinaldo Meira. “Fui hostilizado no hospital, mas por pessoas filiadas ao PT, como acontece aqui na Câmara. Eles me chamaram de vendido, mas isso não é verdade. E não mudo de lado, prefiro estar sem partido do que estar no PT, que mente e que trata as pessoas como burras”, complementou.

Josa Queiroz (PT) rebateu. “Fala tanto do PT, quer apontar o dedo. Aviso que não aceitaremos mais ser achincalhados, ainda mais por gente que mudou de lado várias vezes e que é acostumada a dar a palavra e depois mudar, quando é conveniente, como foi na eleição da Câmara, quando deu a palavra que votaria no Célio Boi (PSB) e depois se vendeu (votando em José Dourado, do PSDB).”

(Colaborou Leandro Baldini)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;