Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Missão brasileira negocia na China suspensão de embargo à soja


Do Diário OnLine
Com Agências

19/06/2004 | 14:07


A missão brasileira que viajou nesta sexta-feira para a China com o objetivo de negociar o fim do embargo das exportações de soja inicia neste domingo, por volta das 11h30 (horário de Pequim), uma série de reuniões.

O primeiro encontro do grupo chefiado por Maçao Tadano, secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, será com o embaixador do Brasil em Pequim, Afonso Celso Ouro Preto. Na segunda-feira, a equipe de Maçao será recebida por autoridades do ministério chinês da Quarentena. Na terça-feira nova rodada de discussões, desta vez com o Ministério da Agricultura. Na quarta-feira nova reunião com os representantes da Quarentena.

O embargo chinês às exportações de soja brasileira começou em abril, com a recusa de uma carga do navio Bunga Saga Tuju. De lá para cá foram mais cinco recusas, totalizando 359 mil toneladas rechaçadas pela China. Eles alegam que os carregamentos exportados estavam contaminados com as misturas de sementes tratadas com fungicidas a grãos sadios de soja.

Na viagem à China, Maçao Tadano, que está acompanhado do assessor para Assuntos Internacionais do Ministério da Agricultura, Odilson Ribeiro, e do médico toxicologista Flávio Zambrone, consultor da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), leva aos chineses um relatório das atitudes do Brasil desde a recusa da carga do Bunga Saga Tuju, em meados de abril. Isto inclui os termos da Instrução Normativa número 15, que define os índices de impurezas e contaminação para a soja, considerado um dos mais rigorosos do mundo, e que mostrará o que está sendo feito na fiscalização do produto.

Segundo a Agência Brasil, o mercado chinês representa espaço para cerca de 35% das exportações de soja brasileira. De acordo com Carlos Sperrotto, vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, neste ano a previsão era de que os chineses importassem entre 14 e 15 milhões de toneladas de soja, enquanto não recebem o produto dos Estados Unidos, que terá sua safra entre setembro e outubro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Missão brasileira negocia na China suspensão de embargo à soja

Do Diário OnLine
Com Agências

19/06/2004 | 14:07


A missão brasileira que viajou nesta sexta-feira para a China com o objetivo de negociar o fim do embargo das exportações de soja inicia neste domingo, por volta das 11h30 (horário de Pequim), uma série de reuniões.

O primeiro encontro do grupo chefiado por Maçao Tadano, secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, será com o embaixador do Brasil em Pequim, Afonso Celso Ouro Preto. Na segunda-feira, a equipe de Maçao será recebida por autoridades do ministério chinês da Quarentena. Na terça-feira nova rodada de discussões, desta vez com o Ministério da Agricultura. Na quarta-feira nova reunião com os representantes da Quarentena.

O embargo chinês às exportações de soja brasileira começou em abril, com a recusa de uma carga do navio Bunga Saga Tuju. De lá para cá foram mais cinco recusas, totalizando 359 mil toneladas rechaçadas pela China. Eles alegam que os carregamentos exportados estavam contaminados com as misturas de sementes tratadas com fungicidas a grãos sadios de soja.

Na viagem à China, Maçao Tadano, que está acompanhado do assessor para Assuntos Internacionais do Ministério da Agricultura, Odilson Ribeiro, e do médico toxicologista Flávio Zambrone, consultor da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), leva aos chineses um relatório das atitudes do Brasil desde a recusa da carga do Bunga Saga Tuju, em meados de abril. Isto inclui os termos da Instrução Normativa número 15, que define os índices de impurezas e contaminação para a soja, considerado um dos mais rigorosos do mundo, e que mostrará o que está sendo feito na fiscalização do produto.

Segundo a Agência Brasil, o mercado chinês representa espaço para cerca de 35% das exportações de soja brasileira. De acordo com Carlos Sperrotto, vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, neste ano a previsão era de que os chineses importassem entre 14 e 15 milhões de toneladas de soja, enquanto não recebem o produto dos Estados Unidos, que terá sua safra entre setembro e outubro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;