Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Água sobe 6,78% em São Caetano


Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC

11/11/2004 | 09:11


O DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano reajustou em 6,78% a tarifa de água deste mês de residências, comércios e indústrias da cidade. Apesar de a Sabesp ter reajustado a água no fim de agosto, às vésperas das eleições municipais, o DAE só repassou o aumento ao consumidor agora. Segundo o diretor técnico do DAE, Denis Striani, isso ocorreu porque foi pedido um esclarecimento à Sabesp quanto à autenticidade do reajuste, que é anual.

Striani diz que durante esse período aguardava a explicação. "A Sabesp só nos respondeu no fim de setembro. Em outubro, não houve tempo hábil para analisar os documentos", justificou o diretor do DAE. Em São Caetano, para quem gasta até 10 m³ de água por mês (consumo mínimo), por exemplo, a conta passará de R$ 8,45 para R$ 9.

As cidades de Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, abastecidas diretamente pela Sabesp, reajustaram as tarifas logo que a rede pública anunciou o aumento, que, como todos os anos, ocorre em julho ou agosto.

São Bernardo também tem a rede municipal de água administrada pela Sabesp. Mas a cidade não teve reajuste porque o compromisso da Prefeitura com a população de não aumentar a tarifa (quando o DAE distribuía a água na cidade) até o fim deste ano foi mantido pela Sabesp, que comprou o DAE da cidade no fim do ano passado. Na ocasião, houve um reajuste de 19% nas contas. O contrato entre Prefeitura e governo do Estado prevê que a cidade tenha reajustes gradativos, durante cinco anos, até que a população pague o mesmo que nos outros municípios operados pela Sabesp (valor superior a São Bernardo).

Diadema, Mauá e Santo André não concordam com as correções anuais dos valores da Sabesp. As autarquias dos três municípios contestam os reajustes na Justiça e, por isso, não aumentam suas tarifas há mais de um ano e meio. Essas cidades pagam a água à Sabesp em juízo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Água sobe 6,78% em São Caetano

Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC

11/11/2004 | 09:11


O DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano reajustou em 6,78% a tarifa de água deste mês de residências, comércios e indústrias da cidade. Apesar de a Sabesp ter reajustado a água no fim de agosto, às vésperas das eleições municipais, o DAE só repassou o aumento ao consumidor agora. Segundo o diretor técnico do DAE, Denis Striani, isso ocorreu porque foi pedido um esclarecimento à Sabesp quanto à autenticidade do reajuste, que é anual.

Striani diz que durante esse período aguardava a explicação. "A Sabesp só nos respondeu no fim de setembro. Em outubro, não houve tempo hábil para analisar os documentos", justificou o diretor do DAE. Em São Caetano, para quem gasta até 10 m³ de água por mês (consumo mínimo), por exemplo, a conta passará de R$ 8,45 para R$ 9.

As cidades de Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, abastecidas diretamente pela Sabesp, reajustaram as tarifas logo que a rede pública anunciou o aumento, que, como todos os anos, ocorre em julho ou agosto.

São Bernardo também tem a rede municipal de água administrada pela Sabesp. Mas a cidade não teve reajuste porque o compromisso da Prefeitura com a população de não aumentar a tarifa (quando o DAE distribuía a água na cidade) até o fim deste ano foi mantido pela Sabesp, que comprou o DAE da cidade no fim do ano passado. Na ocasião, houve um reajuste de 19% nas contas. O contrato entre Prefeitura e governo do Estado prevê que a cidade tenha reajustes gradativos, durante cinco anos, até que a população pague o mesmo que nos outros municípios operados pela Sabesp (valor superior a São Bernardo).

Diadema, Mauá e Santo André não concordam com as correções anuais dos valores da Sabesp. As autarquias dos três municípios contestam os reajustes na Justiça e, por isso, não aumentam suas tarifas há mais de um ano e meio. Essas cidades pagam a água à Sabesp em juízo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;