Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mais uma vez, crime pára ônibus


Bruno Ribeiro e Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

13/07/2006 | 07:56


As empresas que operam o transporte público municipal e intermunicipal no Grande ABC começaram a recolher os ônibus por volta das 21h de quarta-feira, deixando os pontos lotados de passageiros que não tinham como voltar para casa. A medida foi tomada depois que três veículos foram incen diados no início da noite no Jardim Cristiane, em Santo André. Ao longo do dia, outros sete já haviam sido queimados por criminosos na cidade, em Mauá e em Diadema.

A AETC/ABC (Associação das Empresas de Transporte Coletivo do ABC) diz que os ônibus foram tirados de circulação por falta de segurança. “O Estado precisa colocar a polícia na rua. Não podemos correr o risco de perder mais veículos, incendiados pelos criminosos”, justifica o presidente da entidade, Baltazar José de Souza.

Os ônibus deixaram de circular antes do horário normal nos sete municípios da região. A situação pode se repetir nesta quinta-feira, segundo o presidente da entidade. Os atentados do PCC (Primeiro Comando da Capital) no Grande ABC – ao todo, dez – recomeçaram na madrugada de quarta-feira. Não houve registros de vítimas. Três agências bancárias foram atacadas, todas por volta das 3h. O HSBC do Parque das Nações, em Santo André, e o Itaú do Jardim Zaíra, em Mauá, sofreram tentativa de incêndio. No Itaú, o caixa eletrônico foi destruído e as marcas do fogo chegaram ao teto da agência.

No HSBC de Santo André, a suspeita é de que um coquetel molotov tenha sido lançado na porta da agência, mas não chegou quebrar o vidro e entrar no prédio. Por isso, não houve danos no interior do banco, apenas as marcas pretas do fogo na parte de fora. O Bradesco da avenida Maria Servidei Demarchi, em São Bernardo, teve uma vidraça estraçalhada por tiros.

Ataques contra bancos e ônibus ocorreram simultaneamente, por volta das 3h. O primeiro coletivo atacado, no Jardim Zaíra II, em Mauá, foi incendiado poucos minutos depois do atentado contra o banco Itaú do mesmo bairro. Foi um ônibus particular, usado para o fretamento dos funcionários de uma empresa.Depois, mais dois incêndios em Mauá, ocorridos já no final da manhã. Na Vila Assis Brasil, o coletivo ficou destruído. No Jardim Feital, populares apagaram as chamas. Em São Bernardo, a polícia conseguiu frustrar um ataque, no Jardim Silvina, mas nenhum membro do PCC foi preso.

Em Diadema, por volta das 16h, três ônibus foram queimados ao mesmo tempo no bairro Campanário. Até o fechamento desta edição, ninguém na região havia sido preso sob suspeita de participação nos atentados.

Ataques do PCC na região

3h desta quarta-feira

A agência do Banco Itaú no Jardim Zaíra, Mauá, é atacada. Uma bomba incendiária, possivelmente coquetel Molotov, foi atirada na parte onde ficam os caixas eletrônicos 24 horas. O atendimento na agência teve que ser interrompido nesta quarta-feira.

Um ônibus particular, usado para transporte de funcionários de uma empresa, foi queimado no mesmo bairro, por volta do mesmo horário. O veículo estava estacionado e não houve vítimas. Ninguém viu quem eram os responsáveis pelo ataque. O ônibus foi retirado nas primeiras horas da manhã.  A agência do HSBC do Parque das Nações, em Santo André, foi atacada. Um coquetel Molotov foi lançado, acertou o vidro, mas não chegou a cair dentro do banco.

Funcionários disseram que o circuito interno de TV registrou o incêndio, mas não é possível ver o número de criminosos envolvidos. O Bradesco da avenida Maria Servidei Demarchi, no bairro Demarchi, em São Bernardo, teve uma vidraça quebrada por tiros. Um Astra foi visto em frente ao banco no momento da ação, mas não há suspeitos.

7h

No Jardim Silvina, em São Bernardo, dois homens se preparavam para atear fogo em um ônibus. A aproximação de uma viatura da Polícia Civil fez com que eles fugissem. Eles estavam em um Astra.

10h

Um ônibus da linha 44 foi parado na avenida João Varim, na Vila Assis Brasil, em Mauá, por três rapazes. Eles obrigaram o motorista a entrar numa rua lateral, obrigaram os passageiros a descer e atearam fogo. O ônibus ficou destruído. Nenhum passageiro se feriu. 

Minutos depois, no Jardim Feital, também em Mauá, dois passageiros de um ônibus roubaram o cobrador e obrigaram o motorista a parar o veículo.

Além do motorista e o cobrador, havia dois passageiros no ônibus. Os criminosos mandaram todos descer  e atearam fogo no painel do veículo. Eles subiram o morro a pé e fugiram.

O ônibus foi salvo por pessoas que viram a ação e ajudaram a apagar o fogo. Mesmo assim, partes do interior do veículo foram destruídas.

15h

Uma denúncia de bomba deslocou policiais da Força Tática da PM até a rua Austrália, bairro Independência, em São Bernardo. O local da bomba era entre duas creches e em frente a um conjunto residencial. O artefato oval, do tamanho de uma bola de futebol, foi explodido preventivamente pela polícia, que constatou que a bomba era falsa.

15h30

No bairro Campanário, em Diadema, três ônibus foram queimados no mesmo local. A informação é de que os passageiros foram obrigados a descer na avenida Brasília, onde os criminosos atearam fogo no veículo.

19h

O PCC ataca três ônibus no Jardim Cristiane, em Santo André. Criminosos armados com metralhadoras esperam os ônibus queimarem. A reação das empresas de transporte é recolher todos os ônibus da cidade às 22h.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mais uma vez, crime pára ônibus

Bruno Ribeiro e Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

13/07/2006 | 07:56


As empresas que operam o transporte público municipal e intermunicipal no Grande ABC começaram a recolher os ônibus por volta das 21h de quarta-feira, deixando os pontos lotados de passageiros que não tinham como voltar para casa. A medida foi tomada depois que três veículos foram incen diados no início da noite no Jardim Cristiane, em Santo André. Ao longo do dia, outros sete já haviam sido queimados por criminosos na cidade, em Mauá e em Diadema.

A AETC/ABC (Associação das Empresas de Transporte Coletivo do ABC) diz que os ônibus foram tirados de circulação por falta de segurança. “O Estado precisa colocar a polícia na rua. Não podemos correr o risco de perder mais veículos, incendiados pelos criminosos”, justifica o presidente da entidade, Baltazar José de Souza.

Os ônibus deixaram de circular antes do horário normal nos sete municípios da região. A situação pode se repetir nesta quinta-feira, segundo o presidente da entidade. Os atentados do PCC (Primeiro Comando da Capital) no Grande ABC – ao todo, dez – recomeçaram na madrugada de quarta-feira. Não houve registros de vítimas. Três agências bancárias foram atacadas, todas por volta das 3h. O HSBC do Parque das Nações, em Santo André, e o Itaú do Jardim Zaíra, em Mauá, sofreram tentativa de incêndio. No Itaú, o caixa eletrônico foi destruído e as marcas do fogo chegaram ao teto da agência.

No HSBC de Santo André, a suspeita é de que um coquetel molotov tenha sido lançado na porta da agência, mas não chegou quebrar o vidro e entrar no prédio. Por isso, não houve danos no interior do banco, apenas as marcas pretas do fogo na parte de fora. O Bradesco da avenida Maria Servidei Demarchi, em São Bernardo, teve uma vidraça estraçalhada por tiros.

Ataques contra bancos e ônibus ocorreram simultaneamente, por volta das 3h. O primeiro coletivo atacado, no Jardim Zaíra II, em Mauá, foi incendiado poucos minutos depois do atentado contra o banco Itaú do mesmo bairro. Foi um ônibus particular, usado para o fretamento dos funcionários de uma empresa.Depois, mais dois incêndios em Mauá, ocorridos já no final da manhã. Na Vila Assis Brasil, o coletivo ficou destruído. No Jardim Feital, populares apagaram as chamas. Em São Bernardo, a polícia conseguiu frustrar um ataque, no Jardim Silvina, mas nenhum membro do PCC foi preso.

Em Diadema, por volta das 16h, três ônibus foram queimados ao mesmo tempo no bairro Campanário. Até o fechamento desta edição, ninguém na região havia sido preso sob suspeita de participação nos atentados.

Ataques do PCC na região

3h desta quarta-feira

A agência do Banco Itaú no Jardim Zaíra, Mauá, é atacada. Uma bomba incendiária, possivelmente coquetel Molotov, foi atirada na parte onde ficam os caixas eletrônicos 24 horas. O atendimento na agência teve que ser interrompido nesta quarta-feira.

Um ônibus particular, usado para transporte de funcionários de uma empresa, foi queimado no mesmo bairro, por volta do mesmo horário. O veículo estava estacionado e não houve vítimas. Ninguém viu quem eram os responsáveis pelo ataque. O ônibus foi retirado nas primeiras horas da manhã.  A agência do HSBC do Parque das Nações, em Santo André, foi atacada. Um coquetel Molotov foi lançado, acertou o vidro, mas não chegou a cair dentro do banco.

Funcionários disseram que o circuito interno de TV registrou o incêndio, mas não é possível ver o número de criminosos envolvidos. O Bradesco da avenida Maria Servidei Demarchi, no bairro Demarchi, em São Bernardo, teve uma vidraça quebrada por tiros. Um Astra foi visto em frente ao banco no momento da ação, mas não há suspeitos.

7h

No Jardim Silvina, em São Bernardo, dois homens se preparavam para atear fogo em um ônibus. A aproximação de uma viatura da Polícia Civil fez com que eles fugissem. Eles estavam em um Astra.

10h

Um ônibus da linha 44 foi parado na avenida João Varim, na Vila Assis Brasil, em Mauá, por três rapazes. Eles obrigaram o motorista a entrar numa rua lateral, obrigaram os passageiros a descer e atearam fogo. O ônibus ficou destruído. Nenhum passageiro se feriu. 

Minutos depois, no Jardim Feital, também em Mauá, dois passageiros de um ônibus roubaram o cobrador e obrigaram o motorista a parar o veículo.

Além do motorista e o cobrador, havia dois passageiros no ônibus. Os criminosos mandaram todos descer  e atearam fogo no painel do veículo. Eles subiram o morro a pé e fugiram.

O ônibus foi salvo por pessoas que viram a ação e ajudaram a apagar o fogo. Mesmo assim, partes do interior do veículo foram destruídas.

15h

Uma denúncia de bomba deslocou policiais da Força Tática da PM até a rua Austrália, bairro Independência, em São Bernardo. O local da bomba era entre duas creches e em frente a um conjunto residencial. O artefato oval, do tamanho de uma bola de futebol, foi explodido preventivamente pela polícia, que constatou que a bomba era falsa.

15h30

No bairro Campanário, em Diadema, três ônibus foram queimados no mesmo local. A informação é de que os passageiros foram obrigados a descer na avenida Brasília, onde os criminosos atearam fogo no veículo.

19h

O PCC ataca três ônibus no Jardim Cristiane, em Santo André. Criminosos armados com metralhadoras esperam os ônibus queimarem. A reação das empresas de transporte é recolher todos os ônibus da cidade às 22h.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;