Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Cresce o salário dos trabalhadores


Luiz Federico
Do Diário do Grande ABC

13/04/2006 | 09:46


O bom desempenho do setor produtivo nacional começa a surtir efeito no mercado de trabalho industrial. Depois de quatro meses de queda, houve aumento de 0,5% no número de ocupados na indústria em fevereiro ante janeiro, segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada quarta-feira. Na mesma base de comparação, a folha de pagamento real do setor cresceu 2,4%.

Para Isabella Nunes, economista do IBGE, o emprego e salário na indústria, que mostraram desaceleração no ano passado, começaram a refletir agora o reaquecimento da economia, observado desde dezembro. Segundo ela, o emprego sempre responde com algum atraso aos sinais da produção, como está ocorrendo neste início de ano.

Na comparação com fevereiro do ano passado, a ocupação na indústria recuou 0,8%, mas o dado reflete uma base de comparação elevada e não invalida o diagnóstico de recuperação. Prova disso, segundo Isabella, é que o índice de média móvel trimestral (trimestres encerrados em janeiro e fevereiro), considerado o principal indicador de tendência, interrompeu a trajetória de queda e registrou estabilidade no trimestre encerrado em fevereiro, ante o terminado em janeiro.

Salários – Os números da folha industrial subiram em fevereiro pelo pagamento de benefícios como 14º salário nas indústrias extrativas (petróleo e mineração). Esse setor elevou a folha em 31% em fevereiro, ante janeiro, puxando para cima os dados da indústria em geral, cuja folha de pagamento real subiu 2,4% ante o mês anterior.

“A folha está também influenciada pela queda na inflação e o aumento na ocupação, mas o principal impacto veio da extrativa”, aponta Isabella, do IBGE. Na comparação com fevereiro do ano passado, a folha cresceu 2,1% e no acumulado do primeiro bimestre, aumentou 0,8%.

Perspectivas – Para o futuro do mercado de trabalho industrial, as perspectivas são otimistas. O número de horas pagas cresceu 2% em fevereiro, na comparação com janeiro. “Os empresários costumam aumentar primeiro as horas pagas, antes da contratação de funcionários”, explica a economista. Ainda nesse caso, a variação do índice na média móvel trimestral também foi positivo, com expansão de 0,2%.

Por meio de nota, o Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), destaca que o aumento do emprego é um sinal positivo para os próximos meses, em particular para o segundo trimestre, quando o setor terá mais condições de elevar o número de contratações. Além disso, os salários deverão ter reajustes iguais ou acima da inflação, como aconteceu em 2005. O Ciesp acredita que a indústria poderá crescer 4,5% neste ano.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;