Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolívia confirma movimento nacionalista na América Latina


Da AFP

02/05/2006 | 15:20


A nacionalização do petróleo e do gás na Bolívia representa uma péssima notícia para as companhias internacionais, cada vez mais submetidas às obrigações impostas pelos Estados para explorar os recursos naturais.

A decisão do presidente boliviano Evo Morales confirma "um movimento de nacionalismo no setor petróleo e gás na América Latina liderado por Venezuela e Brasil e que poderia se estender até o México", alerta Nicolas Sarkis, especialista famoso do setor e diretor da revista Pétrole e Gaz Arabes.

Morales anunciou na segunda-feira que as jazidas de petróleo e de gás, que estavam nas mãos de 26 companhias estrangeiras, serão administradas pela companhia pública nacional, a YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos). A Bolívia detém as segundas maiores reservas de gás da América Latina, atrás apenas da Venezuela.

O grupo espanhol Repsol, que controla 25,7% da produção de gás boliviano, ou seja, 17% das reservas do país, expressou preocupação nesta terça-feira. O francês Total e o americano ExxonMobil, que têm participação da produção de jazidas de gás, estão acompanhando de perto a situação.

A Comissão Européia também se disse "preocupada" com a publicação do decreto de nacionalização.

Para Sarkis, "é um sinal preocupante para o futuro, pois os países onde as companhias podem trabalhar livremente são cada vez mais raros".

A Rússia, que abriga imensas reservas de gás, autoriza os investimentos estrangeiros com a condição de que os grupos russos detenham 51% dos contratos de exploração. O Irã, quatro produtor mundial de petróleo, inscreveu em sua Constituição a proibição do regime de concessão para fechar o acesso aos recursos.

Na maioria dos países produtores, como a Arábia Saudita, as companhias estrangeiras são praticamente obrigadas a estabelecer parcerias com grupos locais, mesmo se nenhuma lei imponha tais associações, explica uma grande companhia petrolífera internacional.

Para Pierre Terzian, diretor da revista Pétrostratégies, a decisão tomada por La Paz é "lógica", no contexto de um barril cujo preço passa dos US$ 70: a cada vez que os preços disparam, os Estados tornam a fiscalização mais pesada para que as empresas estrangeiras não sejam as únicas a aumentar seus benefícios.

Porém, "pela primeira vez na história, isso acontece num momento em que o mundo precisa mais do que nunca investir em novas capacidades de produção", destaca Terzian. "O próximo passo pode ser o fechamento aos estrangeiros do acesso às reservas e das possibilidades de investir".

Com a disparada dos preços, as relações com os Estados produtores mudou, afirma Terzian. "Esse fato é demonstrado pelo exemplo do Chade, um país produtor novo que não duvida em enfrentar o Banco Mundial", disse.

"Os Estados que precisam de capitais, de experiência e de tecnologia não precisam de empresas", afirma Terzian. "Com um estatuto de produtor, tudo se compra, por exemplo por meio de contratos de serviços".

Porém, pondera o especialista, a decisão da Bolívia não passa de "um fogo de palha", comparada com as ondas de nacionalização dos hidrocarbonetos lançadas nos anos 70, principalmente pelo Iraque e pela Argélia. "Os grandes grupos sempre se adaptaram", concluiu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolívia confirma movimento nacionalista na América Latina

Da AFP

02/05/2006 | 15:20


A nacionalização do petróleo e do gás na Bolívia representa uma péssima notícia para as companhias internacionais, cada vez mais submetidas às obrigações impostas pelos Estados para explorar os recursos naturais.

A decisão do presidente boliviano Evo Morales confirma "um movimento de nacionalismo no setor petróleo e gás na América Latina liderado por Venezuela e Brasil e que poderia se estender até o México", alerta Nicolas Sarkis, especialista famoso do setor e diretor da revista Pétrole e Gaz Arabes.

Morales anunciou na segunda-feira que as jazidas de petróleo e de gás, que estavam nas mãos de 26 companhias estrangeiras, serão administradas pela companhia pública nacional, a YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos). A Bolívia detém as segundas maiores reservas de gás da América Latina, atrás apenas da Venezuela.

O grupo espanhol Repsol, que controla 25,7% da produção de gás boliviano, ou seja, 17% das reservas do país, expressou preocupação nesta terça-feira. O francês Total e o americano ExxonMobil, que têm participação da produção de jazidas de gás, estão acompanhando de perto a situação.

A Comissão Européia também se disse "preocupada" com a publicação do decreto de nacionalização.

Para Sarkis, "é um sinal preocupante para o futuro, pois os países onde as companhias podem trabalhar livremente são cada vez mais raros".

A Rússia, que abriga imensas reservas de gás, autoriza os investimentos estrangeiros com a condição de que os grupos russos detenham 51% dos contratos de exploração. O Irã, quatro produtor mundial de petróleo, inscreveu em sua Constituição a proibição do regime de concessão para fechar o acesso aos recursos.

Na maioria dos países produtores, como a Arábia Saudita, as companhias estrangeiras são praticamente obrigadas a estabelecer parcerias com grupos locais, mesmo se nenhuma lei imponha tais associações, explica uma grande companhia petrolífera internacional.

Para Pierre Terzian, diretor da revista Pétrostratégies, a decisão tomada por La Paz é "lógica", no contexto de um barril cujo preço passa dos US$ 70: a cada vez que os preços disparam, os Estados tornam a fiscalização mais pesada para que as empresas estrangeiras não sejam as únicas a aumentar seus benefícios.

Porém, "pela primeira vez na história, isso acontece num momento em que o mundo precisa mais do que nunca investir em novas capacidades de produção", destaca Terzian. "O próximo passo pode ser o fechamento aos estrangeiros do acesso às reservas e das possibilidades de investir".

Com a disparada dos preços, as relações com os Estados produtores mudou, afirma Terzian. "Esse fato é demonstrado pelo exemplo do Chade, um país produtor novo que não duvida em enfrentar o Banco Mundial", disse.

"Os Estados que precisam de capitais, de experiência e de tecnologia não precisam de empresas", afirma Terzian. "Com um estatuto de produtor, tudo se compra, por exemplo por meio de contratos de serviços".

Porém, pondera o especialista, a decisão da Bolívia não passa de "um fogo de palha", comparada com as ondas de nacionalização dos hidrocarbonetos lançadas nos anos 70, principalmente pelo Iraque e pela Argélia. "Os grandes grupos sempre se adaptaram", concluiu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;