Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Mais um fazendeiro branco é morto no Zimbábue


Do Diário do Grande ABC

08/05/2000 | 10:44


Mais um fazendeiro branco morreu nesta segunda-feira no hospital após ser vítima de espancamento no domingo, em sua propriedade na parte sul de Harare, possivelmente por veteranos negros da guerra de independência do Zimbábue.

A morte de Alan Dunn, 46 anos, conhecido por seu apoio à oposiçao, é o primeiro fazendeiro branco a ser atacado nas duas últimas semanas e o terceiro a morrer desde que os vetereanos da guerra dos anos 70 começaram a invadir fazendas, alegando que elas foram tomadas do país pelos colonizadores ingleses.

Alan Dunn foi espancado violentamente no domingo por ex-combatentes negros que ocupavam sua fazenda. Depois de sofrer uma fratura de crânio e dos dois braços, morreu em um hospital de Harare durante a noite.

``Sabíamos que outro fazendeiro ia ser assassinado, era só uma questao de tempo'', declarou o presidente do CFU para a regiao de Matabeleland (Sudoeste), Mac Crawford. ``A ZANU-PF se deu conta de que a única forma de ganhar as eleiçoes é continuando com as intimidaçoes, as agressoes e os assassinatos'', afirmou Coltart.

Como forma de represália, fazendeiros brancos também espancaram dois negros segundo informaçoes da agência Reuters.

Um representante dos fazendeiros brancos em Zimbábue apelou, nesta segunda-feira, à comunidade internacional para que reaja, em conseqüência do assassinato, a pancadas, do fazendeiro.

``Já é hora da comunidade internacional reagir contra Mugabe'', declarou David Coltart, membro do CFU e dirigente jurídico do principal partido da oposiçao, o Movimento pela Mudança Democrática (MMD). ``Tanto negros como brancos sao agredidos e assassinados em Zimbábue'', adiantou, após fazer um balanço de 17 pessoas mortas desde o começo da crise.

O sindicato dos fazendeiros brancos (CFU), que acusa o presidente Robert Mugabe de fazer uma campanha de terror contra seus membros e contra a oposiçao, anunciou a convocaçao de uma reuniao de emergência de seu comitê executivo.

A maioria das vítimas sao negros, membros do MMD, que conta com um forte apoio e ameaça a permanência no poder do partido presidencial, a ZANU-PF.

Enquanto isso, continua sem ser marcada a data para a realizaçao das eleiçoes legislativas em Zimbábue, onde a ZANU está no poder há vinte anos. ``O que está havendo em Zimbábue é uma campanha de violência orquestrada'', prosseguiu Coltart, que responsabiliza o presidente Mugabe por incentivar essa violência.

A onda de ocupaçoes de fazendas de brancos - umas 1.200 já foram afetadas - surgiu depois da derrota do presidente Mugabe no referendo de fevereiro, que previa a expropriaçao das terras sem indenizaçao.

A vitória do ``nao'' levou a oposiçao a acreditar na possibilidade de uma nova derrota de Mugabe nas legislativas. O presidente zimbabuano fez da reforma agrária seu cavalo de batalha para a campanha eleitoral.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mais um fazendeiro branco é morto no Zimbábue

Do Diário do Grande ABC

08/05/2000 | 10:44


Mais um fazendeiro branco morreu nesta segunda-feira no hospital após ser vítima de espancamento no domingo, em sua propriedade na parte sul de Harare, possivelmente por veteranos negros da guerra de independência do Zimbábue.

A morte de Alan Dunn, 46 anos, conhecido por seu apoio à oposiçao, é o primeiro fazendeiro branco a ser atacado nas duas últimas semanas e o terceiro a morrer desde que os vetereanos da guerra dos anos 70 começaram a invadir fazendas, alegando que elas foram tomadas do país pelos colonizadores ingleses.

Alan Dunn foi espancado violentamente no domingo por ex-combatentes negros que ocupavam sua fazenda. Depois de sofrer uma fratura de crânio e dos dois braços, morreu em um hospital de Harare durante a noite.

``Sabíamos que outro fazendeiro ia ser assassinado, era só uma questao de tempo'', declarou o presidente do CFU para a regiao de Matabeleland (Sudoeste), Mac Crawford. ``A ZANU-PF se deu conta de que a única forma de ganhar as eleiçoes é continuando com as intimidaçoes, as agressoes e os assassinatos'', afirmou Coltart.

Como forma de represália, fazendeiros brancos também espancaram dois negros segundo informaçoes da agência Reuters.

Um representante dos fazendeiros brancos em Zimbábue apelou, nesta segunda-feira, à comunidade internacional para que reaja, em conseqüência do assassinato, a pancadas, do fazendeiro.

``Já é hora da comunidade internacional reagir contra Mugabe'', declarou David Coltart, membro do CFU e dirigente jurídico do principal partido da oposiçao, o Movimento pela Mudança Democrática (MMD). ``Tanto negros como brancos sao agredidos e assassinados em Zimbábue'', adiantou, após fazer um balanço de 17 pessoas mortas desde o começo da crise.

O sindicato dos fazendeiros brancos (CFU), que acusa o presidente Robert Mugabe de fazer uma campanha de terror contra seus membros e contra a oposiçao, anunciou a convocaçao de uma reuniao de emergência de seu comitê executivo.

A maioria das vítimas sao negros, membros do MMD, que conta com um forte apoio e ameaça a permanência no poder do partido presidencial, a ZANU-PF.

Enquanto isso, continua sem ser marcada a data para a realizaçao das eleiçoes legislativas em Zimbábue, onde a ZANU está no poder há vinte anos. ``O que está havendo em Zimbábue é uma campanha de violência orquestrada'', prosseguiu Coltart, que responsabiliza o presidente Mugabe por incentivar essa violência.

A onda de ocupaçoes de fazendas de brancos - umas 1.200 já foram afetadas - surgiu depois da derrota do presidente Mugabe no referendo de fevereiro, que previa a expropriaçao das terras sem indenizaçao.

A vitória do ``nao'' levou a oposiçao a acreditar na possibilidade de uma nova derrota de Mugabe nas legislativas. O presidente zimbabuano fez da reforma agrária seu cavalo de batalha para a campanha eleitoral.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;