Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil pode ter quatro iatistas nas Olimpíadas de Sydney


Do Diário do Grande ABC

15/01/2000 | 13:40


O currículo de Robert Scheidt no iatismo é impecável. Mas, o atual campeao olímpico vai participar do Pré-Olímpico, no Brasil, e do Campeonato Mundial da Classe Laser, em março, no México, para garantir a vaga na Olimpíada de Sydney.

Scheidt é apontado como um dos nomes do iatismo brasileiro na Olimpíada, com vaga praticamente garantida.

Afinal, o iatista de 26 anos, é o primeiro colocado no ranking brasileiro, terceiro no ranking mundial e tricampeao mundial. "Acho que ele só nao vai se nao quiser, ou se acontecer alguma coisa errada", diz Walcles Osório, presidente da Federaçao Brasileira de iatismo.

Robert Scheidt, que acabou de voltar da Austrália, onde foi campeao, em dezembro, da Regata Internacional, e participou do Campeonato Australiano da Classe Laser, volta a treinar daqui a duas semanas. "Acho que se eu fizer uma boa preparaçao, tenho boas chances de me classificar. Mas, o meu objetivo atual é conquistar o tetracampeonato mundial", diz, humildemente, Scheidt.

Na Austrália, Scheidt competiu nas raias onde serao disputadas as regatas da Olimpíada. E pretende voltar para Sydney, depois do Circuito Europeu, para se preparar. "É uma raia muito difícil. Lá, ganha quem erra menos. O vento é forte e muito oscilante", define Sheidt, que prefere nao falar em favoritismo. "Estao surgindo novos competidores muito bons. O Joao Sinhonima, do Rio, tem me dado trabalho nas provas nacionais." No Mundial, Sheidt aponta o inglês Ben Aisley, o australiano Michael Blackburn e o holandês Serge Kats como seus principais adversários.

Além de Scheidt, Torben Grael, na Classe Star, Cristina Matoso Maia e Ricardo Vinick, o Bimba, na Prancha à Vela e Xande Paradeda, na Classe 470 sao apontados como os atletas favoritos a conquistar as vagas na Olimpíada.

Xande Paradeda, 27 anos, está treinando todos os dias, por três horas, em busca da classificaçao. "A classe 470 é muito difícil e com fortes adversários, como o Sérgio Araújo. Por enquanto só penso na primeira eliminatória, em Búzios e no Brasileiro de Florianópolis", diz Xande.

Torben Grael está competindo, com o Prada, na Nova Zelândia, Cristina Matoso Maia e Bimba estao competindo no Sul-Americano de Mar Del Plata.

O Brasil tem poucas chances de conseguir classificar um representante nas Classes Soling e Tornado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil pode ter quatro iatistas nas Olimpíadas de Sydney

Do Diário do Grande ABC

15/01/2000 | 13:40


O currículo de Robert Scheidt no iatismo é impecável. Mas, o atual campeao olímpico vai participar do Pré-Olímpico, no Brasil, e do Campeonato Mundial da Classe Laser, em março, no México, para garantir a vaga na Olimpíada de Sydney.

Scheidt é apontado como um dos nomes do iatismo brasileiro na Olimpíada, com vaga praticamente garantida.

Afinal, o iatista de 26 anos, é o primeiro colocado no ranking brasileiro, terceiro no ranking mundial e tricampeao mundial. "Acho que ele só nao vai se nao quiser, ou se acontecer alguma coisa errada", diz Walcles Osório, presidente da Federaçao Brasileira de iatismo.

Robert Scheidt, que acabou de voltar da Austrália, onde foi campeao, em dezembro, da Regata Internacional, e participou do Campeonato Australiano da Classe Laser, volta a treinar daqui a duas semanas. "Acho que se eu fizer uma boa preparaçao, tenho boas chances de me classificar. Mas, o meu objetivo atual é conquistar o tetracampeonato mundial", diz, humildemente, Scheidt.

Na Austrália, Scheidt competiu nas raias onde serao disputadas as regatas da Olimpíada. E pretende voltar para Sydney, depois do Circuito Europeu, para se preparar. "É uma raia muito difícil. Lá, ganha quem erra menos. O vento é forte e muito oscilante", define Sheidt, que prefere nao falar em favoritismo. "Estao surgindo novos competidores muito bons. O Joao Sinhonima, do Rio, tem me dado trabalho nas provas nacionais." No Mundial, Sheidt aponta o inglês Ben Aisley, o australiano Michael Blackburn e o holandês Serge Kats como seus principais adversários.

Além de Scheidt, Torben Grael, na Classe Star, Cristina Matoso Maia e Ricardo Vinick, o Bimba, na Prancha à Vela e Xande Paradeda, na Classe 470 sao apontados como os atletas favoritos a conquistar as vagas na Olimpíada.

Xande Paradeda, 27 anos, está treinando todos os dias, por três horas, em busca da classificaçao. "A classe 470 é muito difícil e com fortes adversários, como o Sérgio Araújo. Por enquanto só penso na primeira eliminatória, em Búzios e no Brasileiro de Florianópolis", diz Xande.

Torben Grael está competindo, com o Prada, na Nova Zelândia, Cristina Matoso Maia e Bimba estao competindo no Sul-Americano de Mar Del Plata.

O Brasil tem poucas chances de conseguir classificar um representante nas Classes Soling e Tornado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;