Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Produção industrial caiu 1,8% em fevereiro, aponta IBGE


Do Diário OnLine

08/04/2004 | 10:20


A produção industrial brasileira teve queda de 1,8% de janeiro para fevereiro de 2004, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) divulgados nesta quinta-feira. O recuo atingiu 15 das 23 atividades pesquisadas e todas as categorias de uso.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, porém, a produção industrial teve o sexto crescimento consecutivo (também de 1,8%). O relatório do IBGE destaca que fevereiro de 2004 teve menos dias úteis, já que o Carnaval de 2003 foi comemorado em março. No acumulado do ano a produção subiu 2,7% e, nos últimos 12 meses, a taxa ficou em zero.

De janeiro para fevereiro, o recuo geral de 1,8% foi resultado da queda da categoria de bens de consumo duráveis (-5,4%), seguida por bens de capital (-2,4%), bens de consumo semiduráveis e não duráveis (-2,0%) e bens intermediários (-0,8%).

Segundo o IBGE, os índices da atividade industrial se mostraram negativos na comparação com o final de 2003 por causa do desempenho dos setores de bens de capital e de bens de consumo duráveis — foram os que mais avançaram ao longo do segundo semestre do ano passado.

Bimestre - Sobre o bom desempenho do primeiro bimestre, o IBGE informa que 15 atividades registraram alta, destacando-se refino de petróleo e álcool (11,2%), veículos automotores (8,7%) e material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (23,8%). Entre as atividades em queda estão farmacêutica (-12,6%), vestuário e acessórios (-15%) e calçados e artigos de couro (-9,3%), três indústrias tipicamente à evolução da massa salarial.

Por categorias de uso, o acumulado no primeiro bimestre mostra bens de capital (13%) com a taxa mais elevada, e bens de consumo duráveis (8,6%) e intermediários (3,4%) na seqüência. A única categoria de uso com queda foi bens de consumo semiduráveis e não duráveis (-1,6%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Produção industrial caiu 1,8% em fevereiro, aponta IBGE

Do Diário OnLine

08/04/2004 | 10:20


A produção industrial brasileira teve queda de 1,8% de janeiro para fevereiro de 2004, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) divulgados nesta quinta-feira. O recuo atingiu 15 das 23 atividades pesquisadas e todas as categorias de uso.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, porém, a produção industrial teve o sexto crescimento consecutivo (também de 1,8%). O relatório do IBGE destaca que fevereiro de 2004 teve menos dias úteis, já que o Carnaval de 2003 foi comemorado em março. No acumulado do ano a produção subiu 2,7% e, nos últimos 12 meses, a taxa ficou em zero.

De janeiro para fevereiro, o recuo geral de 1,8% foi resultado da queda da categoria de bens de consumo duráveis (-5,4%), seguida por bens de capital (-2,4%), bens de consumo semiduráveis e não duráveis (-2,0%) e bens intermediários (-0,8%).

Segundo o IBGE, os índices da atividade industrial se mostraram negativos na comparação com o final de 2003 por causa do desempenho dos setores de bens de capital e de bens de consumo duráveis — foram os que mais avançaram ao longo do segundo semestre do ano passado.

Bimestre - Sobre o bom desempenho do primeiro bimestre, o IBGE informa que 15 atividades registraram alta, destacando-se refino de petróleo e álcool (11,2%), veículos automotores (8,7%) e material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (23,8%). Entre as atividades em queda estão farmacêutica (-12,6%), vestuário e acessórios (-15%) e calçados e artigos de couro (-9,3%), três indústrias tipicamente à evolução da massa salarial.

Por categorias de uso, o acumulado no primeiro bimestre mostra bens de capital (13%) com a taxa mais elevada, e bens de consumo duráveis (8,6%) e intermediários (3,4%) na seqüência. A única categoria de uso com queda foi bens de consumo semiduráveis e não duráveis (-1,6%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;