Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Das redações
para os palcos


Sara Saar
Do Diário do Grande ABC

23/02/2011 | 07:00


Estrelado por Bete Coelho, o espetáculo "O Terceiro Sinal" disseca o teatro. "Como público, gostaria de ver o processo do ator que nunca é revelado aos leigos", declara a atriz mineira.

Além de compartilhar as diferentes emoções intrínsecas à arte da representação, a montagem relembra momentos históricos do teatro nacional em duas sessões no Sesc Santo André, no fim de semana.

Dirigido por Ricardo Bittencourt, o espetáculo tem texto do jornalista Otavio Frias Filho, que fez adaptação de ensaio homônimo, publicado no livro "Queda Livre" (2003), para o teatro.

Nele, relata o desafio real de apresentar a peça "Boca de Ouro" (2000), escrita por Nelson Rodrigues, em montagem de Zé Celso Martinez Corrêa, no Teatro Oficina, depois de poucos ensaios.

Na montagem, "coube a mim o personagem Otávio, um não ator que decodifica o que é ser ator", explica Bete, que interpreta um jornalista interessado em reportar as inconfessáveis particularidades da atuação. Para tanto, encara curta jornada como ator, estando a três semanas de estrear a primeira peça.

Neste contexto, fantasmas como a angústia estabelecem íntima relação com o prazer do desafio. "Mostra os entraves, os medos, as paranoias de dar branco ou acontecer algum acidente", enumera.

Trata-se, portanto, de montagem metalinguística. "Não é apenas voltada para atores, mas apaixonados pelo teatro, pela arte em si, que desejam saber como ela é feita", convida.

O enredo apresenta registro jornalístico e, ao mesmo tempo, poético. "A peça aborda de maneira delicada e bastante apurada o teatro, com verborragia jornalística das antigas", analisa a atriz.

A intérprete, mesmo depois de anos nos palcos, ainda se identifica com o texto. "Até hoje é o mesmo tipo de emoção depois do primeiro, segundo e terceiro sinais. É a expectativa e o medo de dar branco", aponta.

Ainda sobre a arte da representação, declara: "É um nível de adrenalina muito alto. É um momento vivo que jamais se repetirá no teatro. É período em que se anula o ego ou sobe a vaidade".

Em turnê pelo Brasil, o espetáculo segue para São Paulo depois das sessões em Santo André. Ficará em cartaz, aos sábados e domingos, entre os dias 12 e 20, no Espaço Cultural Vivo.

O Terceiro Sinal - Teatro. No Sesc Santo André - Rua Tamarutaca, 302, Santo André. Tel.: 4469-1200. Sábado e domingo, às 20h. Ingr.: R$ 20.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;