Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Crise congela repasse da Caixa às obras em estudo do Grande ABC

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Somados todos os recursos prometidos às sete cidades que estão paralisados, União engaveta R$ 356,3 mi à região; não há previsão de envio


Raphael Rocha
Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

18/10/2015 | 07:00


A crise econômica pela qual o Brasil passa prejudicará os repasses de recursos do governo federal, por meio da Caixa, ao Grande ABC. Transferências para diversas obras nas sete cidades que já caminhavam a passos lentos devem continuar no papel por conta do rombo nos cofres da União. Somadas, as verbas prometidas à região chegam a R$ 356,38 milhões.

Com exceção de São Caetano e Rio Grande da Serra, os cinco municípios aguardam desfecho de projetos. A maioria é recurso prometido para Habitação, por meio do Programa Minha Casa Minha Vida, vitrine dos governos do ex-presidente Lula (PT) e uma das promessas de campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014.

Administrada pelo prefeito Carlos Grana (PT), Santo André aguarda a liberação de pelo menos R$ 36,42 milhões para custear construção de moradias para a população de baixa renda e obras de contenção de encostas em área de riscos. “Existe atraso (nos repasses) e até entendemos isso, mas faremos o que for preciso para garantirmos que os recursos sejam transferidos. Estamos em tratativas junto a União para que aquilo que está combinado seja acertado, nem que seja atrasado”, discorreu o secretário de Governo andreense, Arlindo José de Lima (PT).

São Bernardo, administrada pelo prefeito Luiz Marinho (PT), tem R$ 77,47 milhões para receber da União para por em prática projetos de urbanização de assentamentos precários no bairro Batistini (R$ 673.140) e construção de conjuntos habitacionais (R$ 76.800), um deles no Montanhão. Já os projetos enviados pelo governo Lauro Michels (PV), em Diadema, e que seguem estacionados na Caixa, somam R$ 13,4 milhões. As verbas bancariam a construção de moradias populares (R$ 3,2 milhões), intervenções na área de saneamento básico (R$ 9,5 milhões), esportes (R$ 300 mil) e recapeamento asfáltico de vias (R$ 408 mil).

Em Mauá, o prefeito Donisete Braga (PT), espera pelo menos R$ 102,6 milhões do governo federal para viabilizar a construção de unidades habitacionais (R$ 100,6 milhões) e urbanização de diversos bairros. “Estamos numa situação em que preparamos tudo, licitamos e não conseguimos tirar do papel (porque o recurso está travado). Eu não vou assumir esse ônus de iniciar uma obra e não concluir, para depois ser taxado como incompetente”, lamentou Donisete, que não poupou críticas ao governo petista. “A presidenta Dilma é teimosa, não está sabendo ouvir as sugestões dos companheiros (do partido). Eu sou à favor da saída do (Joaquim) Levy do Ministério da Fazenda, que está comprometendo as finanças públicas. (A crise) estava prevista para janeiro. Estamos chegando em dezembro e continuamos na mesma”.

Em reunião com os prefeitos do Grande ABC, na sexta-feira, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD) pediu compreensão aos gestores por conta da realidade financeira do País e garantiu que os projetos já prometidos deverão ser cumpridos. Para tanto, a União prorrogou o prazo para a assinatura de novos contratos do Minha Casa Minha Vida. “Todos sabem que no presente momento assinar novos contratos é inviável. Seria apenas ser gentil com os prefeitos. Por isso, para que os municípios fiquem tranquilos em relação à nossa disposição, nós prorrogamos os prazos e assim podemos ter volume adicional de novos investimentos”, assegurou o ministro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Crise congela repasse da Caixa às obras em estudo do Grande ABC

Somados todos os recursos prometidos às sete cidades que estão paralisados, União engaveta R$ 356,3 mi à região; não há previsão de envio

Raphael Rocha
Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

18/10/2015 | 07:00


A crise econômica pela qual o Brasil passa prejudicará os repasses de recursos do governo federal, por meio da Caixa, ao Grande ABC. Transferências para diversas obras nas sete cidades que já caminhavam a passos lentos devem continuar no papel por conta do rombo nos cofres da União. Somadas, as verbas prometidas à região chegam a R$ 356,38 milhões.

Com exceção de São Caetano e Rio Grande da Serra, os cinco municípios aguardam desfecho de projetos. A maioria é recurso prometido para Habitação, por meio do Programa Minha Casa Minha Vida, vitrine dos governos do ex-presidente Lula (PT) e uma das promessas de campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014.

Administrada pelo prefeito Carlos Grana (PT), Santo André aguarda a liberação de pelo menos R$ 36,42 milhões para custear construção de moradias para a população de baixa renda e obras de contenção de encostas em área de riscos. “Existe atraso (nos repasses) e até entendemos isso, mas faremos o que for preciso para garantirmos que os recursos sejam transferidos. Estamos em tratativas junto a União para que aquilo que está combinado seja acertado, nem que seja atrasado”, discorreu o secretário de Governo andreense, Arlindo José de Lima (PT).

São Bernardo, administrada pelo prefeito Luiz Marinho (PT), tem R$ 77,47 milhões para receber da União para por em prática projetos de urbanização de assentamentos precários no bairro Batistini (R$ 673.140) e construção de conjuntos habitacionais (R$ 76.800), um deles no Montanhão. Já os projetos enviados pelo governo Lauro Michels (PV), em Diadema, e que seguem estacionados na Caixa, somam R$ 13,4 milhões. As verbas bancariam a construção de moradias populares (R$ 3,2 milhões), intervenções na área de saneamento básico (R$ 9,5 milhões), esportes (R$ 300 mil) e recapeamento asfáltico de vias (R$ 408 mil).

Em Mauá, o prefeito Donisete Braga (PT), espera pelo menos R$ 102,6 milhões do governo federal para viabilizar a construção de unidades habitacionais (R$ 100,6 milhões) e urbanização de diversos bairros. “Estamos numa situação em que preparamos tudo, licitamos e não conseguimos tirar do papel (porque o recurso está travado). Eu não vou assumir esse ônus de iniciar uma obra e não concluir, para depois ser taxado como incompetente”, lamentou Donisete, que não poupou críticas ao governo petista. “A presidenta Dilma é teimosa, não está sabendo ouvir as sugestões dos companheiros (do partido). Eu sou à favor da saída do (Joaquim) Levy do Ministério da Fazenda, que está comprometendo as finanças públicas. (A crise) estava prevista para janeiro. Estamos chegando em dezembro e continuamos na mesma”.

Em reunião com os prefeitos do Grande ABC, na sexta-feira, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD) pediu compreensão aos gestores por conta da realidade financeira do País e garantiu que os projetos já prometidos deverão ser cumpridos. Para tanto, a União prorrogou o prazo para a assinatura de novos contratos do Minha Casa Minha Vida. “Todos sabem que no presente momento assinar novos contratos é inviável. Seria apenas ser gentil com os prefeitos. Por isso, para que os municípios fiquem tranquilos em relação à nossa disposição, nós prorrogamos os prazos e assim podemos ter volume adicional de novos investimentos”, assegurou o ministro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;