Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Dermatologia é área mais ociosa no AME

Sto.André, S.Bernardo e S.Caetano somam 420 consultas não utilizadas no 1º trimestre


Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

25/04/2012 | 07:00


Os municípios de Santo André, São Bernardo e São Caetano somaram, no primeiro trimestre, 420 consultas desperdiçadas em dermatologia no AME (Ambulatório Médico de Especialidade) de Santo André. Essa é a especialidade médica ociosa com mais frequência na região.

Outros 136 horários não utilizados foram registrados nas demais cidades, com exceção de Rio Grande da Serra. A equipe do Diário teve acesso aos dados sobre o serviço ambulatorial.

A maior demanda desperdiçada é de pacientes de Santo André, com 202 consultas não marcadas, seguida por São Bernardo com 181 e São Caetano, com 37.

A Secretaria Estadual da Saúde informou que as consultas são ofertadas pelos AMEs de Santo André e de Mauá de acordo com a demanda repassada pelos próprios municípios. Os AMEs da região somaram no primeiro trimestre 3.256 consultas que não foram agendadas pelos sete municípios. O total ofertado foi de 23.773.

Em Diadema, as sobras de vagas são maiores na especialidade de neurologia infantil. Já em Mauá o desperdício é na área de cirurgia plástica. Ribeirão Pires tem sobras em consultas em otorrinolaringologia e oftalmologia (veja quadro ao lado).

 

REPERCUSSÃO

Para o secretário de Saúde de São Bernardo e coordenador do GT (Grupo de Trabalho) de Saúde do Consórcio Intermunicpal do Grande ABC, Arthur Chioro, o desajuste entre as necessidades dos municípios e os serviços ofertados pelo Estado pode ter outro motivo que não veio à pauta. "Não podemos ter disputa política. Não podemos resolver este problema apenas de um lado", frisou.

Chioro garantiu que a lista de prioridades dos municípios está em poder do Estado. "Nos causa estranheza esse assunto. Em nenhum momento evitamos a discussão. Pelo contrário, queremos pactuar com o Estado para integrar a rede."

Ao contrário do que o governo estadual contestou nesta semana, o secretário voltou a reiterar que o encerramento das dez especialidades no ambulatório do Hospital Estadual Mário Covas não foi comunicado aos sete municípios. A notícia foi divulgada no sábado pelo Diário.

Em São Bernardo, o secretário citou que há demanda reprimida para consultas em oftalmologia e exames de endoscopia, por exemplo. As demais prefeituras disseram que irão se manifestar sobre o assunto ainda nesta semana.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dermatologia é área mais ociosa no AME

Sto.André, S.Bernardo e S.Caetano somam 420 consultas não utilizadas no 1º trimestre

Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

25/04/2012 | 07:00


Os municípios de Santo André, São Bernardo e São Caetano somaram, no primeiro trimestre, 420 consultas desperdiçadas em dermatologia no AME (Ambulatório Médico de Especialidade) de Santo André. Essa é a especialidade médica ociosa com mais frequência na região.

Outros 136 horários não utilizados foram registrados nas demais cidades, com exceção de Rio Grande da Serra. A equipe do Diário teve acesso aos dados sobre o serviço ambulatorial.

A maior demanda desperdiçada é de pacientes de Santo André, com 202 consultas não marcadas, seguida por São Bernardo com 181 e São Caetano, com 37.

A Secretaria Estadual da Saúde informou que as consultas são ofertadas pelos AMEs de Santo André e de Mauá de acordo com a demanda repassada pelos próprios municípios. Os AMEs da região somaram no primeiro trimestre 3.256 consultas que não foram agendadas pelos sete municípios. O total ofertado foi de 23.773.

Em Diadema, as sobras de vagas são maiores na especialidade de neurologia infantil. Já em Mauá o desperdício é na área de cirurgia plástica. Ribeirão Pires tem sobras em consultas em otorrinolaringologia e oftalmologia (veja quadro ao lado).

 

REPERCUSSÃO

Para o secretário de Saúde de São Bernardo e coordenador do GT (Grupo de Trabalho) de Saúde do Consórcio Intermunicpal do Grande ABC, Arthur Chioro, o desajuste entre as necessidades dos municípios e os serviços ofertados pelo Estado pode ter outro motivo que não veio à pauta. "Não podemos ter disputa política. Não podemos resolver este problema apenas de um lado", frisou.

Chioro garantiu que a lista de prioridades dos municípios está em poder do Estado. "Nos causa estranheza esse assunto. Em nenhum momento evitamos a discussão. Pelo contrário, queremos pactuar com o Estado para integrar a rede."

Ao contrário do que o governo estadual contestou nesta semana, o secretário voltou a reiterar que o encerramento das dez especialidades no ambulatório do Hospital Estadual Mário Covas não foi comunicado aos sete municípios. A notícia foi divulgada no sábado pelo Diário.

Em São Bernardo, o secretário citou que há demanda reprimida para consultas em oftalmologia e exames de endoscopia, por exemplo. As demais prefeituras disseram que irão se manifestar sobre o assunto ainda nesta semana.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;