Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Presídios terão celulares bloqueados


Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC
Com AE

18/05/2006 | 08:20


O juiz-corregedor do Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária), Alex Tadeu Monteiro Zilenovski, determinou nesta quarta-feira que em 48h as empresas de telefonia suspendam o sinal de aparelhos celulares nas proximidades e no interior de seis presídios no Estado. A decisão judicial tem validade por 20 dias, mas a polícia pode pedir a prorrogação da medida. A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) seria comunicada oficialmente ainda nesta quarta-feira para encaminhar a ordem às operadoras.

As unidades carcerárias que ficarão fora da cobertura das ERBs (Estação Rádio-Base) ficam em Avaré, Presidente Venceslau, Iaras, Araraquara, Franco da Rocha e São Vicente. De acordo com o secretário estadual da Segurança Pública, Saulo de Castro Abreu Filho, essas prisões foram escolhidas porque a investigação policial apontou necessidade.

Não está na lista, porém, a Penitenciária de Presidente Bernardes, onde se encontra o preso Marcos Willins Herbas Camacho, o Marcola, considerado o chefe da facção criminosa PCC. Segundo o secretário Abreu Filho, essa carceragem não foi incluída porque não precisava, “conforme foi indicado na investigação policial”. “São medidas restritivas do direito das pessoas, não há dúvidas. Mas, nessa questão, o interesse coletivo se sobrepõe ao individual.”

Na determinação, o juiz Zilenovski exigiu a aplicação da medida com “o menor impacto tecnicamente possível à população das áreas próximas aos estabelecimentos carcerários”. O juiz Zilenovski também afirmou que a ordem deve durar inicialmente por 20 dias “ou até que a questão seja definitivamente resolvida por outra medida jurisdicional ou legal”.

Antes da decisão da Justiça,  o Diário entrou em contato com as empresas Vivo, Tim e Claro. Apenas a Tim se manifestou e informou que entende a gravidade da situação e está disposta a colaborar com as autoridades segundo a legislação vigente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presídios terão celulares bloqueados

Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC
Com AE

18/05/2006 | 08:20


O juiz-corregedor do Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária), Alex Tadeu Monteiro Zilenovski, determinou nesta quarta-feira que em 48h as empresas de telefonia suspendam o sinal de aparelhos celulares nas proximidades e no interior de seis presídios no Estado. A decisão judicial tem validade por 20 dias, mas a polícia pode pedir a prorrogação da medida. A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) seria comunicada oficialmente ainda nesta quarta-feira para encaminhar a ordem às operadoras.

As unidades carcerárias que ficarão fora da cobertura das ERBs (Estação Rádio-Base) ficam em Avaré, Presidente Venceslau, Iaras, Araraquara, Franco da Rocha e São Vicente. De acordo com o secretário estadual da Segurança Pública, Saulo de Castro Abreu Filho, essas prisões foram escolhidas porque a investigação policial apontou necessidade.

Não está na lista, porém, a Penitenciária de Presidente Bernardes, onde se encontra o preso Marcos Willins Herbas Camacho, o Marcola, considerado o chefe da facção criminosa PCC. Segundo o secretário Abreu Filho, essa carceragem não foi incluída porque não precisava, “conforme foi indicado na investigação policial”. “São medidas restritivas do direito das pessoas, não há dúvidas. Mas, nessa questão, o interesse coletivo se sobrepõe ao individual.”

Na determinação, o juiz Zilenovski exigiu a aplicação da medida com “o menor impacto tecnicamente possível à população das áreas próximas aos estabelecimentos carcerários”. O juiz Zilenovski também afirmou que a ordem deve durar inicialmente por 20 dias “ou até que a questão seja definitivamente resolvida por outra medida jurisdicional ou legal”.

Antes da decisão da Justiça,  o Diário entrou em contato com as empresas Vivo, Tim e Claro. Apenas a Tim se manifestou e informou que entende a gravidade da situação e está disposta a colaborar com as autoridades segundo a legislação vigente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;