Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Hugo Calderano se classifica às quartas e faz história no tênis de mesa olímpico

Divulgação / Wander Roberto/ COB Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


27/07/2021 | 10:50


Mais um feito histórico aconteceu na Olimpíada de Tóquio-2020 para o esporte brasileiro. Hugo Calderano venceu uma batalha nesta terça-feira contra o sul-coreano Jang Woojin por 4 sets a 3 - com parciais de 11/7, 9/11, 6/11, 11/9, 4/11, 11/5 e 11/6 -, avançando às quartas de final e tornando-se o melhor do tênis de mesa do Brasil em uma edição de Jogos Olímpicos.

O mesa-tenista carioca, atual sexto colocado do mundo pelo ranking da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, na sigla em inglês), já havia igualado, no Rio-2016, a disputa das oitavas de final no tênis de mesa, patamar conquistado pela primeira vez na Olimpíada de Atlanta, em 1996, por Hugo Hoyama.

Em um jogo de alta tensão contra o atual 11.º do mundo, Calderano atingiu o feito histórico de forma dramática. Venceu o primeiro set, mas sucumbiu nos dois seguintes com a precisão de Woojin nos ataques. Chegou a empatar em 2 a 2, contudo mais uma vez o sul-coreano fez uma parcial forte, sem muitas chances para o brasileiro.

O resultado parecia irreversível, considerando as condições da partida até então. Mas o brasileiro parece ter mudado a estratégia, foi melhor nos contra-ataques e no jogo curto e, assim, ganhou os últimos dois sets para dar ao Brasil a chance de chegar mais perto da medalha no tênis de mesa.

"Foi um dia longo com dois jogos, principalmente porque no último mês eu estava treinando só um período, focando mais na intensidade do que na quantidade, então é sempre um desafio você ter tanta intensidade num período tão longo, mas acho que eu consegui gerir muito bem. Esse último jogo foi incrível, eu estava muito bem concentrado nos momentos decisivos. Fiquei boa parte do jogo atrás, então tive de manter a calma e a concentração e continuar acreditando que eu poderia virar, confiando no meu jogo, na minha parte mental, na minha técnica", afirmou Calderano.

Agora, o brasileiro enfrentará o alemão Dimitrij Ovtcharov, 12.º no ranking mundial, que venceu o japonês Koki Niwa. A partida está marcada para esta quarta-feira, às 9 horas (de Brasília).

"Eu senti isso (sobre ter alcançado a inédita quartas de final) quando todo mundo do Brasil veio me abraçar, senti a emoção de todos, eu até estou ficando emocionado. O último ano não foi fácil, não tive os melhores resultados, mas continuei muito confiante que eu conseguiria voltar a jogar o meu melhor nível.

Agora vou descansar, tentar comemorar um pouco, não tem tanto tempo. Vou aproveitar esse tempo. E depois me concentrar para mais uma batalha", finalizou.

Mais um feito histórico aconteceu na Olimpíada de Tóquio-2020 para o esporte brasileiro. Hugo Calderano venceu uma batalha nesta terça-feira contra o sul-coreano Jang Woojin por 4 sets a 3 - com parciais de 11/7, 9/11, 6/11, 11/9, 4/11, 11/5 e 11/6 -, avançando às quartas de final e tornando-se o melhor do tênis de mesa do Brasil em uma edição de Jogos Olímpicos.

O mesa-tenista carioca, atual sexto colocado do mundo pelo ranking da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, na sigla em inglês), já havia igualado, no Rio-2016, a disputa das oitavas de final no tênis de mesa, patamar conquistado pela primeira vez na Olimpíada de Atlanta, em 1996, por Hugo Hoyama.

Em um jogo de alta tensão contra o atual 11.º do mundo, Calderano atingiu o feito histórico de forma dramática. Venceu o primeiro set, mas sucumbiu nos dois seguintes com a precisão de Woojin nos ataques. Chegou a empatar em 2 a 2, contudo mais uma vez o sul-coreano fez uma parcial forte, sem muitas chances para o brasileiro.

O resultado parecia irreversível, considerando as condições da partida até então. Mas o brasileiro parece ter mudado a estratégia, foi melhor nos contra-ataques e no jogo curto e, assim, ganhou os últimos dois sets para dar ao Brasil a chance de chegar mais perto da medalha no tênis de mesa.

"Foi um dia longo com dois jogos, principalmente porque no último mês eu estava treinando só um período, focando mais na intensidade do que na quantidade, então é sempre um desafio você ter tanta intensidade num período tão longo, mas acho que eu consegui gerir muito bem. Esse último jogo foi incrível, eu estava muito bem concentrado nos momentos decisivos. Fiquei boa parte do jogo atrás, então tive de manter a calma e a concentração e continuar acreditando que eu poderia virar, confiando no meu jogo, na minha parte mental, na minha técnica", afirmou Calderano.

Agora, o brasileiro enfrentará o alemão Dimitrij Ovtcharov, 12.º no ranking mundial, que venceu o japonês Koki Niwa. A partida está marcada para esta quarta-feira, às 9 horas (de Brasília).

"Eu senti isso (sobre ter alcançado a inédita quartas de final) quando todo mundo do Brasil veio me abraçar, senti a emoção de todos, eu até estou ficando emocionado. O último ano não foi fácil, não tive os melhores resultados, mas continuei muito confiante que eu conseguiria voltar a jogar o meu melhor nível.

Agora vou descansar, tentar comemorar um pouco, não tem tanto tempo. Vou aproveitar esse tempo. E depois me concentrar para mais uma batalha", finalizou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;