Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Aos 44 anos, Edson Celulari é um galã versátil


Roberta Brasil
Da TV Press

30/11/2002 | 16:54


No jargão dos artistas, a expressão “levar o personagem para a cama” se aplica a um ator que não se desliga do papel que interpreta. Com 44 anos de idade e 27 de carreira, Edson Celulari jura que esse não é o seu caso. Mas admite que tem dificuldades para esquecer o atormentado Jean Valjean quando deixa os estúdios onde grava Sabor da Paixão, de Ana Maria Moretzsohn. E não por uma questão psicológica, mas estética. Para reforçar o aspecto sujo do pintor francês, ele usa uma pasta especial no cabelo e não consegue livrar-se dela facilmente. “Eu lavo, seco, penteio e os fios continuam ensebados. Essa coisa não sai de jeito nenhum!”, diz, sem desgrudar os olhos do espelho.

A não ser pela briga diária com as madeixas, Celulari não tem do que reclamar. “Nunca fiz nada parecido com o Jean Valjean na TV”, afirma. De fato, o maltrapilho personagem da novela das seis em nada lembra um outro Jean que marcou a carreira do ator, há 13 anos – o épico Jean Pierre, de Que Rei Sou Eu?. Na verdade, o currículo de Celulari na televisão é recheado de galãs. Diante de seus gestos refinados e vibrantes olhos azuis, não há como esquecer, por exemplo, o misterioso Raimundo Flamel, de Fera Ferida, e o safado Vadinho, da minissérie Dona Flor e seus Dois Maridos.

Pergunta - Jean Valjean é um pintor francês que vive bêbado e jogado pelas ruas. Como é interpretar um personagem tão diferente dos tipos heróicos, malandros e sedutores que marcaram sua carreira?
Edson Celulari - É absolutamente maravilhoso! Uma grande novidade mesmo. foi justamente o que me animou a aceitar o papel. O Jean é um homem amargurado, que se esconde na própria sombra, que perdeu a fé. Vive atormentado pelas memórias do passado, por uma grande tragédia que aconteceu na sua vida e o marcou profundamente. Ele tenta reagir, mas não consegue... E até sua pintura reflete esse espírito conflituado. Tanto que ele cria e destrói tudo que faz.

Pergunta - E você não teve receio de viver um tipo tão depressivo em uma comédia romântica, como Sabor da Paixão?
Celulari - Não, porque toda boa história precisa ter sua escala musical. Drama, comédia, romance... E, obviamente, o Jean tem uma função importante dentro deste painel de sabores, de paixões, de amores que é a novela.

Pergunta - Além disso, o Jean tem problemas com bebidas. O alcoolismo tem sido um tema recorrente nas novelas este ano. Foi abordado em O Clone e até na antecessora do horário das seis, Coração de Estudante...
Celulari - E merece ser tratado muitas vezes mais, porque é um problema muito sério. Mas, no caso do Jean Valjean, é apenas mais um elemento. Conseqüência do grande dissabor que ele viveu.

Pergunta - Mas, naturalmente, seu personagem terá uma virada... Será que, então, vai assumir uma personalidade mais sedutora?
Celulari - Espero que sim! Já pensou ficar nove meses no fundo do poço? E a sedução tem muitas facetas...



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;