Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Circo em Belgrado termina com sirenes


Do Diário do Grande ABC

08/04/1999 | 00:08


Toda manha, nos últimos 10 dias, Bojana, uma adolescente, veste suas melhores roupas e faz a maquiagem para juntar-se às milhares de pessoas que assistem regularmente a apresentaçoes de rock na praça República, no centro de Belgrado. Como todos os demais, ela também coloca em sua jaqueta um papel em forma de alvo, como sinal de desafio à Otan.  

As apresentaçoes acontecem sob o lema "as cançoes nos mantiveram com vida", uma frase de uma velha cançao da Segunda Guerra Mundial, que está viva na memória do avô de Bojana, um aposentado de 78 anos, membro do movimento de resistência contra os nazistas durante a ocupaçao alema. "Esperava que meus netos nunca tivessem de viver tempos como este", diz.  

A música nao se encaixa na categoria de cançoes patrióticas. É principalmente uma seleçao das melhores ou mais populares cançoes e baladas, algumas com 10 ou 15 anos, interpretadas por bandas famosas.  "Essas apresentaçoes deveriam aliviar nossa carga de inquietaçao", diz Momcilo Bajagic, 39 anos, líder de um dos grupos mais populares, Bajaga and Instruktori.   

Para a psicóloga Lukrecija Vranjesevic, "as apresentaçoes sao uma espécie de terapia coletiva". "As pessoas têm muito medo das bombas, da incerteza. É bom estar com outras pessoas, num grupo, para compartilhar e aliviar os medos", acrescenta.  Terminadas as apresentaçoes, Bojana, como muitas outras pessoas, caminhará até a rua Knez Mihajlova, no coraçao da capital iugoslava, onde pintores e escultores realizam exposiçoes sob o lema "pare a guerra".   

Mais tarde, Bojana e seus amigos podem escolher entre teatro, cinema ou um dos pontos favoritos dos amantes da arte em Belgrado, as Cinotheque (cinematecas). Os teatros abrem às 17h e entre os mais populares está o Teatro Nacional, na praça República. Em lugar dos US$ 5 que custava antes da guerra, paga-se menos de US$ 0,10 e o variado repertório diário é uma seleçao de ópera, balé e drama. O teatro está sempre cheio e o público assiste com atençao óperas como Nabuco ou Aída.   

As 20h, horário em que habitualmente Belgrado costumava iniciar sua vida noturna, a capital se transforma numa cidade fantasma. As sirenes de aviso de ataque aéreo soam por um minuto e a advertência e o alerta se mantêm por toda a noite.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Circo em Belgrado termina com sirenes

Do Diário do Grande ABC

08/04/1999 | 00:08


Toda manha, nos últimos 10 dias, Bojana, uma adolescente, veste suas melhores roupas e faz a maquiagem para juntar-se às milhares de pessoas que assistem regularmente a apresentaçoes de rock na praça República, no centro de Belgrado. Como todos os demais, ela também coloca em sua jaqueta um papel em forma de alvo, como sinal de desafio à Otan.  

As apresentaçoes acontecem sob o lema "as cançoes nos mantiveram com vida", uma frase de uma velha cançao da Segunda Guerra Mundial, que está viva na memória do avô de Bojana, um aposentado de 78 anos, membro do movimento de resistência contra os nazistas durante a ocupaçao alema. "Esperava que meus netos nunca tivessem de viver tempos como este", diz.  

A música nao se encaixa na categoria de cançoes patrióticas. É principalmente uma seleçao das melhores ou mais populares cançoes e baladas, algumas com 10 ou 15 anos, interpretadas por bandas famosas.  "Essas apresentaçoes deveriam aliviar nossa carga de inquietaçao", diz Momcilo Bajagic, 39 anos, líder de um dos grupos mais populares, Bajaga and Instruktori.   

Para a psicóloga Lukrecija Vranjesevic, "as apresentaçoes sao uma espécie de terapia coletiva". "As pessoas têm muito medo das bombas, da incerteza. É bom estar com outras pessoas, num grupo, para compartilhar e aliviar os medos", acrescenta.  Terminadas as apresentaçoes, Bojana, como muitas outras pessoas, caminhará até a rua Knez Mihajlova, no coraçao da capital iugoslava, onde pintores e escultores realizam exposiçoes sob o lema "pare a guerra".   

Mais tarde, Bojana e seus amigos podem escolher entre teatro, cinema ou um dos pontos favoritos dos amantes da arte em Belgrado, as Cinotheque (cinematecas). Os teatros abrem às 17h e entre os mais populares está o Teatro Nacional, na praça República. Em lugar dos US$ 5 que custava antes da guerra, paga-se menos de US$ 0,10 e o variado repertório diário é uma seleçao de ópera, balé e drama. O teatro está sempre cheio e o público assiste com atençao óperas como Nabuco ou Aída.   

As 20h, horário em que habitualmente Belgrado costumava iniciar sua vida noturna, a capital se transforma numa cidade fantasma. As sirenes de aviso de ataque aéreo soam por um minuto e a advertência e o alerta se mantêm por toda a noite.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;